Porto Velho (RO) quinta-feira, 19 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Política

Terras indígenas, minuta vai atrasar diz Padre Ton


Depois de avaliar a minuta da portaria enviada pelo Ministério da Justiça no final de semana e que “estabelece instruções para a execução do procedimento administrativo de demarcação de terras indígenas”, o coordenador da Frente Parlamentar de Apoio aos Povos Indígenas, deputado federal Padre Ton (PT-RO), declarou  ontem, hoje (3), que a portaria “tira a autonomia da Funai” e define procedimentos “que irão atrasar ainda mais o processo de demarcação de terras indígenas”.

“Essa minuta tem um texto prolixo, com artigos que mostram clara intenção de travar novas demarcações, e a proposta de criação de uma Câmara de Conciliação e Mediação no âmbito do Ministério da Justiça indica a intenção de postergar decisões, o que irá gerar mais conflito fundiário”, avalia Padre Ton.

“Se o Incra tem instância de mediação, de diálogo entre partes divergentes, porque a Funai não pode ter?”, acrescenta o deputado. Para ele, com longos 37 artigos, a minuta retira totalmente o protagonismo da Funai de normatizar o processo demarcatório, mantendo sob sua responsabilidade a execução.

A demora no processo de avaliação de áreas identificadas como indígenas é visível no artigo 10 da minuta da portaria, que determina a notificação, pela instituição, de nada menos do que nove ministérios sobre a constituição do grupo técnico encarregado de elaborar os estudos de identificação e delimitação da terra indígenas.

“Cada um desses órgãos, como o Ministério dos Transportes, de Energia, das Cidades, da Agricultura entre outros, poderá indicar representantes para acompanhar o trabalho do grupo técnico e apresentar suas objeções e divergências, prorrogando indefinidamente a conclusão dos estudos”, diz Padre Ton.

Além do mais, a minuta prevê também a possibilidade de voto em separado por parte dos próprios membros do grupo técnico a respeito dos estudos, gerando ainda mais demora no processo.

Padre Ton diz que o governo deveria, no texto, desconsiderar a Portaria 303 da Advocacia Geral da União (AGU), instrumento considerado inconstitucional e que não foi revogado apesar dos inúmeros apelos dos movimentos indígenas e de outros setores da sociedade.

“A minuta privilegia os interesses econômicos, projetos de grandes empreendimentos, sem considerar, mais uma vez, a possibilidade de ouvir os povos indígenas”, diz.

O coordenador da Frente Parlamentar de Apoio aos Povos Indígenas lamenta que o Ministério da Justiça, ao invés de fortalecer a Funai, mediante a contratação de funcionários e ampliação de recursos no orçamento, atua para seu enfraquecimento.

“Se o governo queria dar chance de outras partes se manifestarem como vinha dizendo, o que na minha opinião já está previsto no decreto 1775, de 1996 e portarias complementares, não deveria subtrair o papel de relevo da Funai”, diz Padre Ton.

Para o deputado, a pressão do ruralismo brasileiro e de outros setores com poder econômico estão fazendo com que o governo negligencie no seu papel constitucional, o que revela “grande e grave erro”.

“Existem mais de 20 portarias declaratórias prontas para ser assinadas, pela homologação de novas terras indígenas, que o governo engavetou. É lamentável mas o governo está adotando uma posição inconstitucional e agravando a situação de conflito existente”, diz.

Com a possibilidade do ministro da Justiça dar a última palavra sobre um processo demarcatório, inclusive mandando reiniciar tudo do zero, “logo os ruralistas irão querer indicar o ministro da Justiça ao invés da Agricultura”, dispara Padre Ton.

Fonte: Mara Paraguassu

Mais Sobre Política

Lideranças do cooperativismo lançam pré-candidatura de Salatiel Rodrigues a deputado federal

Lideranças do cooperativismo lançam pré-candidatura de Salatiel Rodrigues a deputado federal

Durante a Assembleia Geral Ordinária da OCB (AGO) que aconteceu no último dia 29, em Porto Velho, lideranças do cooperativismo do estado lançaram a

Vereador Fogaça indica compra de cinco ambulâncias para distritos de Porto Velho

Vereador Fogaça indica compra de cinco ambulâncias para distritos de Porto Velho

O vereador Everaldo Fogaça (Podemos) disse nesta terça-feira 17.05 que indicou à Prefeitura a compra de cinco ambulâncias para atendimento aos distrit

Saiba quais foram os projetos aprovados pela Assembleia Legislativa nas sessões de terça-feira

Saiba quais foram os projetos aprovados pela Assembleia Legislativa nas sessões de terça-feira

A Assembleia Legislativa de Rondônia aprovou uma proposta de emenda à Constituição, um Projeto de Lei Complementar e cinco Projetos de Lei Ordinária

Presidente Alex Redano recebe projeto que trata da recomposição salarial dos servidores do TJ

Presidente Alex Redano recebe projeto que trata da recomposição salarial dos servidores do TJ

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), se reuniu na tarde desta terça-feira (17) com o juiz Rinaldo Forti, secretário g