Porto Velho (RO) quarta-feira, 14 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Presidente eleito terá que lutar contra os número


Alan Gripp e Isabel Braga - Agência O GloboBRASÍLIA - O presidente reeleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai ter que suar a camisa se quiser ter a Câmara ao seu lado nos próximos quatro anos. Considerando que os aliados de agora renovarão o matrimônio, a bancada governista que tomará posse ano que vem é menor do que a atual, número estimado atualmente em torno de 300 deputados. O número dá ao Planalto maioria simples, mas ainda não garante cacife suficiente para aprovar reformas constitucionais (308 votos). O problema é que a oposição aumentou sua bancada e, muito embora não ameace a maioria governista, ainda tem votos suficientes para criar CPIs quando bem entender - tanto na Câmara (mínimo de 171 votos) quanto no Senado (23 votos).Com a atual configuração, para aprovar as reformas tributária (promessa ainda do primeiro governo) ou política (promessa do discurso de posse), por exemplo, o governo precisará fechar acordos com a oposição, que ainda mantém a temperatura elevada da campanha. Isso explicaria em parte as declarações de petistas a favor de uma conciliação.Muita água ainda vai rolar até o recomeço do jogo, em fevereiro de 2007, quando toma posse a nova Câmara. Até lá, poderá ocorrer o tradicional troca-troca de partidos, embora a tendência seja a redução da infidelidade - a divisão de cargos e de tempo de TV para as próximas eleições terão como base as bancadas eleitas, e não mais as que tomam posse. Lula tem ainda aliados poderosos para influenciar votos ao longo do novo mandato: os 16 governadores eleitos com sua bênção.- A oposição está ressentida, mas há a predisposição de renegociar as dívidas dos estados e aí os governadores poderão sensibilizar suas bancadas para apoiar o governo em alguns temas - diz o analista político Antônio Augusto de Queiróz, do Departamento Intersidical de Assessoria Parlamentar (Diap).Considerando os acordos feitos até aqui, o Diap estima que a bancada governista em 2007 tenha, na melhor das hipóteses, 307 deputados. A conta inclui as bancadas do PT, PCdoB, PSB, PP, PL, PTB, PSC e parte do PMDB. Mas o apoio ao governo não é consenso nestas legendas. O PMDB, principalmente, que terá a maior bancada (89 deputados), continua dividido como sempre. Hoje, estima-se que, entre 60% e 80% dos peemedebistas, marchem com o governo.O governo ensaia ainda uma reaproximação com o PV e o PDT, que, juntos, elegeram 37 representantes. Aliados, no entanto, têm dito que, para não repetir os fracassos do atual mandato, Lula precisa pôr a mão na massa.- Não é fácil construir uma base sólida, mas impossível também não é. Ele (Lula) não deve terceirizar a articulaçào política, tem que exercê-la diretamente - afirma Renato Casagrande (ES), ex-líder do PSB na Câmara e senador eleito.Essa negociação passará pela distribuição dos cargos a serem preenchidos a partir de janeiro.A oposição começará o ano com um número entre 160 e 200 votos, dependendo das negociações que começam agora. Líderes do PFL e do PSDB reconhecem a maioria do governo, mas fazem graça com a dificuldade do governo em manter os seus comandados falando a mesma língua.- O que for de maioria simples, eles que coloquem gente para votar. Os números até mostram que o governo teria maioria, mas não é o que têm feito ultimamente - disse o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ).

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.