Porto Velho (RO) sexta-feira, 24 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônia Especial

NOVA ERA PARA A FLORESTA QUE GUARDA OS SEGREDOS DA VIDA



AMAZÔNIA:  
BRASIL IGNORA O MAIS IMPORTANTE 
BANCO GENÉTICO DO PLANETA  (VIII)
 

 

Roberto Gueudeville   

 

O brasileiro Rubens Ricúpero avisou que o mercado ia implodir. 

NOVA ERA PARA A FLORESTA QUE GUARDA OS SEGREDOS DA VIDA - Gente de Opinião

Rubens Ricúpero

“O fim do socialismo foi um maremoto político. O vácuo ideológico e o desequilíbrio de forças conseqüentes tornaram possível aquilo que era antes inconcebível: a absoluta hegemonia dos mercados financeiros e os excessos responsáveis pelo colapso atual. Nesse clima, poucos ganharam muito, mas a desigualdade explodiu.” 

Ricúpero ainda lembra dos avisos, em 2002, da Enron, da WorldCom que ocasionaram ao Nasdaq rombo de US$5 trilhões. Agora, quando a ganância dos investidores criou, com os seus derivativos, outra economia informal, num mercado cuja auto – regulação é conto de carochinha, os chineses gritam de lá para Europa e Estados Unidos equilibrarem os dois mercados, o real e o informal. Isto é possível? 

Não é preciso ser economista para entender que o mundo precisa de outro Bretton Woods, mas para fazer o quê? Poucos respondem algo de concreto. 

O ERRO ESTÁ NA CABEÇA DO HOMEM BRASILEIRO

Instalou-se na Amazônia um capitalismo predatório, ungido pelos incentivos fiscais com 90% retornando a São Paulo e apenas 10% aplicados, que levou todo o sistema à sua autodestruição. Grande parte dos projetos, apesar de bem elaborados, eram utilizados apenas para encobrir negociatas. A gestão destruía a convergência da sustentabilidade, que é a soma do social, o econômico e o ambiental (3Ps). 

O Banco da Amazônia (então banco da Borracha) não foi criado segundo um planejamento que ensejasse o desenvolvimento da região, mas como um instrumento de guerra aliado, tendo como função, apenas, a de financiar os produtores e monopolizar as compras. Daí as dificuldades em atuar como legítimo Agente do Desenvolvimento, permanecendo como um simples banco comercial, aplicando, apenas R$5,5 bilhões em 2009. O Banco do Nordeste, somente para atender as micro e pequenas empresas, no mesmo ano, tem R$7 bilhões. 

Em resumo, a nossa incapacidade de conquistar e integrar a Amazônia é, e tem sido parte integrante do homem brasileiro. Porque tantos projetos, alguns até racionalmente bons, não deram certo? Diante de tantos insucessos, os governos têm até medo de tocar no assunto e quando o fazem se expõe ao ridículo, aqui e lá fora, como faz o atual governo. Então, é preciso reformar e reformular a cabeça do homem brasileiro. Não é difícil encontrar as razões porque erramos sempre – trata-se da falta de espírito de promoção desenvolvimentalista por parte dos organismos que os devem aplicar, como tão bem analisa Miranda Neto em seu livro “O Dilema da Amazônia”, editora Vozes, 1979. E aprofunda: “desenvolvimento é um estado de espírito; é a criação de algo que não existe, exige de quem o promove propósitos definidos, fé nesses propósitos e espírito criativo. As maiores dificuldades ocorrem realmente com a incompreensão e a falta de cooperação dos homens. O agente de desenvolvimento deve ter, por isso, liberdade de movimentos, boa formação moral, autoridade, esquemas de operações simples e rápidas. Sua ação é uma batalha contra obstáculos freqüentemente inesperados e, por isso, são-lhe essenciais audácia, persistência, criatividade.” 

Em vez disso, o Brasil vive enredado num processo burocrático em que cada funcionário público, todo dia, religiosamente, o realimenta. E daí, ele conscientemente ou não, aduba o terreno para outro vício insanável, que é a corrupção. 

É como diz Horácio Martins de Carvalho:
 
-“Há uma dor, uma dor profunda que magoa o coração do povo latino americano. Não lhe é suficiente a dependência econômica, política e cultural perante os países centrais e que lhe arranca o melhor produto do seu trabalho. Há uma burocracia nacional que cresce e se multiplica sem cessar, absorvendo as esperanças da população ao manipular, em seu nome, símbolos vazios de significado, ao disputar o poder político, ao invés de servir...” 


NOVA ERA


Diante dos fatos e da realidade mundial, é preciso que os brasileiros repensem a Amazônia. Não podemos contar com o atual governo que já demonstrou absoluta falta de vontade e de apetite para encarar o assunto. Também não adianta o Pará criar o Instituto Alerta Pará, uma medida insípida, inodora e incapaz de atingir, sozinha, qualquer objetivo. 

O governo que assumir em 2010 inicialmente terá que convocar três cidadãos capazes, apenas três de cada Estado Amazônico e conceder-lhe noventa dias para apresentar os projetos importantes, com seus respectivos orçamentos. Não vão precisar criar nada, tudo o que é preciso fazer já está escrito. Existe um navio inteiro onde cabe o que já foi escrito sobre a região. Basta separar o joio do trigo. E banir as idiossincrasias de Mangabeira Unger e de seus sucessores, ignorantes absolutos em Amazônia. Ninguém sabe, por exemplo, o que fez o Ministério do Futuro... 

Brasília precisa urgentemente elaborar a lei de biodiversidade, especialmente para a Amazônia. Um assunto tão sério não pode ser regulado por medidas provisórias ditatoriais. Se o Ministro do Meio Ambiente resolver usar a sua disposição para prender madeireiro, na promulgação dessa lei, ela poderá sair. 

Após, o Governo federal criará um FUNDO ESPECIAL PARA A AMAZÔNIA, com reservas de R$100 bilhões, para ser usado em 10 anos, sem aumentar impostos. A fonte será do R$1 trilhão que o povo paga, todo ano de impostos. O comando da operação não será de Brasília. Os recursos serão dirigidos diretamente a cada comissão, que contará com a fiscalização de: 

1. Conselho Comunitário;
2. Ministério Público Federal;
3. Ministério Público Estadual;
4. Tribunal de Contas da União;
5. Tribunal de Contas do Estado;
6. Tribunal de Contas dos Municípios;
7. Câmeras de Vereadores;
8. Assembléia Legislativa;
9. Prefeituras;
10. Imprensa. 

Em cada Estado. 

Para se roubar será preciso corromper todas as 10 instituições, o que é extremamente trabalhoso. Todo o capital investido será reembolsável à sua fonte, com carência de 10 anos e prazo de 20 anos, com juros de 3% a.a. 

OS PROJETOS

Cada Estado montará seus projetos, em cima de um modelo básico de desenvolvimento, sem muito blá – blá – blá. 

As prioridades são: 

1. Manejo florestal correto e obrigado a todos que trabalham no ramo;
2. Fim da impunidade para os bandidos e definir situação fundiária;
3. Implantação de Sistemas Agroflorestais em todos os níveis, incluindo a recuperação dos grandes seringais, enriquecendo-os com uso de ciência e tecnologia;
4. Implantação de centros de ciência e tecnologia em cada bacia fluvial, em toda a hiléia;
5. Projetos exclusivos para a Várzea;
6. Organização do Sistema Pesqueiro, com psicultura e aqüicultura;
7. Aplicação de biotecnologia na diversidade biológica da floresta (genética);
8. Mineração – levantamento de 1/100.000 e geofísica, em toda a área. Congresso deve regulamentar mineração em área indígena;
9. Projetos específicos para os índios, de acordo com o grau de aculturação;
10. Centro de Arte, Cultura, Artesanato e Folclore em cada Estado;
11. Escola – classe (modelo Anísio Teixeira) com adaptação do currículo à cultura amazônica;
12. Postos de puericultura – prevenção da doença. Pequenos hospitais bem montados, em todos os municípios;
13. UNIVERSIDADE DA FLORESTA (enfoque amazônico de educação e cultura);
14. Recuperação de 80 milhões de há com implantação de grandes florestas produtivas (florestais e frutíferas) e energéticas, com parceria de FUNDOS DE PENSÃO brasileiros;
15. Dois grandes pólos de etanol no Pará (que tem 9 milhões de há degradados que pesquisas da EMBRAPA, USP e Viçosa indicam) e outro no Acre, para, via Pacífico, atingir a costa oeste dos Estados Unidos e a Ásia;
16. Hidrovia Araguaia – Tocantins e as Hidrelétricas programados;
17. Habitação;
18. Saneamento básico – projeto extra, do governo. 

Quem não concordar com isto, ou não entende nada de Amazônia ou quer tumultuar a vida de 25 milhões de brasileiros, vítimas do descaso e incompetência dos governos. 

Aquele que por acaso se sentir atingido, em algum momento, por esta série de matérias, poderá argüir que a prova de que a democracia plena existe é a liberdade que tem o jornalista de expressar os seus pensamentos. 

Certo, mas isso constitui meia verdade. Tenho certeza absoluta que toda vez que for identificado como autor da critica a determinado órgão aqui registrado, serei considerado “persona non grata”, como já aconteceu várias vezes. E no interior do Brasil, a reação é um pouco mais dura. Matam o jornalista. Consegui escapar por seis vezes. 

Pedirei ao meu neto, Gabriel Gueudeville, hoje com 2 anos, que fique alerta para, daqui há 20 ou 30 anos, verificar se o que se sugere aqui foi levado a sério por algum governo. Deus queira que sim! 

A continuar o descaso, todos nós teremos que falar inglês, nós e os índios.
Mas fica o peso na consciência (apenas das pessoas sérias) de não ter conquistado a integração da Amazônia, que permanecera distante. Então, vamos procurar o novo mundo inebriante de 

ARAKYSSAWA

O HOMEM EM BUSCA DA TERRA SEM MAL, A POUSADA DO SOL, a utopia de todos os índios. Para eles, a terra é como a extensão do seu próprio corpo. Depois, veio o homem branco e roubou Arakissawa. Poluiu e contaminou toda a terra, os rios, os lagos, destruiu as árvores e matou os bichos. Desrespeitou todas as leis naturais de Arakissawa, a terra sem mal, a Pousada do Sol. E o homem branco conseguiu destruir a si próprio, implantando o mal na terra virgem e sagrada de Arakissawa. Depois de sua morte, o rei sol convidou todos os deuses para recriar a terra sem mal, só para os índios. Assim, todos os anos, no verão, eles saem em longas viagens, rumo ao poente, em busca de Arakyssawa, a Terra sem Mal, a Pousada do Sol. 

Fonte: Roberto Gueudeville (Encaminhado por Sílvio Persivo ao Portal Gentedeopinião).

Mais Sobre Amazônia Especial

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

À primeira vista, os cacos espalhados pelos caminhos de terra da comunidade Boa Esperança não passam de amontoados de pedaços de tijolos soterrados. S

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

A mandioca é uma das fontes de alimento mais antigas cultivadas na América do Sul. Variedade comum na região amazônica, a mandioca brava (Manihot escu

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Há cerca de um mês “desapareceram” do site do Ministério do Meio Ambiente (MMA) os dados das Áreas e Ações Prioritárias para a Conservação, Utilizaç

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Jandaíra, mandaçaia, uruçu, jataí... são muitos os nomes das mais de 400 espécies de abelhas nativas sem ferrão brasileiras catalogadas, das quais cer