Quinta-feira, 20 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política

Corredor noroeste: grãos para o Nordeste e sal mineral para Rondônia


A SOPH é a responsável pela administração do Porto Organizado da capital, pelo qual passa boa parte das exportações de Rondônia, que alcançaram US$ 195,06 milhões no primeiro semestre, um recorde histórico que soma US$ 65 milhões ao resultado obtido no mesmo período do ano passado.

Um daqueles novos horizontes de trabalho inclui o estabelecimento de uma rota de mão dupla, a partir de 2008, entre a Amazônia Ocidental e os principais portos oceânicos do Nordeste, como Cabedelo (PB) e Suape (PE).

“A engenharia de negócios envolvida nesta iniciativa, que irá envolver órgãos federais, como a Conab e o Ministério da Agricultura, bem como acordos entre Estados da Federação, obedece a uma lógica simples: embarcamos grandes volumes de grãos, armazenados no noroeste de Mato Grosso, e, eventualmente, também em Rondônia, que são adquiridos todo ano pelo Governo Federal para abastecer seus programas de segurança alimentar e de preços mínimos, e destinamos a carga para os estados do Nordeste, trazendo de lá o sal mineral, fertilizantes e outros insumos indispensáveis para o setor agropecuário, a um custo incomparavelmente menor, com ganhos de eficiência, tempo e racionalidade”, explica a presidente da SOPH, Leandra Vivian.

A viabilidade da mudança do modal rodoviário para o hidroviário nestas operações, que envolvem o deslocamento de milhares de toneladas de arroz, feijão e milho, tem respaldo em dissertação de mestrado apresentada em fevereiro deste ano na Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB), pelo pesquisador Ivo Manoel Naves, funcionário de carreira da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Um dos dados levantados pelo trabalho, intitulado “A Remoção dos Estoques Públicos através do Corredor Noroeste: Análise sob a Ótica da Logística do Agronegócio”, revela que, com um litro de óleo diesel, um caminhão desloca uma tonelada de carga por até 19 km. Com o mesmo volume de combustível, uma embarcação fluvial (balsa) deslocaria a mesma tonelada por até 217 quilômetros.

“Hoje, a saca de milho que é adquirida por R$ 11,00 custa mais R$ 22,00 apenas em frete para chegar até o Nordeste”, reforça Leandra, ressaltando que o projeto de trabalho, no qual estão envolvidos técnicos da SEAPES, SOPH, MAPA e Conab, pode começar a ser operacionalizado a partir das próximas safras de arroz, feijão e milho.

Fonte: A/I SEAPES

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 20 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Deputado Alex Redano busca junto ao DER recurso para Guajará-Mirim

Deputado Alex Redano busca junto ao DER recurso para Guajará-Mirim

O deputado estadual Alex Redano (Republicanos) recebeu no último dia 12 de junho (quarta-feira) uma demanda para solucionar a drenagem pluvial na a

Deputada Federal Cristiane Lopes anuncia investimentos em Visitas a Vilhena, Espigão D'Oeste e Cacoal

Deputada Federal Cristiane Lopes anuncia investimentos em Visitas a Vilhena, Espigão D'Oeste e Cacoal

Cumprindo uma intensa agenda pelo interior de Rondônia, a deputada federal Cristiane Lopes (União Brasil) visitou na última semana os municípios de

Assembleia Legislativa assegura apoio a 3ª Feira Científica, em Rolim de Moura

Assembleia Legislativa assegura apoio a 3ª Feira Científica, em Rolim de Moura

A cidade de Rolim de Moura receberá nos dias 8 e 9 de agosto a 3ª Feira Científica. O fórum, organizado pelo Instituto Mocam - Movimento Científico

Presidente Laerte Gomes destaca sucesso do 1º Fórum do Parlamento Amazônico em Brasília

Presidente Laerte Gomes destaca sucesso do 1º Fórum do Parlamento Amazônico em Brasília

Sob a presidência do deputado estadual Laerte Gomes (PSD), o Parlamento Amazônico se reuniu na tarde da última terça-feira (19), na Câmara dos Deput

Gente de Opinião Quinta-feira, 20 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)