Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Raupp: Senado aprovaria CPMF se tivesse mais 30 dias


O líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), afirmou há pouco a jornalistas que, se a proposta que prorrogava a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) tivesse "mais 30 dias", a matéria poderia ter sido aprovada pelos senadores.

"Não aprovaria com alíquota de 0,38%, mas, com alíquota de 0,20%, com certeza", afirmou. Raupp avalia que tramitação da matéria demorou muito na Câmara e que já chegou ao Senado com o tempo praticamente esgotado.

Questionado sobre as razões de o governo querer votar a matéria, mesmo não tendo a certeza de que realmente teria os 49 votos necessários para sua aprovação, Raupp disse que a decisão foi do presidente Lula. Segundo o peemedebista, Lula não queria passar o natal e o Ano Novo "com essa agonia".

O senador também considerou que a carta do presidente da República, encaminhada aos senadores minutos antes da votação, assegurando que todos os recursos da CPMF seriam destinados à saúde e que a reforma tributária teria prioridade na pauta do próximo ano, chegou tarde demais. "A carta não foi um ato de desespero, foi a última tentativa", ponderou.

Segundo o parlamentar, os quatro votos que faltaram ao governo teriam vindo dos seguintes senadores: César Borges (PR-BA), Expedito Júnior (PR-RO); Geraldo Mesquita (PMDB-AC) e Romeu Tuma (PTB-SP).

O peemedebista lamentou a perda de recursos para a área da saúde, mas destacou que o crescimento da economia brasileira nos próximos anos deverá compensar a perda dos R$ 40 bilhões arrecadados anualmente por meio da CPMF. Ele também considera que um mecanismo fiscalizatório das atividades financeiras deve ser avaliado.

Segundo Raupp, a rejeição da CPMF foi "um aprendizado" para a base governista, que hoje "é de 45 senadores [quantidade de parlamentares que votou a favor do tributo]". Para o líder do PMDB, a derrota do governo no episódio não tem um único culpado. "Foi um conjunto de fatores". Para ele, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), acertou ao separar as votações da CPMF e da Desvinculação das Receitas da União (DRU). "Se fosse juntas, as duas seriam rejeitadas", avaliou. "Fizemos aquilo que foi possível", desabafou.

Ministério das Minas e Energia

Raupp também afirmou que a vaga no ministério das Minas e Energia "é do PMDB do Senado". De acordo com ele, o nome do senador Edison Lobão (PMDB-MA) "tem o apoio da bancada". "Não há nenhuma rejeição ao nome dele, mas a decisão cabe ao presidente da República." (Rodolfo Torres)

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç