Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

PT busca reforma profunda para garantir governabilidade


Agência O Globo_ O partido vai procurar fazer uma reforma interna muita profunda, encontrando aqueles valores que estiverem presentes na nossa fundação e na maior parte de nossa trajetória - disse ele, acrescentando que partido é partido e governo é governo.O ministro das Relações Institucionais, o gaúcho Tarso Genro, também acredita que a reforma política deverá ser prioridade de um eventual segundo mandato do presidente Lula.- Precisamos desbloquear o sistema político do país. O financiamento público de campanha, fidelidade partidária, voto lícito são importantes para se fortalecer os partidos do país - salientou. Tarso destacou ainda a necessidade de se conversar com a oposição para a garantia da governabilidade.No que depender do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, a oposição não vai facilitar a governabilidade do PT.Segundo ele, a continuidade das discussões entre tucanos e petistas depois das eleições não significará um 'terceiro turno'. Mas ressaltou que o papel da oposição é justamente cobrar quem está no poder.Na avaliação do ex-presidente tucano, o PSDB sai fortalecido dessas eleições, conquistando uma "posição pólo de poder" que fará com que faça oposição ao governo do reeleito Lula. Mas, afirmou, a oposição será ao mesmo tempo "dura e responsável, nada de conchavo".Para Tarso,Genro, os "setores democráticos'' do partido devem ganhar mais espaço com a eleição de Aécio Neves (MG) e José Serra (SP).- Tenho certeza de que o PSDB vai apoiar (a governabilidade). O PSDB não é partido golpista ou antidemocrático.Ele avalia que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso representa uma influência de centro-direita e estaria perdendo espaço para os setores democráticos, que teriam saído reforçados com a eleição de Aécio e Serra. Os governadores teriam interesse na manutenção da democracia por serem potenciais candidatos à Presidência da República em 2010. O ministro coloca o PMDB como um dos partidos importantes para o equilíbrio das forças políticas em um possível segundo mandato de Lula.O ministro da Fazenda, Guido Mantega, por sua vez, está confiante que governo e oposição terão um diálogo maior em um eventual segundo mandato de Lula.- O número grande de votos dá uma força política maior. Depois da eleição os ânimos vão serenar e a oposição vai colaborar com o país. Depois da eleição é outro quadro, porque acredito que haverá uma governabilidade maior.''Em relação à composição do ministério, Tarso Genro disse que isso se dará conforme a representatividade dos partidos aliados no Congresso.- Cada partido da coalizão terá participação no governo de acordo com a sua bancada - afirmou.Sobre o futuro do PT, o ministro destacou que há um trabalho intenso para a reconstrução da legenda:- Estamos trabalhando na reconstrução do partido. A força de São Paulo dentro do partido será reduzida, não significa colocar esse estado na berlinda, mas descentralizar o poder - esclareceu.

Mais Sobre Política - Nacional

Sergio Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ

Sergio Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ

O juiz federal Sergio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça no próximo governo, confirmou hoje (20) os nomes dos delegados Maurício Valeixo pa

Paulo Guedes quer secretaria de privatizações para acelerar a venda de ativos

Paulo Guedes quer secretaria de privatizações para acelerar a venda de ativos

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende criar uma Secretaria de Privatizações no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) par

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

É a primeira vez que o petista se torna réu em ação criminal

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

Em meio a reações como a do governo cubano que decidiu suspender a parceira com o Programa Mais Médicos, o presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a