Porto Velho (RO) segunda-feira, 24 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política

Justiça do Trabalho determina o funcionamento do transporte coletivo em percentual mínimo em Porto Velho


 Justiça do Trabalho determina o funcionamento do transporte coletivo em percentual mínimo em Porto Velho - Gente de Opinião

Em decisão liminar, a Justiça do Trabalho em Rondônia determinou na tarde de terça-feira (10), que o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transportes Urbano e com característica de Metropolitano de Passageiros no Estado de Rondônia (Sitetuperon) e o Consórcio do Sistema Integrado Municipal de Transportes de Passageiro (SIM) cumpram obrigações para manter um funcionamento mínimo dos serviços de transporte coletivo na capital Porto Velho (RO).

A determinação da vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (TRT-RO/AC), desembargadora Socorro Guimarães, atendeu a tutela de urgência pedida em ação de Dissídio Coletivo de Greve ingressada pelo Município de Porto Velho, após a paralisação repentina deflagrada pelos trabalhadores no mesmo dia. A decisão impõe multa de R$ 100 mil por dia (para cada um dos requeridos), bem como multa de R$ 10 mil por ônibus, em caso de descumprimento do percentual mínimo em atividade nos períodos de pico e normal.

Dentre as obrigações impostas está a efetiva prestação de serviços pelos trabalhadores, em número suficiente para o regular funcionamento do transporte coletivo urbano de passageiros em Porto Velho, no percentual mínimo de 90% das atividades nos horários de pico (entre às 6h e 8h, das 12h às 14h e das 17h às 20h), e o funcionamento de no mínimo 70% das atividades nos demais horários. Além disso, deverão se abster de praticar, imediatamente, qualquer ato ou manifestação que possa violar ou constranger os direitos de outras pessoas. E por último, deverão elaborar planilha/escala constando informações sobre os ônibus e trabalhadores que estarão em atividade nos percentuais estabelecidos e repassar à Secretaria Municipal de Mobilidade, Transporte e Trânsito (Semtran) para monitoramento.

Ao analisar o caso, a desembargadora constatou que não houve por parte do Sindicato comunicação prévia de 72 horas, conforme determina a Lei de Greve (Lei n. 7.783/89), nem de manutenção de percentual mínimo de prestação de serviço indispensável ao atendimento das necessidades da comunidade.

Socorro Guimarães também ressaltou que o Ofício expedido pelo Sitetuperon e destinado ao Consórcio SIM, à Semtran e à Prefeitura do Município de Porto Velho, revela o fundo político envolvido na noticiada greve, uma vez que o sindicato comunica a paralisação dos ônibus na Capital, a partir das 4h30min do dia 10/07/2018, tendo em vista a "tentativa de aprovação de uma emenda em que inconstitucionalmente autorizaria os taxistas fazerem lotação nas linhas dos ônibus, vindo a retirar centenas de postos de trabalho".

Segundo noticiado em veículos de comunicação, a categoria decidiu encerrar o movimento ainda no mesmo dia, após o sindicato ser notificado da decisão pela Justiça do Trabalho.

Processo nº DCG 0000132-18.2018.5.14.0000 - Confira a decisão na íntegra (ABAIXO) - Arquivo em PDF:

Mais Sobre Política

Sebrae leva Educação Empresarial à educadores de Porto Velho e distritos

Sebrae leva Educação Empresarial à educadores de Porto Velho e distritos

Mais de mil profissionais da educação municipal participaram de congresso e fórum sobre educação infantil

Confira as próximas etapas do concurso da Assembleia Legislativa

Confira as próximas etapas do concurso da Assembleia Legislativa

Resultados definitivos serão divulgados de forma independente, conforme natureza do cargo

Presidente da AMB visita Porto Velho na segunda-feira (24)

Presidente da AMB visita Porto Velho na segunda-feira (24)

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Jayme de Oliveira, embarca para Porto Velho quando receberá do TJRO o Colar do Mérito Ju

Servidor público afirma que sindicato dos servidores da justiça de Rondônia é inoperante

Servidor público afirma que sindicato dos servidores da justiça de Rondônia é inoperante

Bruno Oliveira, fala sobre a falta de representatividade do sindicato dos servidores da Justiça de Rondônia