Porto Velho (RO) quinta-feira, 19 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

STF julgará pedido de indenização por furo em preservativo


Carolina Brígido - Agência O GloboBRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) está prestes a julgar o pedido de indenização feito por um casal que atribui uma gravidez não planejada a um furo no preservativo. A ação foi ajuizada contra o fabricante da camisinha, a Johnson & Johnson. Os pais do menino, que hoje tem sete anos, querem ganhar indenização no valor de R$ 35 mil e pensão para sustentar o filho até ele completar 21 anos.Para provar o suposto defeito de fabricação, o marido teria guardado o preservativo usado em um frasco. O casal resolveu procurar a Justiça três anos após o uso do produto, em 2001. Argumentou que a mulher sofria de problemas de saúde e, por isso, não poderia engravidar. A primeira instância do Judiciário em Juiz de Fora, Minas Gerais, concordou com o casal e condenou a empresa a pagar a quantia pedida.No entanto, o fabricante do preservativo recorreu ao Tribunal de Justiça do estado, que derrubou a decisão da primeira instância. Os magistrados aproveitaram para criticar a atitude do casal. "Eu fico profundamente consternado em deparar com uma ação em que um casal, ou mais precisamente, um pai e uma mãe, movem, para obter indenização, porque seu filho foi concebido. No meu ponto de vista de ética e moral, o que arrebentou aí não foi só uma camisinha, foi a dignidade moral de um ser humano", disse o desembargador Francisco Kupidlowski.O desembargador Hélcio Valentim estranhou o tempo levado para a ação ser ajuizada. "Me causa espécie que esse preservativo tenha ficado guardado por tanto tempo, tal qual um troféu ou coisa que o valha, para depois ser utilizado para fazer prova, ou tentar fazer prova, da responsabilidade da primeira apelante", disse ao votar. O mesmo magistrado também desconfiou do valor da prova: "me parece razoável acentuar que, dos preservativos apresentados pelo casal, dois outros que estariam na mesma embalagem foram testados e neles não se constatou qualquer defeito".A relatora do caso, desembargadora Eulina Almeida, ponderou que a eficácia do preservativo não é totalmente garantida. "Resta claro, pois, ser a hipótese versada nos autos caracterizada como caso fortuito, porque, embora seja notório que o preservativo não é totalmente seguro, é imprevisível o momento em que ocorrerá sua falha", ponderou. "Em um lote de inúmeros preservativos, é perfeitamente possível que pelo menos um deles venha a apresentar problemas."Os pais recorreram ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o ministro Aldir Passarinho Júnior se recusou a reexaminar a prova. Eles insistiram então que o STF, a mais alta corte do Judiciário, decida se concede ou não o pedido de indenização e pensão - mesmo que não haja, aparentemente, uma questão constitucional a ser resolvida no caso. O assunto deverá ser julgado em breve pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç