Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Quase 20% dos senadores não foram eleitos pelo povo


As denúncias de corrupção envolvendo o filho e primeiro suplente do ministro Edson Lobão (PMDB-MA), Edson Lobão Filho (MA), além da questão ética, ressuscitaram no Congresso Nacional o debate sobre a necessidade de eleição também para os reservas de senadores, proposta que se arrasta há uma década. Do time de 81 senadores, quase 20% do plenário 15 senadores alcançaram o paradisíaco salão azul do Congresso com a responsabilidade de decidir o futuro do país sem terem tido um voto sequer. Só para se ter uma idéia, cinco suplentes votaram contra a CPMF e foram decisivos no resultado da votação mais importante de 2007. Esta regra anômala expressa bem a indigência moral do sistema político brasileiro. São senadores clandestinos que precisam ser extintos na reforma política. São tão biônicos quanto àqueles criados pelo pacote de Abril da ditadura militar criticou o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Brito.

Pela lei, um candidato a senador só é registrado com dois suplentes que assumem em caso de impedimento definitivo ou temporário do titular mesmo sem serem votados. Há suplentes já efetivados no cargo porque o titular renunciou ou faleceu e há aqueles que são provisórios em função do afastamento temporário do dono da camisa como os suplentes de ministros. Nove já assumiram definitivamente a maioria com quatro anos de mandato e outros seis estão esquentando o banco. Normalmente os suplentes são parentes ou financiadores de campanha: O sistema atual desloca a fonte de legitimidade do voto do cidadão para as relações pessoais, de parentesco e, mais grave, às vezes, para o caixa da campanha- ressalta o professor de Ciências Políticas Paulo Kramer, da Universidade de Brasília e da Kramer e Ornelas Consultoria.

O Rio tem o caso raro de um segundo suplente - espécie de regra três - Paulo Duque (PMDB), ser içado ao cargo depois da eleição do titular Sérgio Cabral (PMDB) ao governo do Estado e a nomeação do primeiro suplente, Regis Fichtner, como secretário de Estado. Os recordes de reservas no time principal estão no Distrito Federal e no Pará onde dois senadores de um total de três por Estado estão no exercício do mandato.

O microempresário Adelmir Santana (DEM) deixou o balcão da botica e vestiu a camisa de titular depois que o empreiteiro Paulo Octávio (DEM) foi eleito vice-governador de Brasília e renunciou ao Senado. O senador Gim Argello (PTB) é outro felizardo. Envolvido no mesmo rolo de corrupção que provocou a renúncia de Joaquim Roriz (PMDB-DF), escapou da ressaca da cassação e agora tem mais quatro anos pela frente sem ter obtido um voto. Exatamente como ocorreu com o ex-senador Valmir Amaral (DF) que herdou sete anos de mandato depois que o empresário Luis Estevão foi cassado por denúncias de irregularidades nas obras superfaturadas do TRT paulista.

No Pará, o empresário Flexa Ribeiro (PSDB) também ganhou o posto de senador por seis anos depois que Duciomar Costa (PTB) venceu a prefeitura de Belém. Mesma sorte teve José Nery (PSOL) que herdou um mandato longo depois da vitória da petista Ana Júlia Carepa ao governo do Pará.

A eleição de 2006 proporcionou outros mandatos definitivos para políticos sem votos. O usineiro João Tenório (PSDB) ganhou o açucarado mandato depois que Teotônio Vilela foi eleito governador de Alagoas. O mesmo aconteceu com Neuto de Conto (PDMB) que herdou a cadeira com a eleição de Leonel Pavan como vice-governador de Santa Catarina. Outros dois senadores conquistaram a condição de titular depois da morte dos eleitos. Antônio Carlos Júnior (DEM-BA) e Valter Pereira (PMDB-MS).

Menos aventurados são os senadores que ocupam temporariamente o mandato. Eles são substitutos eventuais que perdem o emprego a qualquer tempo. São eles: o enrolado Edson Lobão Filho que preenche a vaga do pai, Wellington Salgado (PMDB-MG), suplente do ministro das Comunicações Hélio Costa (PMDB-MG), Sibá Machado (PT-AC), que substitui a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, (PT-AC) e João Pedro (PT-AM) que está na vaga do ministro Alfredo Nascimento (PR-AM), dos Transportes. Em breve a lista vai engordar. É que o governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), está na iminência de perder o mandato para o senador José Maranhão (PMDB-PB) e, neste caso, assumiria mais um suplente, o empresário Roberto Cavalcanti. Como bem definiu o ex-senador Darcy Ribeiro: "O Senado é melhor do que o céu, porque nem é preciso morrer para estar nele".

A galeria de casos envolvendo suplentes de senadores está repleta de episódios pitorescos. Em 1991 foi eleito senador o ex-governador de Roraima Hélio Campos. Sem recursos para campanha e desconfiado da traição dos tradicionais aliados políticos, Campos, sem dinheiro e sem estrutura partidária, hesitou até o último instante em registrar a candidatura. Na última hora decidiu concorrer e, ao se dirigir à Justiça para registrar a chapa, intimou para suplentes o pedreiro e o marceneiro que trabalhavam na reforma de sua residência. O primeiro suplente foi o pedreiro João França e o segundo foi o marceneiro Claudomiro Pinheiro. Hélio Campos tomou posse em fevereiro de 1991 e morreu dois meses depois. João França assumiu um obscuro mandato de oito anos como senador.

A suplência também foi um bom negócio para o folclórico Áureo Melo, do Amazonas. Ele foi duplo-suplente do ex-senador Fábio Lucena. No primeiro mandato, entre 1983 e 1987, ele foi segundo suplente, e no segundo mandato conquistado por Lucena, entre os anos de 1987 e 1995, Áureo Melo era primeiro suplente. Fábio Lucena suicidou-se em junho de 1987 e Áureo Melo herdou todo o mandato e só ficou conhecido pelos paletós de linho branco e por integrar a tropa de choque do ex-presidente Collor de Mello ao lado de outro pitoresco suplente, Ney Maranhão, que notabilizou-se mais por usar alpercatas do que por projetos ou discursos relevantes.

Fonte: OAB (A matéria é de autoria do repórter Weiller Diniz e foi publicada hoje no Jornal do Brasil) 

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç