Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Presidente do PSB denuncia dois pesos e duas medidas na condenação de Emir Sader


Agência O GloboSÃO PAULO - A condenação do sociólogo e cientista político Emir Sader, professor do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), por injúria contra o senador Jorge Bornhausen (SC), prersidente nacional do PFL, revela, de acordo com o presidente interino do PSB, Roberto Amaral, "a triste situação de um país no qual imperam dois pesos e duas medidas".- Para a imprensa que enxovalha diariamente a imagem de todos aqueles ligados ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vale tudo. Para quem o defende, valem o rigor da lei e sua interpretação estreita - protestou Amaral, entrando na polêmica do relacionamento da imprensa com o governo e com o presidente reeleito.Na opinião de Roberto Amaral, "o grande crime" pelo qual a Justiça de São Paulo condenou Sader foi um artigo veiculado na agência de notícias "Carta Maior", no qual ele reagia a uma frase de Bornhausen veiculada por toda a imprensa sobre o PT: "A gente vai se ver livre desta raça por pelo menos 30 anos".- O ranço de ódio às transformações sociais promovidas pelo governo, curiosamente, não foi considerado crime. Mas a defesa de Sader que, corretamente, definiu o senador como 'das pessoas mais repulsivas da burguesia brasileira. Banqueiro, direitista, adepto das ditaduras militares', foi - disse o presidente do PSB.Roberto Amaral chega a comparar a decisão da Justiça paulista, que determina ainda que Emir Sader seja exclupídos do quadro de professores da Uerj, "caça às bruxas promovida pelos governos militares de triste memória".- Quando Bornhausen falou "desta raça", não estava injuriando ninguém, segundo a interpretação da Justiça. Mas quando o cidadão indignado escreveu que essa frase "revela agora todo o seu racismo", configurou-se crime. E crime que pode levar esse professor, homem honrado e de reputação profissional inquestionável, a perder seu cargo na Uerj, numa versão atualizada da caça às bruxas promovida pelos governos militares de triste memória. Será que o Brasil pode se dar ao luxo de perder a valiosa contribuição de Emir Sader para a formação das gerações futuras? O presidente interino do PSB considera "uma vergonha" que, ao contrário do que acontecia na época da ditadura, agora não seja mais "a força das armas, mas a da própria lei que venha perpetrar este ato de covardia contra o livre-pensar".- A condenação do professor Sader e seu afastamento dos quadros acadêmicos, como ordenado na sentença de primeira instância, são ações de censura e cassação política que todos nós que vivemos os anos de chumbo rejeitamos com o maior vigor. É uma vergonha que seja não mais a força das armas, mas a da própria lei que venha perpetrar este ato de covardia contra o livre-pensar. Hoje se quer calar a voz de Sader; amanhã, a quem mais vão querer calar? - questionou.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.