Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Outras empresas estariam envolvidas com a máfia dos sanguessugas


Agência O GloboRIO - Uma Investigação da Controladoria Geral da União (CGU) e da CPI dos Sanguessugas concluiu que a máfia das ambulâncias envolvia outras empresas, além da Planam. Os documentos mostram que todas atuaram do mesmo jeito na negociação de emendas com deputados, senadores, prefeitos e governadores.O mapa dos sanguessugas ainda não está pronto. Mas a CPI e a CGU já sabem como o país foi dividido. A Planam controlava a maior parte dos estados. Uma rede de empresas ligadas à família Vedoin manipulava as licitações. Minas Gerais, por exemplo, virou território da Lealmaq. Resultado de um acordo entre as duas empresas.Na divisão, o Sul do país, principalmente o Paraná, ficou por conta do grupo Domanski. Várias empresas atuando em conjunto, sem disputas. No Nordeste, com exceção da Bahia, a KM centralizou os acordos.- Há momentos que determinadas empresas atuam em conluio, uma dando cobertura à outra, mas no momento subseqüente, uma delas pode se transformar em concorrente, adversária da outra e mais adiante elas se entendem e dividem o país em regiões - disse o ministro Jorge Hage, da Controladoria Geral da União.As investigações, até agora, tinham como foco a Planam. Com a descoberta de novas empresas, a CPI vai investigar se parlamentares que não estão na lista já divulgada de sanguessugas fizeram acordo com estas empresas. A lista deve aumentar.- É preciso investigar as outras máfias, as outras áreas, para que nenhum dos sanguessugas venha a escapar da sua punição - disse o deputado Raul Jungmann (PPS-PE).A direção da KM negou a participação em qualquer acordo para liberação de emendas ou para divisão das áreas de atuação das empresas. Os donos da Lealmaq e da Domanski não foram encontrados.

Mais Sobre Política - Nacional

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.

O presidente eleito Jair Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília

O presidente eleito Jair Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília

Previdência, nomeação de ministros e reajuste estão na agenda

Governo Bolsonaro não fará discriminação de qualquer tipo, afirma Moro

Governo Bolsonaro não fará discriminação de qualquer tipo, afirma Moro

Futuro ministro afirma que haverá rigor contra crimes de ódio