Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

TSE deixa claro que eleitor pode votar com camiseta, boné e broche de seu candidato


Isabel Braga - Agência O GloboBRASÍLIA - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou no fim da noite de quarta-feira resolução para deixar claro que é permitido aos eleitores comparecer à eleição, neste domingo, usando camiseta, boné, broches que identifiquem o candidato de sua preferência. A resolução diz ainda que é permitido o uso de adesivos nos veículos particulares. A decisão teve como base a lei eleitoral que permite que o eleitor manifeste, de forma individual e silenciosa, sua preferência eleitoral.O presidente do TSE, ministro Marco Aurélio Mello, levou a resolução a plenário sob o argumento de que era preciso dar uniformidade a este procedimento. Ele lembrou que alguns TREs anunciaram a proibição do uso de camisetas pelos eleitores, embora isso não estivesse previsto na lei. A lei proíbe apenas a distribuição de brindes e camisetas por parte de partidos ou candidatos.- Aqui não está em jogo a dação (distribuição) de brindes, mas a liberdade de expressão do próprio eleitor para se evitar incidentes maiores como o de chegar um eleitor usando a camiseta de seu candidato e ser proibido de votar. As medidas da lei 11.300/06 (que alterou regras da Lei 9.504/97, a lei das eleições) objetivaram inibir a dação de brindes e camisetas, ou seja, a cooptação do eleitor e, por conseqüência e a captação ilícita de votos.A resolução provocou debate no plenário e três ministros votaram contra, por temer que os partidos explorem isso de maneira indevida.- Acho que a linha divisória entre a manifestação silenciosa do eleitor e a incitação do voto é muito tênue. Esse acirramento de ânimos no próprio dia da eleição, acho temerário - argumentou o ministro Carlos Ayres Britto.- Os partidos político vão exagerar e transformar o dia da eleição em verdadeira panfletagem eleitoral. Vão simplesmente inundar as cidades com camisetas - acrescentou o vice-procurador geral eleitoral, Francisco Xavier Pinheiro, que não vota, mas pode manifestar sua opinião.O presidente Marco Aurélio reagiu:- Se eles (os partidos) o fizerem, aí teremos a glosa (punição por infração à lei) e tenho certeza que o Ministério Público atuará. Mas eu não posso atuar com o extravagante, admitir que todos sejam salafrários. Tenho que raciocinar com o que é normal. Senão, daqui a pouco iremos querer que o eleitor compareça de luto e de cor neutra para votar. Se um candidato for surpreendido distribuindo camisetas, deve ficar submetido ao xilindró.Votaram a favor da resolução, além de Marco Aurélio, os ministros Gerardo Grossi, Cesar Asfor Rocha e Marcelo Ribeiro. Votaram contra os ministros Britto, José Delgado e Ricardo Lewandowski.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que