Porto Velho (RO) quarta-feira, 14 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Partidos que não venceram cláusula de barreira podem se juntar, diz especialista


Cristina Indio do Brasil
Agência Brasil

Os partidos que não conseguiram cumprir a cláusula de barreira vão poder formar as chamadas federações parlamentares, embora ainda não haja definição da Justiça Eleitoral se eles poderão manter os privilégios que tinham até agora.

A informação foi dada pelo presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, Geraldo Tadeu Monteiro, em entrevista ao Programa Notícias da Manhã, da Rádio Nacional. Segundo o cientista político, são partidos que têm deputados eleitos e que no Congresso Nacional vão formar federações, como uma formação em bloco, para que possam atuar de maneira parlamentar.

Eles poderiam solicitar também à Justiça Eleitoral, que em função dessa federação parlamentar, lhes concedesse os mesmos privilégios que até então eram dados aos partidos. Mas essa é uma questão que não está resolvida na legislação e que dependeria de interpretação da Justiça eleitoral.

Sobre o acesso ao Fundo Partidário e aos programas eleitorais, Monteiro disse que não há previsão explícita na legislação e dependeria da Justiça Eleitoral interpretar que uma vez esses partidos constituindo-se em federações parlamentares estariam cumprindo a cláusula de barreiras.

Apenas sete partidos cumpriram a cláusula de barreira (PMDB, PP, PSB, PT, PSDB, PFL e PDT), entre os que ficaram de fora, ou seja, não conseguiram mais de 5% dos votos nas eleições, distribuídos em nove estados com no mínimo 2% dos votos apurados em cada um deles, estão o PSOL, PPS, PL e PTB.

Segundo o professor é muito importante o efeito deste mecanismo na vida dos partidos, que vão ter que dividir entre si apenas 1% do Fundo Partidário. No cálculo dele, isso representa um valor em torno de R$ 1 milhão para cerca de 27 partidos. “Cada partido vai receber para sua manutenção durante o ano cerca de R$ 40 mil reais o que é muito pouco para um partido político e vai deixá-los em situação de penúria operacional”, afirmou.

O cientista lembrou que esses partidos vão perder também o acesso ao programa nacional em horário nobre e mais os 27 programas regionais em cadeia estadual. “Eles terão direitos apenas a 2 minutos de spot publicitário por semestre, o que efetivamente é muito pouco”, disse.

A cláusula de barreira também vai alterar o funcionamento da Câmara, já que os partidos não terão mais o direito ao voto de liderança, não poderão indicar mais representante do partido para relatorias, para participar de comissões permanentes, provisórias e parlamentares de inquérito e nem indicar membros para participação na mesa diretora do Congresso Nacional, então, por isso a tendência é terem uma maior dificuldade. “Os partidos vão continuar a existir podem lançar seus candidatos normalmente, mas não terão mais direito a esses privilégios que tinham até agora”.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.