Porto Velho (RO) segunda-feira, 26 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

A poesia humanista na vida de Francisco de Assis


A poesia humanista na vida de Francisco de Assis - Gente de Opinião

Caros amigos e amigos leitores das minhas colunas semanais, e meus editores, amigos pacientes, quero pedir desculpas por meu silencio nessas ultimas cinco (05) semanas. É que eu estou lendo alguns livros e também fiz uma viagem ao centro do Brasil – Brasília – DF, que me fez ficar longe do teclado por alguns dias.

Retorno essa semana, semana dedicada a fazer memória a um santo católico, um príncipe da Itália antiga, conhecido como São Francisco, da cidade de Assis.

São Francisco de Assis nasceu em família rica no ano de 1.182 e veio a falecer no ano de 1.226; foi um religioso italiano, conhecido como o fundador da Ordem dos Franciscanos.

Era filho de um rico comerciante, com quem teve dificuldades de relação, dada a forma impetuosa, radical e pouco sensível de agir do seu pai. Francisco sempre foi ao contrário, de uma grandiosa sensibilidade, demonstrando desde a infância e a adolescência sua vocação para o humanismo e o amor incondicional a todas as coisas criadas pelo Senhor de tudo.

Tanto que as facilidades e as tendências da vida rica e confortável não o completavam e mais tarde fez seus conhecidos e radicais votos de pobreza.

Na juventude de Francisco, por volta de seus vinte anos, uma guerra começou entre as cidades italianas da Perugia e de Assis. Ele queria combater em Espoleto, entre Assis e Roma, mas caiu enfermo. Durante a doença, ouviu uma voz sobrenatural que lhe pedia para ele "servir ao amor e ao Servo".

 

Pouco a pouco, com muita oração, Francisco sentiu a necessidade de vender seus bens e “comprar a pérola preciosa” sobre a qual ele lera no Evangelho.

 

Certa vez, ao encontrar um leproso, apesar da repulsa natural, venceu sua vontade e beijou o doente. Foi um gesto movido pelo Espírito Santo. A partir desse momento, ele passou a fazer visitas e a servir aos doentes que sem encontravam nos hospitais.

Aos pobres, o jovem Francisco dava presentes: suas próprias roupas e também dinheiro que tivesse no momento.

Num dia simples, mas muito especial, num momento em que Francisco rezava sozinho na Igreja de São Damião, em Assis, ele sentiu que o crucifixo falava com ele, dizendo por três vezes a frase que ficou famosa: "Francisco, repara minha casa, pois olhas que está em ruínas".

 

Ele vendeu tudo o que tinha e levou o dinheiro ao padre da Igreja de São Damião, e pediu permissão para viver com ele. Nessa época tinha vinte e cinco anos.

 

Pedro Bernardone, ao tomar conhecimento das ações do seu filho, foi buscá-lo indignado, levou-o para casa, bateu nele e acorrentou-o pelos pés.

A mãe, porém, o libertou na ausência do marido, e o jovem retornou a São Damião.

Seu pai foi de novo buscá-lo. Mandou que ele voltasse para casa ou que renunciasse à sua herança.

Francisco então renunciou a toda a herança e disse: "As roupas que levo pertencem também a meu pai, tenho que devolvê-las". Em seguida se desnudou e entregou suas roupas a seu pai, dizendo-lhe: “Até agora tu tem sido meu pai na terra, mas agora poderei dizer: ‘Pai nosso, que estais nos céus”.

Francisco começou a anunciar a verdade do Evangelho; e convidou outros a se associarem a ele na busca da perfeita santidade, insistindo para que levassem uma vida de penitência E DOAÇÃO – solidariedade plena.

Surgiram assim os primeiros 12 discípulos que, segundo registros da Igreja, “foram homens de tão grande santidade que, desde os Apóstolos até hoje, não viu o mundo homens tão maravilhosos e santos”.

 

Os novos apóstolos reuniram-se em torno da pequena igreja da Porciúncula, ou Santa Maria dos Anjos, que passou a ser o berço da Ordem dos Frades Menores (O.F.M.).

 

Francisco de Assis foi canonizado pelo papa Gregório IX, dois anos depois de sua morte. É conhecido como o protetor dos animais e o santo da ecologia mundial.

O papa atual, no dia da sua escolha pelo colégio de cardeais em 2013, ainda cardeal Bergoglio, assumiu o nome de Francisco como que anunciando ao mundo a importância de o ser humano, enquanto caminha no planeta, poder melhorar sua forma atual de relacionamento com os recursos naturais, em especial as florestas, com os seus irmãos (todos somos irmãos) e com os animais (biodiversidade).

É fato que isso, como outras mudanças necessárias neste novo milênio, só pode ser alcançado pela conversão pessoal de cada um de nós (e mudanças, doem).

Por isso, faço aqui minha pequenina parte: rogo que a história do Santo que viveu e morreu há quase oitocentos anos atrás, e que, o testemunho do bispo de Roma, o papa Francisco, possa nos alertar a todos sobre essas nossas necessidades de reconstrução de nós mesmos e do mundo em que vivemos.

Graça e Paz.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Enquanto isso, no centro do Brasil

Enquanto isso, no centro do Brasil

Em dezembro desse ano completo 28 anos de moradia em Rondônia, com a minha família, vindos do nordeste para conhecer e trabalhar nas terras do Marec

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d