Porto Velho (RO) quarta-feira, 29 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

ACRM

ANTOLOGIA DO ARCO-ÍRIS



Por William Haverly Martins

Ao longo do tempo o arco-íris vem exercendo sobre a terra seu óptico poder de transformar a dispersão da luz em gotículas de água suspensas na atmosfera em um arco colorido com as cores do espectro solar, entretanto só a partir do aparecimento do homem, a linguagem visual do fenômeno óptico/meteorológico e a linguagem verbal, ao se fundirem com o pensamento mítico, no seio da criação artística, induziram o encantamento a um transbordamento estético, com significados que abastecem a aparente ingenuidade dos mitos do pensamento selvagem, enriquecem o repertório dos poetas da vida e dos magos da palavra que utilizam o literário para descobrir-se e ultrapassar-se.

Embora o visual quanto ao significante pareça imutável, as variações no local da aparição e a morada constante ao pé das cachoeiras concedem ao arco-íris o conceito de vida própria, virando mito de muitas tribos indígenas e mote de poetas ao redor do mundo.

O visual e o sentido, o texto e o contexto, a palavra que nomeia e o nomeado interagem na construção de outras palavras absolutamente novas, quer seja em sentido metafórico, ou pela força da construção híbrida: um arco que atira flechas coloridas sobre as mazelas humanas, o arco-celeste, o arco-da-aliança de Deus com o homem, o arco-da-chuva, o arco-da-velha. A metade da circunferência perfeita, onde não se descobre começo nem fim: as extremidades, ao abraçarem o interior da Terra, ratificaram o mistério da criação.

“Eu havia feito um poema sobre o sol,

surgiu a chuva, e ela me ensinou poemas de arco-íris”.

A indignação de Keat, poeta inglês, por existir explicação para um fenômeno tão belo e envolto em misticismo, chegando a dizer que o físico Isaac Newton destruiu a poesia do arco-íris, não se coaduna com o espírito artístico: ele vai além do cientista, ignora o desencanto do arco-íris na mesa do laboratório, descobre-lhe novos caminhos carregados de valores semânticos nascidos e replasmados ao longo de uma complexa vida literária, concedendo-lhe um conceito de múltiplos sentidos.

Para Cecília Meireles “há um arco-íris ligando o que sonha e o que entende – e por esta frágil ponte circula um mundo maravilhoso e terrível, que os não iniciados apenas de longe percebem, mas de cuja grandeza se vêem separados por muralhas estranhas, que tanto afastam como atraem”.

As sete cores do arco-íris, sete liras da magia, como um mundo tão longe e tão perto, atrás da porta, que possui poderes sobre o tempo, que nos remete à infância, como interface da ingenuidade, que nos remete ao mistério que cultivo em minha vida cheia de esperanças, cores como se letra e música de uma canção perfeita, onde a solidão do poema mudo se abastece de sete notas musicais, atenuando a sordidez da espera:

“Vermelho, da paixão com que vivo
Laranja, do sabor por vezes relativo
Amarelo, do sol do meu país
Verde, dos campos que olho daqui
Azul, do céu e cor de mim
Anil, para tantos indistinto tal como a minha canção
Violeta, curta, fria, como a noite sem ilusão”

Na Europa dizem que há potes de ouro nas extremidades do arco-íris, no Brasil corre a lenda de que quem o atravessa muda de sexo, mitos, mas posso garantir que bom mesmo é verbalizar o arco-íris, aprisionando-o numa antologia de linguagem mágica, ainda que as cores nem sempre consigam mudar os versos em preto e branco da existência.

Williamhaverly@gmail.com

Detalhes biográficos: baiano de nascimento, mas rondoniense de paixão, cursou Direito na UFBA e licenciou-se em Letras pela UNIR, é professor, escritor, membro efetivo da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira e ocupa a cadeira 31 da ACLER – Academia de Letras de Rondônia.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi