Porto Velho (RO) sábado, 19 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Planalto recua de intervenção na disputa da Câmara


Agência O GloboBRASÍLIA - Diante do impasse na eleição para o comando da Câmara, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu mudar a estratégia do governo antes de sair de férias por dez dias: vai esticar ao máximo a permanência das candidaturas dos deputados Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e Arlindo Chinaglia (PT-SP). A avaliação do Palácio do Planalto é de que isso deve impedir o surgimento de uma eventual candidatura com força no chamado baixo clero, que soma cerca de 300 deputados.A mudança de atitude do Planalto foi motivada pela articulação de uma candidatura que está sendo lançada pelo chamado "grupo ético" da Câmara dos Deputados. A avaliação, feita pelo próprio Lula a interlocutores, é de que essa candidatura não tem força para derrotar o governo, mas, além de tumultuar o ambiente, pode criar um clima propício ao surgimento de um nome forte com apelo entre os parlamentares, como foi a campanha do ex-deputado Severino Cavalcanti (PP-PE), em fevereiro de 2005.Por temer uma confusão ainda maior, Lula decidiu que só fará um gesto de intervenção, se necessário, nos momentos finais da disputa. Na semana passada, ao perceber que Aldo e Chinaglia haviam avançado em suas candidaturas, Lula pediu que os dois acertassem um pacto de convivência para evitar agressões durante a campanha, o que foi feito na sexta-feira. O presidente advertiu que eles eram da base aliada e que uma disputa sangrenta só traria problemas ao seu governo. Aldo e Chinaglia ignoraram, no entanto, os pedidos do Planalto.- Diante da situação atual, o mais importante é que o vitorioso seja um candidato da base, seja Aldo ou Chinaglia. Mas o presidente quer a unidade. Esse é o cenário ideal - disse o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), que na semana passada esteve com Lula.Planalto vai esperar que uma das candidaturas se consolideA expectativa no Planalto é que os dois candidatos continuem suas campanhas até que um deles se consolide como o mais forte. Aí, diante de um quadro claro sobre qual dos dois tem chances concretas de ganhar, será a hora de um acordo, de um recuo do que estiver em desvantagem.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que