Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Tucanos batem boca na primeira reunião depois das eleições


Adriana Vasconcelos - Agência O GloboBRASÍLIA - A primeira reunião da executiva nacional do PSDB depois das eleições presidenciais terminou em bate-boca. O motivo da discórdia foi uma resolução apresentada sem aviso prévio pelo presidente do partido, senador Tasso Jereissati (CE), proibindo a participação do partido em governos estaduais administrados pelo PT.O líder da bancada na Câmara, Jutahy Magalhães (BA), reagiu imediatamente denunciando que a medida estaria sendo usada para tratar de uma questão específica da Bahia, onde o governador eleito, o petista Jaques Wagner, já anunciou que gostaria de ter tucanos em sua administração.- Realmente estão dizendo que o PSDB vai apoiar o governo do PT na Bahia. Mas ninguém falou comigo - reclamou Tasso.Jutahy justificou que até o momento não havia sido realizada nenhuma reunião do partido.O primeiro vice-presidente do partido, deputado Alberto Goldman (SP), propôs que o assunto fosse discutido com serenidade. Jutahy, então, pediu a palavra e argumentou que o PSDB não poderia deixar de colaborar com um governo que derrubou uma oligarquia na Bahia, onde até então se vivia um estágio de "pré-democracia". E salientou ainda que seria importante que o PSDB observasse o recado das urnas. Tasso reagiu dizendo que o colega tucano parecia melindrado em discutir o assunto.- Não tenho nenhum melindre. Mas fico triste quando percebo que o senador Antonio Carlos Magalhães tem interferências em coisas dentro do nosso partido - provocou Jutahy.- Eu não agüento mais isso. Esse Jutahy é um criador de caso! Traiu Fernando Henrique em 1994 e já devia ter saído do partido - retrucou Tasso, já exaltado.O clima, então, esquentou. Jutahy rebateu a acusação de traidor na mesma hora:- Em 1994 fiz uma dissidência e dei conhecimento prévio ao presidente Fernando Henrique. Posso ter errado, mas não traí ninguém. Traidor nessa sala, todos nós sabemos quem é.O líder tucano evitou, contudo, citar o apoio de Tasso à candidatura de Ciro Gomes, então no PPS, à Presidência em 2002 e o rompimento este ano do senador tucano com o governador do Ceará, Lúcio Alcântara (PSDB), que acabou não sendo reeleito.Tasso ainda tentou colocar a resolução em votação, mas foi convencido pelo deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ) a não levar a proposta adiante. Jutahy, por sua vez, até admite reabrir a discussão sobre a participação do PSDB no governo de Jaques Wagner, mas se houver um pedido de outros dirigentes do partido como o ex-presidente Fernando Henrique ou os governadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG). - Tasso não tem autoridade política para colocar uma proposta desse em votação. Porque ele traiu o partido duas vezes. Se o Fernando Henrique, Serra ou Aécio acharem que temos de discutir esse assunto, vamos discuti-lo, mas democraticamente - avisou o líder tucano.A executiva tucana se reuniu na noite de terça-feira.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que