Porto Velho (RO) domingo, 16 de dezembro de 2018
×
Gente de Opinião

Sergio Pires

Dois conselhos ao coronel governador: Volte logo e anuncie já o seu secretariado - Cassol e a farra das multas - Tarifa social quebra empresa SIM


Dois conselhos ao coronel governador:  Volte logo e anuncie já o seu secretariado - Cassol e a farra das multas - Tarifa social quebra empresa SIM - Gente de Opinião

As conversas são à boca pequena, em salas fechadas, entre pequenos grupos. São empresários, políticos, empreendedores, alguns líderes de setores importantes da sociedade; outros apenas cidadãos que querem ver seu Estado cada vez melhor. Mas a verdade é que um dos assuntos preferidos, seja no boteco, seja nas salas de administração das empresas; seja nas redações de jornais e emissoras de TVs ou sites; seja na Assembleia Legislativa ou nas salas do Palácio Rio Madeira/CPA, relaciona-se com a ausência do Coronel Marcos Rocha de Rondônia e na demora no anúncio da sua equipe, aquela que vai gerir nossos destinos a partir de 1º de janeiro. O fato de não termos sequer um só nome do novo governo já escolhido; o fato do Governador eleito guardar apenas para si as informações sobre qual time deveria colocar em campo; o fato de ele ter se ausentado, tirando férias, num momento crucial da transição, tudo isso, junto, está sim preocupando muitos rondonienses. Um importante empresário e outro influente político, comentavam nessa semana, sobre o temor que a estratégia adotada por Rocha pode causar, pela incerteza. Um deles, nome dos mais respeitados na vida pública rondoniense, diz que o fato de não se saber quem comporá a futura equipe, causa uma insegurança generalizada. O outro disse que o Coronel deveria ter anunciado pelo menos cinco nomes da sua equipe e já deveria tê-lo feito há tempo. “O primeiro nome, para dar segurança ao mercado e aos empresários, tinha que ser o futuro secretário da Fazenda. O mesmo pode-se dizer em relação à Educação. Ora, o ano letivo começa, na verdade, no primeiro dia de janeiro. Então, o titular da pasta já deveria estar trabalhando duro, para organizar tudo e para que as aulas comecem tranquilamente na data marcada”. O outro, líder político, acrescentou: “pelo menos mais três nomes precisariam já ter sido anunciados. O secretário do Planejamento (como começar um governo sem planejá-lo com grande antecedência?); o secretário de segurança pública, para começar a organizar o setor desde muito antes do governo iniciar e, ainda, o Chefe da Casa Civil, que seria o nome para a articulação política”. 

 

Enfim, o silêncio de Marcos Rocha sobre a formação do seu time; a ausência dele a poucos dias da posse; a falta de diálogo com seus futuros governados e com a classe política e empresarial, estão preocupando muita gente. O que se espera é que a estratégia do novo Governador seja a correta e que tudo o que ele está pensando, dê certo. Mas que há no ar um clima de dúvidas, preocupações e angústia, isso existe sim! Se o futuro Governador aceitasse um conselho, receberia dois: volte correndo para Rondônia e comece a anunciar seu secretariado imediatamente. (Sérgio Pires)


 

UMA BADERNA LEGALIZADA

 

Num dia, tem eleição em Rolim de Moura. No outro dia, não tem mais. Poucos dias depois, tem de novo. Na outra semana, não tem mais. É a baderna dentro da lei eleitoral, em que se transformou a sucessão de sai e volta do prefeito da cidade e de seu vice. Depois que foi marcada nova eleição para o próximo dia 9, em que os candidatos estão em campanha; em que muito dinheiro já foi gasto; em que todos perderam seu tempo – candidatos e eleitores – preparando-se para a votação, o ministro do TSE, Jorge Mussi, em decisão monocrática e liminar, determinou que o prefeito da cidade, Luiz Ademir Schock, o Luizão do Trento e seu vice, Fabrício Mello de Almeida, sejam “descassados” e que retomem seus mandatos. Uma vergonha! Os dois já foram cassados e todo o sistema da sucessão desencadeado. Mas lei é lei e agora tudo volta ao que era, até que outro ministro, em outra sentença, tenha uma decisão completamente diferente. É isso que dá ter uma legislação abusiva e absurda, que autoriza gastos desnecessários e faz as comunidades de idiota. Está na hora de termos eleições de cinco em cinco anos e do fim da Justiça Eleitoral, que seria mobilizada apenas em anos de eleição. Chega dessa esculhambação na vida do brasileiro!

 


VALDEREDO PAIVA FAZ MUITA FALTA


A violência voltou com tudo nos bairros de Porto Velho. Tal como ocorreu nos anos 70, no auge do garimpo e depois, nos anos 90, as gangues voltaram ao noticiário e o número de cadáveres jogados á rua, principalmente na zona leste, é cada dia maior. Faz falta uma legislação decente, que permita à polícia combater o crime, coisa que ela não pode mais fazer com a rapidez e os resultados de antes e faz muita falta um delegado como Valderedo Paiva, que acabou com as gangues na Capital. Agora, a violência voltou com tudo, mas a má notícia é que a polícia tem que enfrentar não só os criminosos, mas, pior de tudo, tem que rebolar para agir dentro de um pacote de leis espúrias, vergonhosas, sacanas, feitas sob medida para dar guarida ao crime. A tal ponto que um bandido é preso e por vezes tem que ser solto antes mesmo de chegar na delegacia, claro que, aí, se exagerando um pouco. É uma vergonhosa situação em que os direitos de quem é criminoso são muito maiores do que suas vítimas e maiores ainda do que os interesses de toda a sociedade. Não há como resolver essa terrível situação, em Rondônia e no Brasil, enquanto os poderes e instituições estiverem aparelhadas por esquerdistas e enquanto as atuais leis vigirem. Não há Valderedo Paiva que resolva, já que, para as leis brasileiras, quando mais bandido é, mais o sujeito tem proteção. Uma vergonha, que tem atingido em cheio a sociedade brasileira, enquanto muitos dos psicopatas que estão no poder continuam criando leis de proteção ao crime.


 

O DESESPERO DAS ONGS

 

Há um desespero geral das ONG internacionais e seus apaniguados no Brasil, com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de não aceitar a realização da Conferência do Clima, marcada para o ano que vem, aqui em nosso país. Os que vivem do catastrofismo de que o Planeta está prestes a explodir; que defendem a teoria de que o aquecimento global é culpa unicamente do homem; que faturam bilhões e bilhões de dólares com essas ideias e ameaçam que, caso não siga à risca o que eles, profetas da tragédia planetária anunciam, a Humanidade vai perecer, fazem campanhas mundiais para que apenas suas ideias sejam as aceitas. Não há outro caminho. Para eles, suas teorias, suas ideologias, seus bolsos e sua intenção de dominar o Mundo pelo medo. Quando um cientista, como o brasileiro Ricardo Augusto Felício, contesta o aquecimento e diz que, na verdade, a Terra está esfriando, é tratado com desprezo e ironia. Jair Bolsonaro sabe com quem está lidando. Os catastrofistas querem determinar os rumos mundiais, defendendo a ecologia xiita, porque, com ela, continuam enchendo seus bolsos e dominando corações e mentes, Planeta afora. Por aqui, ao menos nos próximos quatro anos, eles terão que inventar outras histórias, se quiserem continuar dominando as questões ambientais.

 

 

CASSOL E A FARRA DAS MULTAS

 

Aliás, sobre o assunto, o senador rondoniense Ivo Cassol fez, nesta terça, duríssimas críticas à atuação do Ibama, falando a mesma linguagem do presidente eleito Jair Bolsonaro, com quem, aliás, se reuniu na semana passada. Ele discursou, protestando contra o que chamou de verdadeiro festival de multas ambientais, “inviabilizando a atividade produtiva em vários Estados brasileiros”, inclusive em Rondônia”! O senador e ex governador, que fala sempre com entusiasmo e faz críticas contundentes, chegou a afirmar que existe uma “farra de multas”. Por isso, fez questão de destacar, “estou plenamente de acordo com o Presidente eleito Jair Bolsonaro, quando ele fala sobre os exageros do Ibama”. Cassol acrescentou que “se houve desmatamento ilegal, e preciso punir. Mas temos que punir também os maus fiscais e seus exageros”, concluiu. Cassol quer que haja equilíbrio e bom senso nas questões ambientais e que os superpoderes do Ibama sejam contidos no novo governo que começa em janeiro.

 

TARIFA SOCIAL QUEBRA EMPRESA

 

Lamentável o que está acontecendo com a SIM, a empresa responsável pelo transporte coletivo em Porto Velho. Trabalhando no vermelho há meses, com prejuízos que rondam os 2 milhões de reais a cada 30 dias, a empresa recorreu à Justiça e quer encerrar a prestação desse serviço. Teoricamente, o transporte coletivo é um setor que deveria dar lucro. Mas numa cidade como Porto Velho, onde as ruas no geral estão em péssimas condições e onde os ônibus quebram com facilidade; onde a Prefeitura não consegue cumprir sua parte nos contratos; onde o custo da tarifa não cobre as despesas; onde 38 por cento (isso mesmo: 38 em cada 100 passageiros), andam de graça nos coletivos, o setor não tem futuro. O sistema se tornou inviável, por uma sucessão interminável de obstáculos e erros e, caso nada seja feito urgentemente, os usuários correm o risco de ficarem sem o serviço. Hoje, afora a tarifa defasada, que não consegue cobrir as despesas e o custo da empresa e do absurdo percentual de pessoas beneficiadas pela tal “tarifa social”, que a empresa banca, sozinha, ainda há a concorrência de táxis e de transporte alternativo, como o Uber e o outros sistemas utilizados via aplicativos. Ou seja, tratado desse jeito, a tendência é o transporte púbico na Capital, por ônibus, acabe desaparecendo. O aviso está dado!

 

GASOLINA COM PREÇO MENOR

 

Vale a pena andar um pouco mais, pesquisar, olhar aqui e ali, antes de se decidir. Ainda, é claro, há vários postos de combustível em Porto Velho cobrando preços abusivos pela gasolina, principalmente. Esses, se o consumidor usar seu poder de boicote, vão para onde merecem: para o cemitério das empresas que não têm competência para se manter no mercado, por absoluto desrespeito aos seus clientes. Mas há também muita gente com visão, comercializando o combustível com preços que não sejam absurdos. Procurando bem, já se encontra a gasolina comum e a aditivada até por 4 reais e 15 centavos. Por enquanto, nesses postos menos caros – porque não dá para dizer que são mais baratos - os valores só valem para compra em dinheiro ou para cartão de débito. A queda nos preços começa a aparecer em um pouco mais de postos. Portanto, quem paga 4,60 ou 4,70 ou até 4,90 por um litro, está jogando seu dinheiro no lixo e ajudando a manter no mercado gente que vive da ganância. Procurar preços justos é a solução!

 



PERGUNTINHA

 

Você por acaso tem ideia dos motivos em que o Detran do Acre cobra apenas 42 reais pela taxa de licenciamento de um veículo, enquanto o mesmo documento, no Detran de Rondônia, custa quatro vezes mais, ou seja, 162 reais?

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sergio Pires

ESTAMOS COMENDO VENENO? O EXAGERO E OS PERIGOS  DOS AGROTÓXICOS TAMBÉM CHEGARAM A RONDÔNIA - ROCHA E A FÓRMULA DA COCA COLA

ESTAMOS COMENDO VENENO? O EXAGERO E OS PERIGOS DOS AGROTÓXICOS TAMBÉM CHEGARAM A RONDÔNIA - ROCHA E A FÓRMULA DA COCA COLA

Pode não explodir agora, mas, mais cedo ou mais tarde vai explodir! Os gravíssimos problemas relacionados com o uso abusivo dos agrotóxicos, assunto

PLANOS MIRABOLANTES E INVESTIMENTOS MILIONÁRIOS.   E A SEGURANÇA PÚBLICA SÓ MELHORA NO DISCURSO. SEGREDO GUARDADO A SETE CHAVES

PLANOS MIRABOLANTES E INVESTIMENTOS MILIONÁRIOS. E A SEGURANÇA PÚBLICA SÓ MELHORA NO DISCURSO. SEGREDO GUARDADO A SETE CHAVES

Um casal sai à rua de manhã cedo, em Vilhena. Os dois, ela uma menina de 16 anos, são mortos ali mesmo. A mulher chega em casa, num bairro de Porto

ABANDONO, DESRESPEITO, SOL E CHUVA: NO HOSPITAL JOÃO   PAULO II,  VÊ-SE  CENAS DIÁRIAS DO INFERNO DE DANTE E O PAU CANTOU NA ASSEMBLEIA

ABANDONO, DESRESPEITO, SOL E CHUVA: NO HOSPITAL JOÃO PAULO II, VÊ-SE CENAS DIÁRIAS DO INFERNO DE DANTE E O PAU CANTOU NA ASSEMBLEIA

Infelizmente, as imagens são reais. Infelizmente elas estão ali, todos os dias, ante os olhos da população e das autoridades. Lamentavelmente, elas