Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Saúde

Criança indígena é foco de reunião do Conanda


O agravamento da violação dos direitos das crianças e adolescentes indígenas será o ponto central da 156ª Assembléia Ordinária - Descentralizada do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). Na reunião começou dia 2 e vai até 4 de outubro em Campo Grande (MS), o Conselho vai debater a situação da criança indígena, em especial no Estado do Mato Grosso do Sul. A idéia é obter subsídios para o processo de formulação de diretrizes que respaldem a política de atendimento aos direitos da criança e do adolescente indígena.
A realidade em que vivem aproximadamente 175 mil crianças e adolescentes indígenas é um dos mais graves quadros sociais do País. Nas periferias das grandes cidades, eles moram em casas precárias, quase não têm acesso à escola e à saúde, vêem suas tradições desrespeitadas ou ignoradas, experimentam preconceito e aos poucos perdem sua identidade e o contato com a cultura de seu povo. Nas aldeias, recebem um atendimento na maioria das vezes impositivo, esparso ou feito por profissionais sem formação específica e carentes de conhecimentos antropológicos, essenciais para que as ações sejam mais eficazes.
O resultado é um cenário em que se torna clara a violação do Estatuto da Criança e do Adolescente e do artigo 227 da Constituição Brasileira (que assegura a todas as crianças o direito à vida, à alimentação, à educação, à profissionalização, à cultura, à dignidade, à liberdade, ao lazer e ao respeito, colocando-as a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão).
Poucos dados, muitas mortes
Dados esparsos ou ausentes e algumas estatísticas conflitantes tornam difícil precisar o cenário da questão indígena no Brasil. A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a Fundação Nacional do Índio (Funai), diversas ONGs como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e o Instituto Sócio-Ambiental (ISA) dispõem de dados, mas a maioria das informações não está centralizada ou combinada com outras estatísticas sociais a fim de formar um quadro claro.
Entre os poucos dados disponíveis está a taxa de mortalidade infantil na população indígena, que hoje é de 47 por mil nascidos vivos. É quase o dobro da média nacional (24). Mesmo assim, se comparada à de anos anteriores, essa taxa vem caindo sensivelmente. Em 1999, era de 112. Caiu para 56 em 2002 e para 50 em 2003. Baixou para 47 por mil nascidos vivos (12.724 mortes) em 2004, mas em 2005 voltou a crescer e chegou a 50, 85, taxa que corresponde a 12.916 mortes.
Das crianças indígenas que morrem, a maioria pertence à etnia Xavante, no Mato Grosso do Sul. Depois, vêm duas regiões localizadas no Norte do País: Alto Rio Juruá, no Acre (coeficiente de 115,4 por mil nascidos vivos) e Rio Tapajós, no Pará: 101,8.
Em geral, as doenças que mais atingem as crianças e adolescentes indígenas são helmintíase, infecção intestinal, micoses, pediculose/ácaros, malária, tuberculose, desnutrição, distúrbios metabólicos, insuficiência respiratória aguda, pneumonias, bronquite aguda e asma. Entre as causas externas estão trauma simples, ferimentos e queimaduras, além de agressões.
Fonte: ANDI

Mais Sobre Saúde

Deputado Anderson quer retorno imediato de cirurgias de urgência, suspensas desde o início da pandemia

Deputado Anderson quer retorno imediato de cirurgias de urgência, suspensas desde o início da pandemia

O deputado estadual Anderson Pereira (PROS) encaminhou ao poder executivo, com cópia para a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), requerimento solic

CFM encaminha para Conselhos Regionais de Medicina esclarecimentos da Anvisa sobre obrigatoriedade de receita médica para determinados medicamentos

CFM encaminha para Conselhos Regionais de Medicina esclarecimentos da Anvisa sobre obrigatoriedade de receita médica para determinados medicamentos

Tendo em vista a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020 da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada no Diário Oficial da União (

UPAS Sul e Leste, de Porto Velho, atenderam mais de 35 mil pacientes nos últimos 3 meses

UPAS Sul e Leste, de Porto Velho, atenderam mais de 35 mil pacientes nos últimos 3 meses

As Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) de Porto Velho, localizadas nas Zonas Sul e Leste, atingiram a marca de 35.004 atendimentos no último trime

Conselho Regional de Medicina de Rondônia a serviço dos profissionais médicos e sociedade

Conselho Regional de Medicina de Rondônia a serviço dos profissionais médicos e sociedade

Criado pela Lei nº 3.268/1957, o Conselho Regional de Medicina de Rondônia (CREMERO) é uma autarquia federal composto por 21 membros efetivos (e igu