Porto Velho (RO) sexta-feira, 25 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Turismo

Bloco Pena de Pavão de Krishna faz desfile espiritual em MG



Léo Rodrigues - Correspondente da Agência Brasil

Um dos blocos tradicionais do carnaval de Belo Horizonte, o Pena de Pavão de Krishna decidiu levar seu desfile deste ano para uma comunidade fora da cidade. A folia aconteceu na tarde de hoje (26), a 45 quilômetros da capital mineira, no distrito de Morro Vermelho, município da histórica Caeté (MG).

Para facilitar o acesso, os organizadores do bloco ofereceram ônibus para transporte de ida de volta para cerca de 500 foliões, ao custo unitário de R$ 20. Na página do bloco também havia ofertas de caronas para que todos os interessados pudessem chegar ao desfile. A comunidade recebeu grande número de carros.

No Pena de Pavão de Krishna, ou simplesmente PPK, os foliões pintam seus rostos de azul em referência à divindade hindu Krishna. O bloco surgiu em 2013, com a proposta de fazer um desfile mais espiritualizado, com mensagem de amor e paz.

"Tem pessoas que são hare krishna, budistas ou ligadas à ioga; outras mais próximas ao candomblé; e tem aqueles como eu, que me entendo como místico, no sentido de que possuo espiritualidade, mas não tenho exatamente uma religião. Mas todo mundo é muito ligado à questão da sacralidade. Tanto que o bloco medita antes de começar. Tem gente que chega mais cedo para praticar ioga", diz Rafael Fares, um dos integrantes do PPK.

Misturando as culturas afro-brasileira e indiana, o desfile se desenvolve ao som de afoxé. O ponto alto é a execução do hino do bloco, a música Aflorou, que traz as estrofes: "é belô, afoxé, todo mundo andando a pé. No carnaval, te conheci, transcendental, te seguir".

O nome do bloco foi extraído de uma estrofe da canção Trilhos Urbanos, de Caetano Veloso. O músico é inclusive outra referência, assim como Gilberto Gil. "Além dessa religiosidade, é importante destacar que o bloco é tropicalista. Estamos bebendo em diversas fontes culturais, e não estamos preocupados com isso. Somos indianos, africanos, indígenas, é a mais pura antropofagia brasileira. É algo que considero muito bonito, as pessoas vestidas das mais diferentes formas", acrescenta Rafael Fares.

Apesar da distância para chegar ao local, a arquiteta Mariana Borges e o economista Guilherme Ottoni acharam que o esforço foi recompensado. Eles participaram do Pena de Pavão de Krishna pela primeira vez, e capricharam na produção. "Trouxemos alguns adereços. Mas, curiosamente, compramos a tinta e esquecemos de trazer. Felizmente contamos com a solidariedade e as pessoas nos emprestaram para podermos nos colorir de azul", disse Guilherme.

Água

Assim como outros grupos vinculados à retomada dos  blocos de rua em Belo Horizonte, o Pena de Pavão de Krishna traz consigo questões sociopolíticas. Seu desfile é itinerante, ocorrendo a cada ano em local diferente; na maioria das vezes em regiões periféricas. Em 2014, os foliões desfilaram no Jardim América, na região oeste da capital mineira; e em 2015, na Lagoinha, região noroeste. No ano passado, o desfile ocorreu no bairro Jardim Pirineus, na região leste.

A escolha do local é consequência do tema definido para cada ano. Nesta edição, a decisão de mudar de cidade teve como objetivo saudar os mananciais aquáticos do estado. Na espiritualidade dos integrantes do bloco, a água surge como elemento importante. E Morro Vermelho está localizada na Serra do Gandarela, uma área remanescente de Mata Atlântica – um grande reservatório de mananciais, nascentes e cachoeiras.

"A ideia surgiu a partir da tragédia de Mariana, um crime ambiental que poluiu a bacia do Rio Doce. Foi algo que nos sensibilizou. E a Serra do Gandarela desperta constantemente o interesse de empresas de mineração", diz Rafael Fares.

O folião destaca, porém, que a ideia é trabalhar a espiritualidade do local. "Não viemos para fazer discurso e falar mal da mineração. A proposta é saudar as águas. É também uma região onde viveram muitos escravos, muitos índios, e hoje não há registro nenhum disso. Foram todos massacrados. Então, saudamos as águas e os ancestrais que moravam aqui", acrescenta.

Curiosamente, o desfile foi acompanhado de períodos intermitentes de chuva intensa. Mas nada que desanimasse os foliões, que consideraram benéfica a água que chegava do céu. Moradores locais também se contagiaram, como Gersilene Martins, que acompanhou o cortejo da porta de casa. "Estou achando maravilhoso. Nós nunca tivemos desfile de carnaval aqui. Está lindo. Nem a chuva atrapalhou a alegria do povo. E se vê que são pessoas ótimas que vieram, todo mundo tranquilo, sem nenhuma confusão".

Mais Sobre Turismo

Setur promove 2º edição do Workshop com Guias: Turismo e Cultura de Rondônia

Setur promove 2º edição do Workshop com Guias: Turismo e Cultura de Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Turismo (Setur), promoveu nesta terça-feira (22), o II Workshop com Guias: Turismo e C

Setur vai promover I Workshop Supera Turismo para fortalecer o empreendedorismo no setor

Setur vai promover I Workshop Supera Turismo para fortalecer o empreendedorismo no setor

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Turismo (Setur) tem promovido ações de fomento ao Turismo em diferentes eixos, princ

Setur se reúne com municípios que integram os pólos turísticos para desenvolver a pesca esportiva em Rondônia

Setur se reúne com municípios que integram os pólos turísticos para desenvolver a pesca esportiva em Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Superintendência Estadual de Turismo (Setur), vem realizando reuniões em vários municípios do Estado com o objetivo

Sebrae reúne entidades e comunidade para debater portal turístico em Jaci Paraná

Sebrae reúne entidades e comunidade para debater portal turístico em Jaci Paraná

Jaci Paraná é um distrito distante cerca de 90 quilômetros da sede, a capital Porto Velho, possui cerca de 18 mil habitantes e foi muito impactado c