Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

TSE nega liminar a Heloísa Helena


Isabel Braga (Agência O Globo) BRASÍLIA - O ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou nesta quarta-feira a liminar pedida pela candidata do PSOL à Presidência da República, senadora Heloísa Helena (AL), para assegurar sua participação e dos 19 candidatos do partido aos governos estaduais nos debates eleitorais. A senadora entrou com mandado de segurança no TSE contestando a regra contida na Resolução nº 22.261/06, que assegura participação nos debates eleitorais apenas de candidatos de partidos que tinham representação na Câmara dos Deputados no início desta legislatura (2003), sendo facultativa a presença dos demais candidatos. O mérito ainda será analisado pelo tribunal. Heloísa Helena alega que tal regra penaliza apenas o PSOL. Segundo ela, por ser um partido novo - a criação foi homologada em 2005 - o partido não existia enquanto partido no início desta legislatura. Segundo ela, sua participação e a dos demais candidatos do PSOL terá que ser uma concessão das empresas de comunicação, e não um direito como têm outros partidos. O ministro Menezes Direito chega a elogiar o teor do mandado de segurança, mas nega a liminar por entender não se tratar de questão que coloque em risco o direito do PSOL neste momento. Segundo o ministro, as regras contidas na resolução não pode ser considerada ilegal, pois adota critério previsto na Lei Eleitoral (Lei 9.504/97). "Não há qualquer ato específico que justifique o deferimento da liminar, havendo apenas receio de que tal ocorra, isto é, sem qualquer base concreta, apenas suposição. Por outro lado, os prazos em direito eleitoral são ágeis o suficiente para afastar o perigo da demora na situação destes autos", justificou o ministro. Para contestar a regra, a senadora cita o artigo 46 da Lei 9.504/97, que trata do direito de debate, assegura a participação do candidato cujo partido tenha, em seus quadros, deputado federal, ou seja, representação na Câmara dos Deputados. Para ela, na resolução o TSE acabou restringindo o direito legal e por isso pede o afastamento do parágrafo 4º do artigo 18 da Resolução 22.261/06.

Gente de OpiniãoDomingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)