Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Ciro Pinheiro

CHEGANÇA, ou melhor dizendo: chegando. Voltei ao meu lugar, o lugar no qual vivo há 52 anos, a nossa Porto Velho


CHEGANÇA, ou melhor dizendo: chegando. Voltei ao meu lugar, o lugar no qual vivo há 52 anos, a nossa Porto Velho - Gente de Opinião

...ou melhor dizendo: chegando. Voltei ao meu lugar, o lugar no qual vivo há 52 anos, a nossa Porto Velho. Foram exatos quatro meses no meu Ceará, o Estado onde há 82 anos eu nasci. Lá na bela cidade de Solonópole, no sertão central cearense, conhecida como “Terra de Solon Pinheiro”.

Pois é, meu povo: estou reiniciando neste 22 de abril de 2019, voltando ao Gente de Opinião, depois de uma longa ausência, distante do meu lugar, o Estado de Rondônia. Apesar de tudo, apesar de cearense apaixonado por sua terra de nascimento, passado um mês já contava os dias da volta. Não aguento ficar parado, nas praias vendo o tempo passar, olhando para as ondas do mar e dando uma inocente espiadinha nos “monumentos desfilantes” - as “iracemas” que lotam as areias brancas dos “mares bravios” decantados por José de Alencar, ou “Zé de Alencar”, como falam, com ar de intimidade, os conterrâneos cearenses.  

 Em Porto Velho, na chegada, poucas novidades encontrei. Uma delas - muita gente chegada há pouco tempo, já com cara de dona do pedaço. Pensem num exemplo: depois de mais de 50 anos nesta terra boa, atuando como redator e colunista no saudoso Alto Madeira e tendo prestado assessoramento a três governadores, oito prefeitos e à Assembleia Legislativa, encontro o Estado e o Município governados por gente que não constava na minha lista de conhecidos, forasteiros como eu, ilustres estranhos. Sobre o prefeito da capital, se não está tendo o agrado geral, vejo como coisa comum: mesmo ainda no começo aparecem os descontentes que querem que o administrador já no dia seguinte mostre serviço; confesso que estou entre os que deram o voto sem conhecer o candidato.  O governador, ainda não tive a oportunidade de ver de perto. Vejo que ele também já recebe cobranças quando ainda está na caminhada inicial. Penso que é preciso que seja dado um tempo maior para um julgamento honesto.

Encontrei meu grande chefe de longo tempo, Euro Tourinho (97 anos bem vividos), sem o seu (nosso) saudoso Alto Madeira, sempre ele curtindo noitadas no “Buraco do Candiru”, sem pensar na chegada ao centenário, que está quase chegando. Euro forte, mas já apelou para uma amiga bengala e aposentou a carteira de motorista, a mais antiga de Rondônia e, pouco está saindo de casa, comentou comigo, contrariado. É a vida e nela só temos dois caminhos, apenas, e o melhor deles é ficar velho.

Quatro meses em Fortaleza: já estava ficando acostumado, mas sem esquecer as amizades que conquistei e que conservo em Porto Velho nesse tempão todo, bem mais do que a metade da minha vida. Em Fortaleza, quando falei que em Rondônia estão meus amigos, um parente próximo comentou: “não temos amigos, temos conhecidos”. Protestei: na minha terra, o Ceará, depois de tão longa ausência, tenho muitos parentes, mas não tenho amigos e Justifico: amigo a gente consegue com a presença, com a convivência. A todos os que ainda labutam na busca da proteção divina, amigos, conhecidos e também gente que não conheço, pessoas nunca antes vista que me cumprimentam nas ruas de Porto Velho, aqui vai o meu bom dia, e que a celebração da Pascoa tenha significado uma volta à crença de que Deus existe. Amém.

 

LIONS FEZ BELA CONVENÇÃO EM JI-PARANÁ

A grande cidade de Ji-Paraná teve um fim de semana movimentadíssimo com a presença de numeroso grupo de Leões que vindos dos estados do Acre, Roraima, de Porto Velho e de várias cidades do interior de Rondônia, que participaram em dois dias da XX Convenção do Distrito LA-1 do Lions Internacional, realizada no auditório do Hotel Maximus, um dos melhores da cidade.

Os eventos leonísticos da Convenção foram dirigidos pelo governador do Distrito LA-1, Laércio De Falco, e teve como orador oficial o ex-diretor internacional, Whadir Lacerda, convidado especial. Foram homenageados os membros antigos do Lions, José Olavo de Amorim e Fernando Ferreira, aplaudidos pelos presentes.

 Ji-Paraná, que há muitos anos conheci como Vila Rondônia ainda pequena, acanhada, hoje uma grande e bela cidade. Estranhei no importante evento leonístico a ausência de autoridades locais, pelo menos na solenidade de abertura. A única autoridade que participou da cerimônia de instalação foi o deputado Laerte Gomes, presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, que discursou saudando os componentes do Lions, a maior instituição não governamental do mundo.

Na noite do sábado, foi realizada a eleição do futuro governador do Distrito e dos vices governadores, que assumirão a direção da Governadoria nos anos subsequentes.  Foram eleitos: Paulo Xavier de Azevedo, 1º vice (Roraima); - Rony Eguez Vacadias (Rondônia - Porto Velho) 2º vice, e André Luiz Rosseto, de Ariquemes, 3º vice-governador.

Depois da reunião de encerramento e jantar de companheirismo, os Leões e Domadoras aproveitaram para um animado baile que terminou quando já passava da meia noite. O Leão Siqueira, jiparanaense dos mais conceituados, funcionou como perfeito animador durante o evento.

FOTOS feitas por Marcos Lock (Repórter-RO



O orador oficial, Whady Lacerda (camisa roxa) com o ex-governador do Distrito LA-1, Raimundo Pantoja, de Roraima.



 Iracirema (Roraima) – ex-governadora distrital, com o marido Paulo, eleito próximo governador do Distrito. 



Ex-governadores (PDG): o roraimense Raimundo Pantoja entre a acreana Eliana e a rondoniense Elza Aparecida.



Rondônia: Rony que tevê maior votação como futuro governador do Distrito (2020/21), com a esposa Zenith.  Na condução da solenidade o Leão  Laércio de Falco.



Do grupo de Rondônia: Marcia, Ciro, Penha, Valdir e Elza Aparecida (PDG)