Porto Velho (RO) segunda-feira, 22 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

ACRM

Conte até dez


Conte até dez  - Gente de Opinião
William Haverly Martins

A nova campanha do Governo Federal “Conte Até Dez”, uma tentativa de diminuir a violência por impulso ou motivos fúteis, pela superficialidade da campanha, jamais surtirá os efeitos desejados. O neocórtex do cérebro humano não se deixa influenciar por uma simples sugestão nascida na hipocrisia racional. As emoções, por serem mais velozes que o raciocínio, comandam as ações desastradas do indivíduo. Só pela sedimentação da educação, apetrechando o homem contras as armadilhas da ignorância, poderemos chegar a resultado satisfatório e duradouro, capaz de impedir o sequestro momentâneo da razão.

Sob a égide do conhecimento, da instrução, da educação como um todo, o homem adocica o amargo sabor Gente de Opiniãoda vida insipiente, aceitando de bom grado modificações nas atitudes do dia a dia, como fruto de seu investimento. A neurociência moderna vem aprofundando seus estudos neste campo do conhecimento humano e define inteligência como a capacidade de utilizar os recursos mentais em favor da construção de um ambiente favorável, o que pressupõe controle das emoções, do pensamento e do comportamento, nessa ordem.

A gente sabe que o homem é um animal portador de um cérebro diferenciado e que vem evoluindo ao longo dos milênios. O que o diferencia das outras espécies é a linguagem, a aprendizagem, a capacidade do pensamento para a reflexão, entretanto, o homem, desde os primórdios, foi e continua sendo um animal social. Ele precisa da relação com o outro, mas só pela educação que o conduz ao autoconhecimento, será capaz de respeitar as diferenças, valorizando a alteridade no relacionamento, contendo os instintos selvagens que o levam à violência por motivos fúteis. Tolerância se aprende, mas não com uma simples campanha pela TV, com poucos dias de duração. Pensar antes de responder e agir, nos diálogos problemáticos, carece de longo aprendizado embutido na educação.

Recentemente presenciei na casa lotérica do Areal um diálogo grotesco, a exemplo de muitos outros por este Brasil afora, geradores de violência, reproduzido abaixo literariamente: um perneta atravessa a frente de um velho, na fila especial para idosos, deficientes e mulheres grávidas, ou com filhos de colo.

- Ei cara, tou na tua frente, cheguei primeiro – reclamou o velho.
- Eu sou aleijado, só tenho uma perna, a preferência é minha – justificou o perneta, suado, cabelos despenteados, barba rala e camisa semiaberta por cima das calças, presa a dois botões, deixando frestas por onde se via a barriga redonda de amante da loura gelada e o umbigo protuberante.

- Isto é um absurdo, a lei não te dá o direito de passá na minha frente – continuou resmungando o idoso, compenetrado e bem vestido!

- Eu só tenho uma perna, mas basta um soco meu pra te matar – ameaçou o aleijado de pouco mais de trinta anos, a prótese de madeira, visivelmente amarrada ao resto do que sobrou da perna, causava repugnância nos demais. O ambiente cheirava a violência.

- Pena que ocê seja tão ingrato! Ocê não tá me reconhecendo, não é mesmo – perguntou o velho de cerca de oitenta anos, cabelos ralos e brancos, escorrendo desalinhados pela nuca, a voz nervosa inquietava os olhos e as mãos.

- Qui históra é essa, véi. Nunca te vi na minha vida, sai pra lá assombração, tu já morreu e num sabe – humilhou o perneta.

- Agora ocê diz isso, mas fui eu qui te socorri, qui sujei meu carro com o teu sangue imundo e malcriado, no dia que ocê bateu sua moto numa picape e perdeu a perna. Nunca esqueci do teu chorerê me pedindo ajuda, lá na esquina da Rogério Weber com a Alexandre Guimarães, lembra? - as palavras do ancião calaram fundo na alma dos frequentadores da lotérica, todo mundo se ligou nas feições do perneta, esperava-se reconhecimento e desculpas, mas infelizmente, veio mais ignorância.

- Sai pra lá encosto, ajudou porque quis, porque é um véio idiota, tava esperando o SAMU - tentou se justificar o aleijado, indiferente aos apelos gestuais do público silencioso e frio, confirmando a máxima popular “quando Deus marca um é porque não quer perdê-lo de vista”.

- SAMU que nada, ocê tava perdendo muito sangue, poderia morrer se esperasse mais alguns minutos, foi o que te disseram no João Paulo. Eu salvei tua vida e é assim que me agradece, filho da puta – com a voz elevada e embargada de emoção, o velho, inesperadamente, sacou uma pistola de dentro de uma pasta surrada e fez pontaria.

Foi uma correria, mas ele não conseguiu atirar: um policial a paisana, da fila ao lado, desferiu golpes rápidos e precisos, desarmando o ancião, antes que disparasse. Assustado com o desfecho do burlesco com ares de trágico, ingressei no meu carro e fui fazer meu joguinho na lotérica da Bemol.

A campanha “Conte Até Dez”, inspirada numa frase de Thomas Jefferson e na personagem de Dias Gomes, Zeca Diabo, incorporado magistralmente por Lima Duarte na novela O Bem Amado, esqueceu de anunciar que a emoção advinda do ódio é cega, surda, rápida e irracional. Na maioria das vezes, dificilmente alguém terá tempo para contar até dez, só depois que a ficha cai no entendimento apaziguado da razão, a pessoa se dá conta da bobagem que disse, ou cometeu.

O condicionamento da educação massificada de qualidade poderia modificar estruturalmente o cérebro humano, resolvendo este e muitos outros problemas de relacionamento. O Governo Federal precisa aprender com os emergentes da Ásia a valorizar a educação. Em todos os países que priorizaram a educação, mediante megaprojetos, as taxas de violência despencaram.

williamhaverly@gmail.com
Detalhes biográficos: baiano de nascimento, mas rondoniense de paixão, cursou Direito na UFBA e licenciou-se em Letras pela UNIR, é professor, escritor, presidente da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira e vice-presidente da ACLER – Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira 31.

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi