Porto Velho (RO) sábado, 19 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Ricardo Ismael, da PUC: Se reforma política não sair no primeiro ano, não sai mais


Hilda Badenes - Agência O GloboRIO - Após uma campanha conturbada - com direito a dossiê e segundo turno - o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, reeleito neste domingo, terá que enfrentar de cara novos desafios pela frente. Na opinião de Ricardo Ismael, professor da PUC-RJ, a reforma política - tão esperada após os escândalos no Congresso - e o crescimento do país - atualmente na faixa de 2% - são dois pontos que serão cobrados e- Ele vai ser cobrado para que o Brasil cresça mais e pela reforma política. E medidas como essas, mais drásticas, têm que ser feitas no primeiro ano de governo, pois depois entra o calendário eleitoral - avalia.Ismael alerta que a reforma política não será uma tarefa fácil e que "se não for feita no primeiro ano, não sai mais". Para viabilizar sua discussão e aprovação, ele sugere uma pauta enxuta.- Haverá resistência, que é histórica. Não saiu até hoje porque há tendências conservadoras que estão se mantendo no poder graças às regras atuais. Se for uma discussão do que é melhor para mim ou para você, não sai. Deve-se fechar uma pauta mínima de consenso. O ponto fundamental é não perder o momento. Se não for feita no primeiro ano, não sai mais - analisa Ismael, ressaltando que a escolha do presidente da Câmara será peça-chave neste processo.- O presidente da Casa tem que ser mestre na capacidade de negociação e não aquele que passa o rolo compressor conforme a vontade do Planalto. Tem que sentar com os parlamentares e debater.E a relação com o Congresso, como fica? Segundo o professor da PUC-RJ, o novo governo petista encontrará mais dificuldades de compor maioria no Senado, uma vez que o PSDB já possui uma aliança com o PFL, que disputa com o PMDB a maior bancada da Casa. Já na Câmara, a situação da ala governista é mais confortável, na opinião de Ismael. O partido elegeu a segunda maior bancada da Casa, ficando atrás do PMDB. - Neste contexto, o PMDB será o fiel da balança tanto na Câmara quanto no Senado. E deve continuar a compor com o governo petista - aposta.De acordo com Ismael, a eleição de governadores de peso da oposição, como José Serra (SP) e Aécio Neves (Minas), exigirá do presidente Lula bastante habilidade política na relação com os estados.- No Centro-Oeste, Sul e Sudeste, Lula terá mais dificuldade pois além da força política, tem a força econômica dos estados. Ele vai precisar ter mais habilidade para lidar com os governadores e eventuais candidatos a presidente. Essa relação será baseada na força que tem no Norte e no Nordeste - avalia.O professor da PUC-RJ ressalta que o presidente Lula terá que dividir as atenções do seu novo governo com definições dentro do próprio partido - envolvido em escândalos éticos durante sua primeira gestão.- Existem lideranças que dão indicações de que o PT deveria perder a força concentrada em São Paulo e dar força às lideranças regionais que o processo eleitoral apontou - diz.Ismael lembra ainda que como não poderá ser candidato em 2010, o presidente deverá usar seu segundo mandato para dar visibilidade nacional a possíveis sucessores.- Lula terá que trabalhar nomes que poderão sucedê-lo nas próximas eleições, já que não pode se reeleger - afirma.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que