Quarta-feira, 19 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política

Expedito Júnior pede para continuar no cargo após segunda cassação pelo TRE-RO



O senador pelo estado de Rondônia Expedito Júnior entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta segunda-feira (25) para continuar a exercer o mandato. Ele foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia pela segunda vez no último dia 19 de agosto e pede ao TSE a garantia de permanecer no cargo.

Da primeira vez que foi cassado o senador foi denunciado juntamente com o governador do estado, Ivo Cassol, e os suplentes de deputado federal, Valdelise Martins dos Santos (PPS), e de deputado estadual, José Antônio Gonçalves Ferreira (PSDC).

Naquela ação, proposta pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), o argumento era de que havia "fortes  indícios da prática de compra de votos" por meio de suposto esquema em que os candidatos teriam contratado os funcionários de uma empresa de propriedade do irmão do então candidato Expedito Júnior, às vésperas do primeiro turno das eleições de 2006, para trabalhar como cabos eleitorais. Após ser cassado em 2007, ele recorreu ao TSE e conseguiu decisão a seu favor.

Esse novo processo, que visa a perda do mandato, foi proposto por Acir Gurgacz que concorreu ao cargo de senador nas eleições 2006, mas não foi eleito. A acusação é de que, durante a campanha, o senador Expedito Júnior e outras pessoas teriam obrigado funcionários da mesma empresa, Rocha Segurança e Vigilância LTDA, a votarem em sua coligação. Cada funcionário foi orientado a conquistar mais votos de seus familiares e amigos em troca do pagamento da quantia de R$ 100,00.

O autor do processo alega que houve abuso do poder econômico e de autoridade além de captação ilícita de votos.

O TRE, desta vez, entendeu que o senador teve uma conduta proibida e feriu a livre vontade do eleitor. De acordo com a decisão, quem oferece ou promete vantagem pessoal ao eleitor, com o objetivo de lhe obter o voto, está perturbando a livre manifestação popular, corrompendo assim a vontade a ser manifestada pelo eleitor, comprometendo a democracia e os alicerces do Estado Democrático de Direito.

Ainda segundo a decisão, o candidato se elevou ao poder utilizando-se de métodos que não refletem a vontade popular em pureza e integridade e por isso não pode ser representante da sociedade por falta de legitimidade.

É contra esse entendimento que o senador recorre ao TSE.

Fonte: TSE

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 19 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Assembleia Legislativa assegura apoio a 3ª Feira Científica, em Rolim de Moura

Assembleia Legislativa assegura apoio a 3ª Feira Científica, em Rolim de Moura

A cidade de Rolim de Moura receberá nos dias 8 e 9 de agosto a 3ª Feira Científica. O fórum, organizado pelo Instituto Mocam - Movimento Científico

Presidente Laerte Gomes destaca sucesso do 1º Fórum do Parlamento Amazônico em Brasília

Presidente Laerte Gomes destaca sucesso do 1º Fórum do Parlamento Amazônico em Brasília

Sob a presidência do deputado estadual Laerte Gomes (PSD), o Parlamento Amazônico se reuniu na tarde da última terça-feira (19), na Câmara dos Deput

Instituto Instituto Vision Survey divulga pesquisa com pré-candidatos à vereadores de Porto Velho

Instituto Instituto Vision Survey divulga pesquisa com pré-candidatos à vereadores de Porto Velho

O Instituto Vision Survey divulgou nesta terça-feira 18.06 mais uma pesquisa de intenção de votos para pré-candidatos à vereador de Porto Velho.A li

Deputada Federal Cristiane Lopes Investe 3,3 Milhões no Projeto PCD + Mães Atípicas em Parceria com IFRO

Deputada Federal Cristiane Lopes Investe 3,3 Milhões no Projeto PCD + Mães Atípicas em Parceria com IFRO

A Deputada Federal Cristiane Lopes que a cada dia firma ainda mais seu compromisso com a educação e o cuidado das famílias atípicas, anunciou a dest

Gente de Opinião Quarta-feira, 19 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)