Domingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Senado aprova projeto que criminaliza aquisição de material pornográfico envolvendo crianças e


A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal aprovou no dia 8 de novembro, parecer favorável ao PL que modifica o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para criminalizar a aquisição de material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. A proposta (PLS 109/04) será examinada a partir de agora pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), onde receberá decisão terminativa.

O PL adiciona um inciso ao ECA para punir quem adquire material dessa natureza, inclusive por meio da Internet, e cria um parágrafo, na mesma legislação, que torna obrigatório ao provedor do site no qual o mesmo foi adquirido comunicar o fato ao Ministério Público.

O projeto de lei é um dos cinco apresentados pela CPMI da Exploração Sexual. Com sua aprovação, os legisladores pretendem tornar mais rígido o combate à pedofilia na Internet. Atualmente a legislação prevê punição apenas para quem divulga ou comercializa fotos e vídeos contendo cenas de sexo com crianças. Nada acontece com quem é pego portando peças desse tipo em seu computador ou gravadas em CD, se não for comprovado que as repassou a outros. Com a modificação, essas pessoas ficam sujeitas a pena de 2 a 6 anos de prisão e multa, o que é considerado por especialistas um avanço que vai aumentar a proteção de crianças e adolescentes.

"A mudança na lei é fundamental no combate à pornografia infantil pela Internet. A posse de uma nota de R$ 10 falsificada é considerada crime em nosso País. Mas o ato de ter uma foto ou vídeo digital contendo violência sexual - que pode valer até U$ 1 mil no mercado pedófilo - não é penalizada. Essa lacuna dificulta o trabalho da Polícia Federal", afirma o técnico em informática Anderson Miranda, um dos criadores do site Censura.

Para a senadora Maria do Carmo Alves (PFL-SE), relatora da matéria, a mudança é uma forma de solapar o mercado da pedofilia, reprimindo a demanda. "É preciso que todos tenham a preocupação constante para que materiais pornográficos envolvendo criança ou adolescente não tenham o respaldo da 'outra ponta', daqueles que recebem a informação, existindo ou não a intenção de divulgação ou comercialização. O projeto pretende quebrar a corrente que usa a Internet como meio de propagação desses materiais", afirmou.

Clique aqui e saiba mais sobre esse assunto.

Fonte: ANDI

Gente de OpiniãoDomingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Domingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)