Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Presidente do PSB denuncia dois pesos e duas medidas na condenação de Emir Sader


Agência O GloboSÃO PAULO - A condenação do sociólogo e cientista político Emir Sader, professor do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), por injúria contra o senador Jorge Bornhausen (SC), prersidente nacional do PFL, revela, de acordo com o presidente interino do PSB, Roberto Amaral, "a triste situação de um país no qual imperam dois pesos e duas medidas".- Para a imprensa que enxovalha diariamente a imagem de todos aqueles ligados ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vale tudo. Para quem o defende, valem o rigor da lei e sua interpretação estreita - protestou Amaral, entrando na polêmica do relacionamento da imprensa com o governo e com o presidente reeleito.Na opinião de Roberto Amaral, "o grande crime" pelo qual a Justiça de São Paulo condenou Sader foi um artigo veiculado na agência de notícias "Carta Maior", no qual ele reagia a uma frase de Bornhausen veiculada por toda a imprensa sobre o PT: "A gente vai se ver livre desta raça por pelo menos 30 anos".- O ranço de ódio às transformações sociais promovidas pelo governo, curiosamente, não foi considerado crime. Mas a defesa de Sader que, corretamente, definiu o senador como 'das pessoas mais repulsivas da burguesia brasileira. Banqueiro, direitista, adepto das ditaduras militares', foi - disse o presidente do PSB.Roberto Amaral chega a comparar a decisão da Justiça paulista, que determina ainda que Emir Sader seja exclupídos do quadro de professores da Uerj, "caça às bruxas promovida pelos governos militares de triste memória".- Quando Bornhausen falou "desta raça", não estava injuriando ninguém, segundo a interpretação da Justiça. Mas quando o cidadão indignado escreveu que essa frase "revela agora todo o seu racismo", configurou-se crime. E crime que pode levar esse professor, homem honrado e de reputação profissional inquestionável, a perder seu cargo na Uerj, numa versão atualizada da caça às bruxas promovida pelos governos militares de triste memória. Será que o Brasil pode se dar ao luxo de perder a valiosa contribuição de Emir Sader para a formação das gerações futuras? O presidente interino do PSB considera "uma vergonha" que, ao contrário do que acontecia na época da ditadura, agora não seja mais "a força das armas, mas a da própria lei que venha perpetrar este ato de covardia contra o livre-pensar".- A condenação do professor Sader e seu afastamento dos quadros acadêmicos, como ordenado na sentença de primeira instância, são ações de censura e cassação política que todos nós que vivemos os anos de chumbo rejeitamos com o maior vigor. É uma vergonha que seja não mais a força das armas, mas a da própria lei que venha perpetrar este ato de covardia contra o livre-pensar. Hoje se quer calar a voz de Sader; amanhã, a quem mais vão querer calar? - questionou.

Mais Sobre Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A sociedade brasileira vive um processo de antagonismo e radicalização política sem precedentes na história. O radicalismo é tão intenso que beira ao

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) criticou a proposta do relator da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), no que diz