Porto Velho (RO) sexta-feira, 24 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônia Especial

A FALÊNCIA DO ESTADO – I


  

AMAZÔNIA:  
BRASIL IGNORA O MAIS IMPORTANTE 
BANCO GENÉTICO DO PLANETA  (IX)
 

 

Roberto Gueudeville   

Quando o Brasil aboliu as Capitanias Hereditárias, com a efetiva participação de Pombal (Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras, nascido em Lisboa, com avó brasileira), Portugal criou dois governos, depois, só um. Todas estas ações, impostas pelo Estado, constituem a prova da fragilidade de duas instituições brasileiras – o Povo e a Nação, ambas interdependentes. Não haverá nação sem povo. O contrário também vale. 

Aprendi com Henry Maksoud, em São Paulo, então dono do Grupo Visão e da poderosa Hidroservice, cujo guru era o filósofo Hayek, muito sobre cidadania. Homem também de televisão, alimentava um programa altamente educativo, em que sempre condenava os excessos do Estado brasileiro. Muitos o achavam chato. Aqueles adeptos do deixar como está para ver como é que fica abominavam-no. Sob a tutela do Estado opressor (é pleonasmo) o Brasil foi tomando forma, antes ditada pela Europa, até quando D. Pedro I se irritou e disse “ao povo que fico”. Era um homem temperamental. Detonou a primeira constituinte do país (1823) usando dois canhões à porta da Assembléia. Daí nasce a eterna dependência do poder Legislativo, no Brasil, sempre ajoelhado diante do Executivo (trabalhei um ano no Senado como jornalista(1975), pedi demissão). Enquanto o Judiciário, dando uma de vestal, mantém, a todo custo, pelos séculos afora, uma justiça lenta, corporativa, caduca no uso da lei e que dedica absoluto desrespeito ao cidadão, notadamente aos pretos, pobres e putas, não há como reformar isto! 

Então se o Estado incorpora todos esses males, como queríamos demonstrar, nosso processo democrático é uma grande mentira, não existe POVO BRASILEIRO. Se existisse, haveria democracia plena e respeitável, democracia vem do grego – “demo = povo/cracia = governo”. Sem “demo”, povo, o governo governa para si próprio, fazendo o mensalão e outras barbaridades, com absoluta e plena tolerância do presidente da Republica e os chamados 3 Poderes. É o declínio moral e funcional do homem público.

De onde se conclui que não existe POVO BRASILEIRO, temos grandes aglomerados de pessoas e, conseqüentemente uma Nação ainda embrionária, capenga, frágil, imberbe e mambembe, vítima de achincalhados poderes usurpados pelo Estado “democrático” totalitário. Tanto isto é verdade que, poucas vezes, o povo aparece na história do Brasil. O país foi organizado para ter mão de obra, não há povo. Nós construímos (ou nos foi dado) um Estado contaminado de pecados como a corrupção, com a preguiça, a demagogia e a mentira, a burocracia e a injustiça que só atingem os pobres. O dinheiro é idolatrado e aqueles que o têm fazem o impossível para multiplicá-lo. Sem limites! Voltamos a estatizar! Com a proteção da lei! Agora, para defendê-lo, a economia... 


O TESOURO SERÁ SAQUEADO SEMPRE


A grande maioria dos componentes dos 3 poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário (90%) não tem nenhum compromisso com o Brasil, o que implica em afirmar que a democracia brasileira é uma pantomima. A chamada soberania popular (Art. 1º da Constituição) permanece uma mentira sucessivamente repetida que faz perecer uma verdade (Goebels). Só parece. Os Deputados, Senadores, Vereadores, Governadores e Prefeitos, cognominados de representantes do povo, representam tão somente eles próprios. A gente brasileira se omite ou o Estado a afasta dos grandes acontecimentos nacionais. A independência do Brasil foi um ato isolado; a proclamação da República foi um golpe do militar Deodoro da Fonseca, com uma tropa descalça. A abolição da escravatura foi outro ato isolado que D. Pedro II postergou até o limite. As reformas educacionais no Brasil desnacionalizaram o sentimento cívico nas escolas. Pouca gente sabe cantar o Hino Nacional. Hino à Bandeira, nem pensar. O retrato é preocupante. 

Os governantes jamais agem como servidores dos governados, mas como seus patrões, com a nossa absurda concordância. Por conseguinte, ainda não existe POVO BRASILEIRO, mas aglomerados de pessoas, seletivas ilhas de riqueza, com acesso a poucos. Se não há POVO, conseqüentemente não há NAÇÃO. O que existe é um Estado que exerce a ditadura da democracia, onde a cidadania é uma promessa que se usa para iludir as pessoas. Isso vale para o Brasil inteiro. 

No caso da Amazônia, o estrago é multiplicado por dez. É normal ser corrupto, ser amoral. A gente do norte adora carregar governador ladrão nos ombros, cantando, como vi em Manaus e Belém, várias vezes. A burocracia existe para “facilitar” as dificuldades. Com qualquer R$10,00 um processo sai da gaveta e começa a andar. E para, de novo. Com mais R$10,00, recomeça o seu longo caminho. A via crucis da corrupção é parte integrante daquela gente humilde e mal paga. 

Por conseguinte, votar, no Brasil, virou um gesto inútil. Quem quer que seja o ganhador, o tesouro será saqueado. Sempre! Quem não pratica o crime diretamente, o faz usando o prestígio do cargo. A tolerância do Palácio do Planalto e de seu principal inquilino nos assusta, mas é considerada “normal” como “filosofia” do PT, partido que elegeu o Presidente da República. Elegeu e reelegeu. E tentam ainda um terceiro mandato! Banqueiros e trabalhadores o idolatram. Este “milagre” só existe no Brasil! 


NÃO QUEREMOS ESMOLAS


Viver em um processo “democrático” onde apenas o presidente decide o que é bom, o que é mau? Recentemente, autoridades da Noruega estiveram em Brasília prometendo US$1 bilhão para ajudar a Amazônia. O governo Brasileiro decidiu criar um “Fundo Amazônia”, administrado pelo BNDES que, consta já ter recebido US$100 milhões. O governo federal não tem o direito de expor o Brasil ao ridículo, pedindo ou recebendo esmola, porque dinheiro a fundo perdido é esmola e falta de respeito. Acrescente-se que um governo que arrecada, por ano, R$1 trilhão, de impostos de um povo sem saúde, sem educação, sem segurança e sem estradas e portos, deveria assumir outra postura. Esta participação do governo da Noruega certamente é bem vinda, mas deveria integrar um Fundo multinacional para a Amazônia criado pelo Banco Mundial/BNDES, conjuntamente com outros países desenvolvidos que têm responsabilidades com a proteção da floresta (PARCERIA), tanto quanto os brasileiros. Se isto ainda não foi feito é porque o Itamaraty, órfão de Rio Branco, permanece alheio aos interesses do Brasil. 

Percebemos, então, que todos os males do Estado – opressor, criados na Bahia, Rio de Janeiro e Brasília (capitais) certamente migraram para a Amazônia, onde germinaram com força total, protegidos pelo calor da floresta. São fungos e bactérias da maldade. Na selva, alguns não suportaram. Em Rondônia e Acre, por exemplo, criaram o Santo Daime, adorado pelas celebridades da GLOBO. Eles tomam o chá da ayuasca e conquistam o poder de sonhar, também com um país melhor. Tomara! 

Fonte: Roberto Gueudeville (Encaminhado por Sílvio Persivo ao Portal Gentedeopinião).

Mais Sobre Amazônia Especial

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

Amazônia: Ribeirinhos vão estudar história com vestígios arqueológicos das comunidades onde vivem

À primeira vista, os cacos espalhados pelos caminhos de terra da comunidade Boa Esperança não passam de amontoados de pedaços de tijolos soterrados. S

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

Tipiti, tecnologia indígena de uso secular na Amazônia, conheça este artefato

A mandioca é uma das fontes de alimento mais antigas cultivadas na América do Sul. Variedade comum na região amazônica, a mandioca brava (Manihot escu

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Áreas prioritárias para conservação ambiental foram "deletadas" do site do Ministério do Meio Ambiente

Há cerca de um mês “desapareceram” do site do Ministério do Meio Ambiente (MMA) os dados das Áreas e Ações Prioritárias para a Conservação, Utilizaç

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Amazônia: Comunitários participam de oficina de criação de abelhas nativas

Jandaíra, mandaçaia, uruçu, jataí... são muitos os nomes das mais de 400 espécies de abelhas nativas sem ferrão brasileiras catalogadas, das quais cer