Porto Velho (RO) domingo, 16 de dezembro de 2018
×
Gente de Opinião

Sergio Pires

NA TV: EXPEDITO, LEBRÃO E O CORONEL... Por Sérgio Pires

Assista na SICTV, na Record News e no www.gentedeopiniao.com.br


Duração: 7 minutos e 26 segundos | Visualizações: 430

ESTÁ NA HORA DE ACABAR COM O MANDATO DOS CHEFÕES
DO CRIME, QUE O COMANDAM DE DENTRO DAS CADEIAS


As visitas íntimas em presídios de segurança máxima servem também para que ordens dos maiores criminosos presos país afora, sejam levadas para fora, aos seus comparsas, que implantam o terror, cumprindo as determinações dos seus chefões. Não há prisão segura, embora os defensores dos direitos humanos dos bandidos continuem insistindo que eles têm direitos. Deveriam tê-los, claro, caso não os usasse para continuar praticando crimes. Como fazem e continuam fazendo e continuarão fazendo, há que se preservar é o direito das vítimas, do cidadão de bem, à mercê desses sanguinários e audazes criminosos. Como as visitas íntimas foram proibidas, exatamente por ser uma das formas de continuarem, os bandidos, enviando mensagens para fora das cadeias, eles começaram a criar planos não só para explodir presídios, como também para ameaçar de sequestro e morte autoridades de todos os naipes. As ordens, aqui em Rondônia, vinham de dentro do tal Presídio de Segurança Máxima (????) onde estão alguns dos maiores chefões do crime do país e, por sorte apenas, os planos foram descobertos antes de serem executados. Está na hora de se rever toda essa estratégia de direitos para quem não merece tê-los. E de isolar cada vez mais os chefões. Porque enquanto puderem e tiverem facilidades, vão continuar mandando matar, assaltar, roubar, explodir. A liberalidade em relação à bandidagem, as leis de proteção aos direitos dos bandidos, mesmos os mais perversos, que não existem em nenhum outro lugar do mundo; o discurso canalha de que a extrema violência que nos assola é culpa da sociedade e das diferenças sociais (como se todos os pobres, por esse raciocínio criminoso,  se tornariam bandidos apenas por pobres!), acabou nos impondo um regime do terror, com o beneplácito do Congresso, de parte dos setores do Ministério Público e do Judiciário, aparelhados pelo PT, pela esquerda e suas ideologias.

Isso tem que acabar! A própria sociedade, através das urnas, está clamando por essa mudança, por um combate real e duro à violência; por uma transformação do sistema legal que não permita que os bandidos tenham tantos poderes, ao ponto de decidirem, de dentro das cadeias, quem deve viver, quem deve morrer; quem deve ser assaltado, quando, onde e como; quem deve ser protegido e quem deve ser exterminado. Fala-se muito que a extrema direita é um risco para a democracia. E o que fez a esquerda com nosso país, permitindo que o crime organizado se tornasse tão poderoso? É o que, o resultado de tantos anos de discursos amiguinhos dos bandidos? Bolsonaro não está chegando por acaso, por ser mais bonito ou por ser o melhor que poderíamos ter. Está chegando porque é a última esperança que temos de separar os bandidos das pessoas de bem. Quem venha e que resolva. Como está, não dá mais para continuar!

                                           

NA TV: EXPEDITO, CORONEL, LEBRÃO...

NA TV: EXPEDITO, LEBRÃO E O CORONEL... Por Sérgio Pires - Gente de Opinião

O programa Papo de Redação na TV, com os Dinossauros Domingues Júnior, Everton Leoni, Jorge Peixoto, Sérgio Pires e Beni Andrade têm um programa muito especial neste sábado. Eles vão sabatinar os dois candidatos finalistas ao Governo de Rondônia. Na primeira hora, através de sorteio, o candidato Expedito Júnior vai responder às perguntas do experiente grupo da mídia. Na parte final, será a vez do Coronel Marcos Rocha, do PSL. Ambos vão falar sobre seus planos de Governo e responderão às questões sobre o que pretendem fazer para melhorar a vida do rondoniense. A atração de sábado da SICTV/Record, certamente o programa de maior audiência no Estado, começa às 12h20 e dura duas horas. Será a primeira oportunidade de ouvir os dois concorrentes na emissora. O debate entre eles, na mesma SICTV, está agendado para a noite do dia 19 próximo, uma sexta-feira. Também neste sábado, só que na Record News Rondônia (Canal 31 na TV Aberta e 331 na SKY), Sérgio Pires entrevista o deputado campeão das urnas em Rondônia, para a Assembleia, José Lebrão, do MDB eleito com mais de 31 mil votos. O programa Direto ao Ponto começa às 11 da manhã. A partir de domingo, na íntegra, o programa estará disponível no site Gente de Opinião.


UM DEPUTADO INDEPENDENTE

Léo Moraes foi um dos grandes vencedores da última eleição. Quando ele dizia, há algumas semanas, que sua meta era chegar aos 70 mil votos, poucos achavam que o jovem parlamentar iria tão longe. Foi. O deputado federal mais votado fez exatos 69.595 votos, sendo o mais votado na Capital, mas fazendo votos em todas as regiões do Estado. Sai do pleito como o nome mais quente para enfrentar Hildon Chaves, numa eventual tentativa de reeleição à Prefeitura, daqui a dois anos. Léo garante que fará um mandato independente, que não irá se submeter a ordens de ninguém e apenas defenderá o que considerar como maiores interesses do povo rondoniense. Filho de políticos importantes (seu pai, Paulo Moraes, já falecido, foi deputado estadual e secretário de segurança do Estado e sua mãe, Sandra Moraes, chegou à presidência da Câmara de Vereadores), Léo teve um mandato na Assembleia Legislativa bastante destacado. De personalidade forte e sem aceitar pressões, ele marcou seu mandato exatamente pela independência, pela defesa do funcionalismo e de questões polêmicas. Chega para a Câmara Federal com possibilidades reais de se destacar em nível nacional. Esperemos para ver se isso se confirma...


POUCOS SOBREVIVENTES NO PT

Quem sobreviveu no PT, depois da eleição do primeiro turno, em que o partido elegeu, no Estado, apenas o deputado estadual Lazinho da Fetagro. Fátima Cleide foi também grande destaque, já que, mesmo com a candidatura inválida, ela fez mais de 104 mil votos, a maioria deles na Capital, ou seja, se credencia a sonhar com a Prefeitura em 2020, se ainda decidir participar de eleições, o que não é certo neste momento. O jornalista Paulo Benito, vice na chapa de Pimenta de Rondônia, é outro nome que o partido pode colocar numa chapa como candidato à Prefeitura ou a vice. Fatinha, que foi secretária de educação de Roberto Sobrinho, fez poucos votos na Capital, mas se credencia, se quiser a compor uma chapa majoritária ou uma cadeira na Câmara Municipal. Manoelzinho do Sintero, primeiro suplente de Lazinho, na Assembleia, fez pouco mais de 4 mil votos. Mesmo assim, ainda pode pensar no futuro. Quem sucumbiu? A pior derrota foi do Padre Ton, candidato a deputado federal, que mesmo com apoio do ex prefeito Roberto Sobrinho e toda a sua turma, não passou dos 21 mil votos no Estado e fez apenas  cerca de 3 mil na Capital. Mesmo com mais de 300 mil reais do Fundo Partidário, apenas para sua campanha, Padre Ton não conseguiu decolar. Há ainda muitos outros perdedores, mas, no resumo, esse é o resultado do petismo na eleição rondoniense.


O FIM DO PC DO B?

Um dos mais tradicionais partidos políticos do país, o PC do B, não vai ter Fundo Partidário e pode ser extinto, a partir da próxima eleição. Como não conseguiu superar a cláusula de barreira, ficando com menos de 1 por cento dos votos em um terço dos Estados, os comunistas até podem continuar existindo, mas sem dinheiro e sem tempo nenhum no horário eleitoral gratuito. O que se ouve nos meios políticos é que parte dos membros do partido podem ir para o PT ou para o PSOL, tentando sobreviver. Os que quiserem ficar onde estão, ficarão a ver navios e com chances cada vez menores de sobrevivência política. Vários outros partidos pequenos também tendem a desaparecer. Os nanicos, especialistas em negociação de balcão, trocando horário eleitoral por grana e cargos, também vão sumir, a cada eleição, se atual lei eleitoral não for modificada. Daqui a duas eleições, a cláusula de barreira vai subir para 2,5 por cento, em ao menos um terço dos Estados, o que representará uma depuração ainda mais profunda. No final de tudo, restarão apenas os partidos com grande representatividade e será o fim da pornográfica situação em que minúsculas e inúteis siglas partidárias, são oferecidas aos negócios em balcões públicos.


CONFÚCIO E MOSQUINI EM PARCERIA

A regularização fundiária em Rondônia é um tema de enorme importância, que irá reunir os esforços do deputado federal reeleito Lúcio Mosquini e do senador eleito Confúcio Moura, em seus mandatos, a partir de fevereiro próximo. Os dois estiveram na mídia, essa semana, agradecendo os votos do eleitorado e falando dos seus planos para o mandato que iniciará no ano que vem. Lúcio, aliás, firma-se como uma grande liderança da região central do Estado, a partir da sua principal base, Jaru e chegou à reeleição como o quarto mais votado. Confúcio foi o segundo para o Estado. Os dois também têm em comum o fato de terem sobrevivido às urnas, numa eleição em que o eleitorado em massa votou pelo novo, eliminando da política regional grande número de lideranças que há anos estavam na vida pública. Lúcio participou ativamente da lei que facilitou a regularização fundiária em todo o país, mas especialmente em Rondônia e Confúcio disse que vai entrar de corpo e alma neste tema, porque ele representará um grande avanço para o nosso Estado e acabará com a violência no campo. Lúcio foi secretário de Confúcio, dirigiu o DER e de lá saiu para um primeiro mandato vencedor. Agora se reelege e ambos confirmaram que formarão uma dobradinha no Congresso, em defesa dos interesses maiores do estado. Além disso, os dois também abriram os votos para o segundo turno. Vão votar, os dois, em Jair Bolsonaro e no Coronel Marcos, do PSL.


O NOVO PODER NO MDB

Por falar em MDB, o senador Confúcio Moura vai, certamente, ser o novo  todo poderoso do partido. Com a queda de Valdir Raupp, Confúcio torna-se o mais importante nome do partido, embora não possa também ignorar a emergente liderança de Maurão de Carvalho. O que se ouve nos bastidores é que Confúcio vai dominar o diretório e colocar, nele, apenas gente da sua confiança. Neste contexto, crescerão em importância nomes como seu ex chefe da Casa Civil, Emerson Castro e do seu ex secretário da Fazenda, Wagner Garcia, que foi vice na chapa de Maurão. O poderio dos Raupp (Valdir e a deputada Marinha), será substituído pela turma vencedora nas urnas. Lúcio Mosquini também será um deles. No confronto entre as lideranças do partido, quando do episódio em que o MDB tentou tirar Confúcio da disputa, ele foi uma voz forte em defesa do ex governador. Os dois, que já eram fortes aliados, ficaram ainda mais próximos, depois do episodio. O poderio político de Confúcio vai modificar toda a estrutura atual do MDB rondoniense, com troca de muitos dos nomes que há anos comandaram o primeiro, o segundo e o terceiro escalões da sigla. E vai começar logo...


PERGUNTINHAS

Você sabia que a partir da próxima eleição, os pequenos partidos que não conseguiram um mínimo de votos nesta, tendem a sucumbir? E que não haverá mais coligações, já que serão eleitos os mais votados de cada partido?

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sergio Pires