Porto Velho (RO) sexta-feira, 17 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Pirataria causa perdas de R$ 18 bilhões por ano na arrecadação, diz pesquisa


Agência O GloboRIO - A pirataria de produtos em apenas três setores - roupas, tênis e brinquedos - tira do país pelo menos R$ 18,6 bilhões anuais em arrecadação de impostos. O valor seria suficiente, por exemplo, para cobrir 45% do déficit da Previdência Social. A simulação faz parte de um estudo realizado pelo Ibope para a Associação Nacional para Garantia dos Direitos Intelectuais (Angardi), para a Câmara de Comercio dos Estados Unidos e para o Conselho Empresarial Brasil Estados Unidos (seção americana), divvulgado nesta quarta-feira.Os resultados indicam que 12% da população brasileira compra brinquedos no mercado informal e 24% compra roupas piratas. É notável a similaridade dos preços praticados, o que demonstra mais uma vez, que por trás deste comércio existe uma estrutura organizada de distribuição e controle de preços.O valor do comércio ilegal declarado para os três setores foi de R$ 23,2 bilhões, um crescimento de 45% em cima do valor de 2005, que foi de R$ 16 bilhões.- A pirataria, definida como o crime do século pela Interpol, é um dos crimes mais lucrativos do mundo e movimenta anualmente entre US$ 500 bilhões e US$ 600 bilhões, superando o tráfico de entorpecentes - alerta José Henrique Werner, diretor da Angardi.A grande maioria dos entrevistados concorda que a pirataria contribui para a sonegação, diminuindo investimentos em setores como educação e saúde, bem como inibe novos investimentos que poderiam gerar mais empregos no país. Porém, os mesmos entrevistados justificam o hábito de compra principalmente com dois argumentos, segundo a pesquisa.O primeiro é que marcas famosas lucram muito, impõem preços altos e não são prejudicadas seriamente pelo consumo de falsificações. O segundo é que a produção e comércio de falsificados geram muitos empre gos nos países pobres, enquanto marcas famosas só criam vagas de trabalho nos países ricos.Em comparação com as pesquisas previamente realizadas, pode-se constatar que não houve alteração no comportamento de consumo da população pesquisada.Foram feitas 1.715 entrevistas com moradores de Rio, São Paulo e Belo Horizonte, acima de 16 anos. Desse total, 602 entrevistas foram realizadas em São Paulo e Rio de Janeiro e 511 em Belo Horizonte. Na média das três maiores cidades brasileiras, três em cada dez entrevistados declararam nunca ter comprado produtos piratas. Além disso, quatro pessoas em cada dez compram sempre ou às vezes produtos de comerciantes, ambulantes e de lojas do comércio informal.Cerca de 74% da população pesquisada continua comprando com freqüência, compra às vezes, ou já comprou produtos piratas. Houve uma redução neste índice em Belo Horizonte e Rio de Janeiro (84% para 76% em BH, e de 78% para 75%, no RJ), enquanto em SP houve um pequeno aumento.Houve uma ligeira melhora na conscientização dos entrevistados quanto aos malefícios da pirataria (contribuição para a sonegação fiscal, diminuição de investimentos em setores como a educação, saúde, etc., e inibição de novos investimentos para geração de empregos). Mesmo assim, 50% dos entrevistados continua comprando CD's piratas.

Mais Sobre Política - Nacional

Engenharia do caos: 27 milhões sem trabalho

Engenharia do caos: 27 milhões sem trabalho

O jornalista e escritor Palmério Dória denuncia em seu Twitter o cinismo escancarado do Grupo Globo em omitir o que ele chama de 'engenharia do caos';

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...