Porto Velho (RO) domingo, 24 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Privatização ganha espaço no debate


Agência O Globo RIO - No segundo bloco do debate no SBT, os candidatos a presidente puderam fazer perguntas livres ao adversário. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à reeleição, manteve o tom da campanha e focou na questão das privatizações. Geraldo Alckmin (PSBD), por sua vez, voltou a negar que vá privatizar o Banco do Brasil e a Petrobras e acusou Lula de mentir. Porém, o tucano reconheceu os avanços das privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso.- As privatizações do governo anterior tiveram avanços, como a questão da telefonia. Quem tinha telefone antes da privatização? Hoje, 90 milhões de brasileiros têm telefone celular, fora o convencional, mais de 70 mil empregos foram gerados. Se tivesse errado, deveria ter reestatizado. Não tem problema privatizar, se for correto deve ser feito. Não pode é mentir e dizer que vou privatizar o Banco do Brasil e a Petrobras - disse o tucano.O presidente Lula também indagou onde foram parar os R$ 200 milhões das privatizações do governo FH que, segundo o presidente, "não foram aplicados em nada". Alckmin se esquivou e, ao responder, abordou novamente a questão do crescimento econômico, que já havia sido levantada anteriormente pelo próprio.Crescimento econômico- Temos uma grande diferença. Ele (Lula) acha que o Brasil está bom para crescer 2%. Diz que o Brasil não tem pressa para crescer, ao contrário de Juscelino. E eu tenho pressa. Ele diz que não vai cortar gastos, a carga tributária vai aumentar. Eu vou cortar gasto, reduzir imposto e fazer o país crescer - disse Alckmin, que citou um ranking da revista "The Economist", onde o Brasil aparece na lanterna em termos de desenvolvimento.Ao rebater o tucano, Lula disse que "o país está preparado para dar o próximo salto do crescimento". E afirmou que a economia vai crescer acima de 5% nos próximos dez anos.- Alckmin é daqueles brasileiros que deu no New York Times vale, se não deu, não vale. Faz parte daquele Brasil colonizado intelectualmente, que ao invés de ler a imprensa nacional, prefere ler o que deu numa revista inglesa. O Brasil não pode ser comparado com o Haiti ou a China, tem que ser comparado consigo mesmo. Estamos mostrando que é possível crescer com distribuição de renda - disse o presidente que, em seguida, lembrou que herdou um país completamente "descontrolado".SaúdeAlckmin voltou a bater na questão da saúde, lembrando uma declaração do presidente Lula de que "a saúde estaria à beira da perfeição". Sem citar nomes, Lula alfinetou, em sua resposta, os aliados do candidato tucano no estado do Rio. Ano passado, após longa queda-de-braço entre o prefeito Cesar Maia e o governo federal, motivada por divergências sobre repasse de verbas para unidades municipalizadas, houve uma intervenção federal em hospitais do Rio.- Não posso esperar que ele reconheça alguma coisa. Óbvio que precisa melhorar e vai precisar melhorar sempre. Mas nunca esteve como está hoje. Se a saúde do Rio não é tão boa, é porque a pessoa que está te apoiando não aceitou receber ajuda. Estamos fazendo a universalização da saúde no Brasil - disse o presidente, que foi rebatido pelo tucano:- Não adianta transferir a culpa para prefeito (Cesar Maia). Por que há um sucateamento nos hospitais federais da cidade do Rio - disse.EducaçãoO presidente Lula levantou a questão da educação e perguntou a Alckmin qual seria sua proposta para a área. Ao elaborar a pergunta, o presidente citou o baixo desempenho de São Paulo no Saeb e no Enem. O tucano contra-atacou lembrando que o Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico (Fundeb) ainda não saiu do papel.- Não estamos aqui para discutir o governo de São Paulo. A eleição já ocorreu. Ganhamos com o Serra. Vamos trabalhar para melhorar muito, porque piorou. O numero de crianças em trabalho infantil aumentou 10%. Trocou de ministro várias vezes. Cristovam Buarque, um dos mais respeitados mestres, foi demitido por telefone. Os Fundeb durante quatro anos não saiu do papel. Vou priorizar creche, a universalização do ensino médio - disse Alckmin.- O Fundeb só não foi aprovado porque a orientação do PSDB é não aprovar nada que possa favorecer o governo - rebateu Lula, que foi alfinetado, em seguida, pelo tucano:- O governo tem maioria para absolver mensaleiro, mas não tem para aprovar o Fundeb.

Mais Sobre Política - Nacional

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (19), projeto que determina que o agressor nos casos de violência doméstica e familiar será obrigado a

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Proposta permite ao juiz determinar a matrícula ou transferência de dependentes da mulher vítima de violência independentemente da existência de vagaO