Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Para jurista, voto distrital misto é a melhor opção


Hilda Badenes - Agência O GloboRIO - Em entrevista ao "GLOBO ONLINE", o jurista Luís Roberto Barroso, do Instituto Idéias, defendeu o voto distrital misto como a melhor opção para o sistema eleitoral brasileiro. Segundo ele, a grande vantagem do novo modelo - praticado na Alemanha - é combinar aspectos do sistema majoritário e proporcional.- No sistema misto, o eleitor terá direito a dois votos. Um pelo sistema majoritário e outro pelo proporcional, que pode ser em lista aberta ou fechada - explica o jurista, que é a favor da lista fechada para os candidatos proporcionais.E por que não o voto distrital puro?- O voto distrital puro diminui o pluralismo político e impediria a participação das minorias. Com o sistema misto, facilita-se a formação de maiorias parlamentares sem eliminar a representação da minoria - diz Barroso, que alerta ainda para o risco de o Brasil, que tem tradição no sistema proporcional, passar por uma mudança abrupta:- Por isso, o modelo intermediário é uma boa alternativa. E não impedirá de no futuro se vir a optar pelo sistema majoritário puro. Com um estágio de transição, para ver como funcionar na realidade, não correria o risco. O direito constitucional, ao contrario de outras ciências, não pode se beneficiar da observação e experimentação feita em laboratório. Nele, você opera diretamente no mundo real. Portanto, é preciso cautela por que as cobaias são humanas. E não ratos de laboratório.Barroso, que é professor titular de direito constitucional da Uerj, lembra que grande parte dos casos de corrupção no país decorre da necessidade do financiamento eleitoral e do abuso do poder econômico nas eleições.- Ambas as discussões são minimizadas pelo sistema distrital misto. Ao baratear e institucionalizar a disputa no partido e não nos candidatos, a própria fiscalização é mais fácil - afirmou. Questionado sobre o polêmico fortalecimento das oligarquias partidárias, dentro da proposta do voto em lista fechada, Barroso ponderou:- Não há modelo perfeito. Sistema em lista fortalece as oligarquias partidárias, mas oferece como contrapartida o barateamento da eleição e o fortalecimento dos partidos. Nesta eleição, uma das principais demandas sociais diz respeito à reforma política. Se as oligarquias conduzirem mal o partido e escolherem mal os candidatos o fiasco será do partido como um todo. Não se deve esperar, portanto, que elas escolham os piores em lugar dos melhores - afirma o jurista, que faz uma análise do atual sistema eleitoral brasileiro:- O sistema brasileiro do modo como é exacerba os defeitos das pessoas e não deixa florescerem suas virtudes. Uma das desvantagens da lista aberta é que os candidatos de um mesmo partido competem entre si. Prejudica o debate e autenticidade partidária.

Mais Sobre Política - Nacional

Paulo Guedes quer secretaria de privatizações para acelerar a venda de ativos

Paulo Guedes quer secretaria de privatizações para acelerar a venda de ativos

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende criar uma Secretaria de Privatizações no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) par

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

É a primeira vez que o petista se torna réu em ação criminal

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

Em meio a reações como a do governo cubano que decidiu suspender a parceira com o Programa Mais Médicos, o presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a

O registro de plantas e flores ornamentais será debatido no Senado

O registro de plantas e flores ornamentais será debatido no Senado

Pelo projeto, o produtor que desenvolver uma nova cor de orquídea pode ser liberado da inscrever o produto no RNCA Comissão de Agricultura e Reforma A