Porto Velho (RO) sexta-feira, 24 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônia Especial

A INCOMPETÊNCIA DE BRASÍLIA ALIMENTA A FOGUEIRA NA FLORESTA.



AMAZÔNIA:  
BRASIL IGNORA O MAIS IMPORTANTE 
BANCO GENÉTICO DO PLANETA  (XIV)
 

 

Roberto Gueudeville   
     
   
Não se trata apenas de criticar o atual governo. Não seria justo. A incompetência é geral, é de toda a sociedade brasileira e especialmente a da própria Amazônia, por absoluta omissão em proteger a floresta. O grande ônus é do governo porque as pessoas elegem governos para, basicamente, resolver os problemas. No Brasil, eles prometem e não cumprem e os eleitores não cobram. A ausência de gestão, nos governos (federal, estadual e municipal) é tão flagrante que sua marca registrada é a falta de definição de critérios prévios e agilidade nas decisões. O PAC já virou “PACTOIDE” denuncia o Estadão. Sente-se, em todos os escalões, o declínio físico e moral do homem público, com graves conseqüências: o país perde o status de Nação civilizada e a população persegue a cidadania, sem nunca alcançá-la. Brota desse estado de inanição um desagradável sentimento de inutilidade, em um país jovem, onde a crise de moralidade é do seu próprio tamanho. Às vezes sou tomado de um sentimento de culpa por estar exigindo de pessoas e governos não qualificados, soluções para a Amazônia e peço desculpas a mim próprio. E quando a imprensa os critica fortemente, as lideranças responsáveis tangenciam, o Executivo tolera, o Legislativo cria CPI’S para atrair holofotes e o Judiciário, nobre senhora vestal, deveria criar uma súmula vinculante para ladrão rico (só o pobre vai para a cadeia), reformando a própria casa, eliminando o mercado de recursos que permite, por exemplo, ao dono do Opportunity, o primeiro escroque genuinamente brasileiro (Naji Nahas perdeu o trono) jamais cumpriu alguma pena. 

Dizer que a lei brasileira (incluindo a “Constituição – cidadã” de 1988) é elaborada para proteger as elites, cujas origens da riqueza sempre são fraudulentas (o ideal português de colher o fruto sem plantar a árvore, pegou), é menosprezar a inteligência do leitor. 

Tradicionalmente, os brasileiros sempre ignoraram a Amazônia. O portal da Globo.com abriu espaço para denúncias populares. Com uma população de 185 milhões, dos quais pelo menos 100 milhões assistem a TV, apenas 3 milhões de pessoas se manifestaram, três por cento. Se a Amazônia para os americanos está situada em 3º lugar no “top of mind”, depois de Jesus Cristo e Coca Cola, nossa percepção do problema fica bem atrás. 

- O BRASIL NÃO ESTÁ FALANDO SÉRIO! 

A INCOMPETÊNCIA DE BRASÍLIA ALIMENTA A FOGUEIRA NA FLORESTA. - Gente de Opinião
A empolgação espalhafatosa e teatral do Ministro Carlos Minc, do Meio Ambiente, em rede nacional de TV, na primeira semana de dezembro, não é presente de Natal para ninguém. Primeiro, é preciso lembrar que o Ministério do Meio Ambiente não fez nada, absolutamente nada sério para proteger a floresta e implantar um projeto de desenvolvimento sustentável como o Palácio do Planalto alardeia. E fica só no discurso. Todos os seus ministros são fracos e vêm cuidando melhor de suas carreiras políticas, incluindo Marina Silva, a seringueira que decepcionou, alugando o Ministério para dezenas de ONG’S, todas improdutivas, que ganharam dinheiro. 

O Plano Nacional de Mudanças Climáticas apresentado oficialmente pelo Brasil à 14º Conferência do Clima, nas Nações Unidas, em Poznan, na Polônia, em 12/12/2008, promete reduzir o desmatamento da Amazônia em 70%. Tem gente elogiando o governo por ter, pela primeira vez, estipulado metas, antes que países industrializados o fizessem como era a posição anterior do país. 

O governo mente porque sabe que não tem nenhuma condição de cumprir essa meta. Absolutamente nenhuma. Isso constitui presepada do ministro e Lula apoiou, como vem apoiando o “PACTOIDE” de Dilma Rousseff. 

E não me consta que a promessa brasileira signifique alguma reviravolta na política de meio ambiente do Brasil. Porque essa política não existe, só no gabinete do Ministro, com elogios e palmas dos seus assessores. 

Com o desflorestamento emitindo 75% da emissão de gases – estufa, no Brasil (no restante do mundo é 20%), o governo promete também evitar a emissão de 4,8 bilhões de toneladas de gás carbônico (CO₂) até 2017. O governo não tem o direito de prometer aquilo que não vai cumprir e é antiético estabelecer metas (até 2017) para dois outros governos cumprirem, a não ser que haja outro golpe de Estado, “glorificando” Lula como ditador. 

Boa parte das delegações de países presentes em Poznan se manifestou sobre a pretensão de Minc: 

-O Brasil não está falando sério! 

Concordo. 

A FOGUEIRA CONTINUA A INCOMPETÊNCIA DE BRASÍLIA ALIMENTA A FOGUEIRA NA FLORESTA. - Gente de Opinião

Entre 1977 e 2005 o desmatamento na Amazônia atingiu a 313 mil quilômetros quadrados, o equivalente a uma Itália. Até hoje, cresceu para uma Bélgica mais uma Holanda. E os municípios que mais desmatam permanecem pobres, uma pobreza que assusta até São Francisco de Assis. 

O problema principal a ser atacado é a situação fundiária. O IBAMA estima que 25% das terras da Amazônia sejam de propriedade particular; 33% de áreas protegidas e 42% de terras públicas griláveis. Para temperar este imbróglio, 80% das empresas que trabalham com madeira usam documentos frios, sem dúvida com a conivência de autoridades. Corrupção total. 

BRASILEIRO TEM COMPLEXO DE VIRA LATA

Nenhum executivo em Brasília até hoje fez algum esforço para compreender que proteção ambiental, especialmente na Amazônia é um excelente negócio. Como também nenhum empresário do sul maravilha. Com pouquíssimas exceções, temos “complexo de vira lata”, já denunciava Nelson Rodrigues. 

O Brasil deveria reunir o Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID e BNDES para financiarem (sem fundo perdido) um grande projeto de implantação de florestas produtivas (palmoil – dendê, açaí, pupunha, cupuaçu, etc) e grandes florestas energéticas (madeira) no espaço de 80 milhões de hectares que já destruímos. 

Vale lembrar que também os governadores dos Estados Amazônicos que estiveram em Londres em julho último, a convite, no Palácio de St. James, nenhum deles levou qualquer projeto, muito menos o que proponho aqui. 

A Secretaria do Meio Ambiente do Pará informa que para cada 500 mil há em um projeto florestal comercial, mais 500 mil há destinados à reserva legal, onde estarão as florestas produtivas com culturas perenes de dendê, açaí, cupuaçu, pupunha e curauá, teremos um resultado de US$7 bilhões em cada ciclo de 8 anos (no caso de madeira) e mais um crédito aproximado de US$1 bilhão, pela não emissão de carbono. Para 80 milhões de há, com projeto de 30 anos, teremos uma receita de US$640 bilhões, a cada ciclo de 8 anos. 

Computados as produções dos outros 500 mil há que serão reserva legal, poderemos atingir US$1 trilhão, somando a madeira (ciclo de 8 anos) mais as outras culturas perenes com inicio de produção a partir do 4º ano de plantadas. 

Para tornar produtivo cada milhão de hectares, o investimento será de US$4 bilhões. Para 80 milhões de há, em 30 anos, o custo estimado será de US$320 bilhões de dólares. 

Para países onde vários US$ trilhões sumiram na implosão do sistema financeiro internacional, nossa proposta não pode ser considerada um despropósito. 

Para reverter a crítica, em Poznan, de que “-O Brasil não está falando sério!” bem que o governo poderia apresentar algum projeto sério em Copenhague, em dezembro próximo, quando serão assinados novos acordos de clima, pós protocolo de Kyoto. Se quiser, faz. 

Isso é muito mais rentável do que o desmatamento, incluindo o cooperativismo e altos índices de inclusão social. 

Nós precisamos aprender, cultuar e cultivar, que destruir a floresta é, antes de tudo, um ato de burrice, além de crime. E o Estado, para fazer cumprir a lei usa a força e a violência contra o que ele acha errado e atinge a milhares de famílias pobres, mulheres e crianças indefesas, jogando-as na marginalidade e no infortúnio. O Estado, à frente um ministro ignorante e despreparado, combate o crime do desmatamento cometendo um crime maior, covardemente, contra uma população pobre que, sem dúvida, vai engrossar as fileiras do narcotráfico. A impunidade começa pelos erros grosseiros que o governo Lula comete.

Fonte: Roberto Gueudeville (Encaminhado por Sílvio Persivo ao Portal Gentedeopinião). 

Mais Sobre Amazônia Especial

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

À primeira vista, os cacos espalhados pelos caminhos de terra da comunidade Boa Esperança não passam de amontoados de pedaços de tijolos soterrados. S

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

A mandioca é uma das fontes de alimento mais antigas cultivadas na América do Sul. Variedade comum na região amazônica, a mandioca brava (Manihot escu

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Há cerca de um mês “desapareceram” do site do Ministério do Meio Ambiente (MMA) os dados das Áreas e Ações Prioritárias para a Conservação, Utilizaç

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Jandaíra, mandaçaia, uruçu, jataí... são muitos os nomes das mais de 400 espécies de abelhas nativas sem ferrão brasileiras catalogadas, das quais cer