Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Voto distrital puro ou misto?


Hilda Badenes - Agência O GloboRIO - Diante da crise ética que atingiu o Congresso, o voto distrital está em alta - como uma das "boas soluções" - para entrar no pacote de reforma política. Baseado num mecanismo majoritário, o voto distrital para a Câmara dos Deputados pressupõe que os estados sejam divididos em pequenas regiões, onde cada partido apresenta um candidato, e o mais votado é eleito. Entre os parlamentares e cientistas políticos que defendem a proposta, há aqueles que apóiam o sistema "puro". Outros preferem o "misto". Para esclarecer as propostas, o "GLOBO ONLINE" resolveu ouvir os dois lados.De acordo com o deputado e sociólogo Moreira Franco, o voto distrital "aproxima o candidato do eleitor" - facilitando a fiscalização do seu mandato - e incentiva a participação da população no pleito.- A capacidade de decisão do eleitor, no atual sistema, é diminuída. Este sistema está completamente depravado. O voto distrital resgata o poder do eleitor de escolher em quem vai votar - diz o deputado, que é defensor do voto distrital puro, como é feito atualmente na Inglaterra e na França.Indagado se candidatos de expressão nacional, mas sem redutos eleitorais, sairiam prejudicados na disputa, o deputado protestou:- O que o país precisa não é candidato de vinculação nacional. Tem que ter vinculação com o eleitor. E não esse sistema elitista. Falta hoje representatividade com o eleitor.Para amenizar o impacto da "municipalização" do pleito, o jurista Luís Roberto Barroso, do Instituto Idéias, apresenta o voto distrital misto, com lista fechada para os candidatos proporcionais, como a "melhor opção". Segundo ele, a grande vantagem do novo modelo - praticado na Alemanha - é combinar aspectos do sistema majoritário e proporcional.- No sistema misto, o eleitor terá direito a dois votos. Um pelo sistema majoritário e outro pelo proporcional, que pode ser em lista aberta ou fechada - explica.E por que não o voto distrital puro?- O voto distrital puro diminui o pluralismo político e impediria a participação das minorias. Com o sistema misto, facilita-se a formação de maiorias parlamentares sem eliminar a representação da minoria - diz Barroso, que alerta ainda para o risco de o Brasil, que tem tradição no sistema proporcional, passar por uma mudança abrupta.Moreira Franco se mostrou contra a proposta de Barroso. E alertou para o fortalecimento das chamadas "oligarquias partidárias".- No Brasil de hoje, os comandos dos atuais partidos têm autoridade moral para fazer lista? O voto em lista é a cassação do direito do eleitor de escolher seu parlamentar.O jurista ponderou:- Não há modelo perfeito. Sistema em lista fortalece as oligarquias partidárias, mas oferece como contrapartida o barateamento da eleição e o fortalecimento dos partidos. Se as oligarquias conduzirem mal o partido e escolherem mal os candidatos o fiasco será do partido como um todo.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que