Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Temer comprou salvação na CCJ por R$ 134 milhões


Gente de Opinião

247 - O governo Michel Temer liberou R$ 134 milhões, no mês de junho, em emendas parlamentares de 38 dos 40 deputados que votaram a favor do peemedebista na Comissão de constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

O levantamento foi realizado pela ONG Contas Abertas. De acordo com os dados, o maior beneficiado foi o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que teve R$ 5,1 milhões em emendas. O tucano foi o responsável por apresentar um segundo parecer, aprovado pela CCJ, que pedia rejeição da denúncia de corrupção passiva feita pela Procuradoria Geral da República.

Depois do tucano, os parlamentares mais beneficiados foram Carlos Marun (PMDB-MS), membro da tropa de choque de Temer na Casa, e Beto Mansur (PRB-SP), com R$ 5 milhões cada. Somente em junho, o governo empenhou R$ 2 bilhões para parlamentares de 27 partidos e bancadas estaduais.

A oposição diz que o governo conseguiu a vitória na CCJ por meio da compra de parlamentares através da liberação de recursos de emendas e também pela troca de parlamentares de maneira a garantir votos pró-Temer. Houve ainda troca de parlamentares titulares na comissão, para que os votos virassem a favor de Temer.

Mais Sobre Política - Nacional

Protesto dos caminhoneiros cancela voos e afeta indústrias

Protesto dos caminhoneiros cancela voos e afeta indústrias

247 - A paralisação de caminhoneiros contra a alta do diesel provocou o cancelamento de três voos que iriam para o Aeroporto de Brasília na tarde dest

Damous vai denunciar Moro por conflito de interesses da Petrobras

Damous vai denunciar Moro por conflito de interesses da Petrobras

Deputado Wadih Damous (PT-RJ) vai ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para denunciar conflito de interesses envolvendo Sergio Moro

Redução da Cide não resolve e greve vai continuar, dizem camioneiros

Redução da Cide não resolve e greve vai continuar, dizem camioneiros

Presidente da entidade que organiza o movimento dos caminhoneiros autônomos do país, Abcam, José da Fonseca Lopes, afirmou que a redução da Cide não é