Porto Velho (RO) segunda-feira, 17 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Saúde

DENGUE: Vacina estará disponível em quatro anos


Petterson Rodrigues - Agência Brasil
São Paulo - O Brasil poderá ter, em um prazo de quatro anos, a primeira vacina contra a dengue, anunciou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães. Segundo ele, o governo brasileiro planeja trazer para o país a tecnologia de uma vacina desenvolvida por um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos.
O trabalho da equipe norte-americana foi apresentado hoje (25) ao secretário e a pesquisadores do Instituto Butantan, em São Paulo. Após a reunião, Guimarães disse que os resultados obtidos até agora são promissores.
“É uma vacina que não está pronta. Ela está em desenvolvimento, tem até agora resultados promissores em animais e também alguns testes com humanos. Mas nós devemos esperar alguns anos, três, quatro anos, para que ela possa estar amadurecida para utilização pelo Ministério da Saúde para a população”, afirmou o secretário.
Para trazer a tecnologia da vacina para o Brasil, deverá ser firmado um acordo entre o Instituto Butantan e os pesquisadores norte-americanos, de acordo com o representante do ministério. Os estudos desenvolvidos nos Estados Unidos apontam que a vacina é eficaz contra os quatro tipos de vírus da doença (tipos 1, 2, 3 e 4).
Segundo Guimarães, os testes realizados até agora, sob coordenação dos institutos nacionais de Saúde dos Estados Unidos, mostram que o uso da vacina em seres humanos é seguro.
“Já houve todo desenvolvimento [da pesquisa] em nível laboratorial, já foi testada com sucesso em animais e já foi testada com sucesso em alguns humanos para testar a sua segurança, para mostrar que ela não faz mal as pessoas e que é segura, não tem efeitos colaterais complicados”, destacou.
Segundo o secretário, as possíveis fontes para financiar o desenvolvimento da vacina no Brasil foram levantadas no encontro com os pesquisadores norte-americanos, mas a estimativa de custos não chegou a ser discutida.
“O Ministério da Saúde estará presente e há também outras possibilidades que foram discutidas, como a Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a própria Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo”, afirmou.
Guimarães disse que vai conversar com o Ministério de Ciência e Tecnologia sobre o projeto e estudar a captação de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES). O Instituto Butantan está encarregado, segundo o secretário, de apresentar o projeto e os recursos necessários para executá-lo.
“O papel do Butantan, neste caso, será levar adiante esse desenvolvimento. Vai aprender a tecnologia de se fazer a vacina e vai participar no Brasil de ensaios com populações em maior escala.”
Segundo Guimarães, além de utilizar a vacina para a sua própria população, o Brasil poderá torná-la acessível a outros países em desenvolvimento.
No país, ainda não existe a circulação do tipo 4 do vírus da dengue. Na última segunda-feira (22), o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse que a entrada do vírus tipo 4 no país é uma questão de tempo.

Mais Sobre Saúde

Segunda dose da Coronavac chega à população, que não deve deixar de se cadastrar no SASI

Segunda dose da Coronavac chega à população, que não deve deixar de se cadastrar no SASI

Beatriz Cortês, de 68 anos, tomou a primeira dose da Coronavac no início de abril. O retorno da aposentada estava previsto para o dia 29 do mesmo mês.

Município de Porto Velho faz campanha em alusão ao Dia Nacional de Doação de Leite Humano

Município de Porto Velho faz campanha em alusão ao Dia Nacional de Doação de Leite Humano

Para celebrar o Dia Nacional de Doação de Leite Humano, que ocorre neste 19 de maio, a Prefeitura de Porto Velho realiza de 17 a 31 deste mês, uma cam