Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Mulheres são homenageadas na Câmara por se destacarem na luta por direitos


A viúva Mônica Benício recebe a medalha concedida à vereadora Marielle Franco - Marcelo Camargo/Agência Brasil - Gente de Opinião
A viúva Mônica Benício recebe a medalha concedida à vereadora Marielle Franco - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados, a Medalha Mietta Santiago foi entregue hoje (19) a cinco mulheres que se destacaram na luta por direitos. Nesta edição do prêmio, a segunda, foi concedido um prêmio póstumo à vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). A professora Gina Vieira Ponte, a médica Beatriz Bohrer de Amaral, a cientista Gabriela Barreto Lemos e a doutora em Bioquímica Debora Foguel também receberam a medalha.

Criada em 2017 pela Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, a condecoração tem por objetivo valorizar iniciativas relacionadas aos direitos das mulheres e é entregue anualmente em março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (8).

A viúva de Marielle, Mônica Benício, recebeu a medalha em memória da vereadora, assassinada a tiros em 14 de março de 2018. Marielle foi coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e, em 2016, foi eleita vereadora..

“É importante ter essa diversidade de mulheres sendo reconhecidas pelos seus feitos”, disse Mônica. “Tem um significado emotivo muito grande para mim, mas acho que socialmente diz muita coisa porque é mais um espaço de reconhecimento, onde a gente pode denunciar o que foi a barbárie, mas também pode homenagear o que foi a luta da Marielle.”

A professora brasiliense Gina Vieira Ponte é criadora do premiado projeto Mulheres Inspiradoras, que incentiva a leitura de grandes autoras da literatura mundial e brasileira e instiga crianças e adolescentes a contarem a própria história.

Gina lembrou que sua trajetória é marcada pelo combate ao racismo e machismo na sociedade. Segundo a professora, o projeto Mulheres Inspiradoras, voltado para estudantes de escola pública, tem o objetivo de levar os jovens a entrar em contato com a história de grandes mulheres.

A cientista Gabriela Barreto Lemos desenvolveu pesquisa inovadora, que permite a captação de fotografias através da reprodução de pequenos feixes de partículas, possibilitando a construção de uma imagem que não é visível a olho nu, como um ferimento interno no corpo humano.

 A cientista Gabriela Barreto Lemos, que desenvolveu uma pesquisa inovadora, que permite a captação de fotografias através da reprodução de pequenos feixes de partículas, recebe a Medalha Mietta Santiago, condecoração que visa valorizar
Gabriela Leite diz que mulheres podem ser cientistas e devem ser ouvidas - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em discurso, Gabriela destacou que as mulheres podem ser cientistas e devem ter seus direitos respeitados e sua voz ouvida. Ela também ressaltou que o governo deve voltar a investir fortemente em ciência e lembrou da queda drástica de recursos para as universidades públicas nos últimos anos.

A doutora em bioquímica Debora Foguel se dedica ao estudo dos mecanismos responsáveis pelo desdobramento incorreto das proteínas, que levam à formação de agregados amiloides, responsáveis por doenças como Alzheimer, Parkinson e polineuropatia amiloidótica familiar.

Debora ressaltou a importância da ciência para o país e exemplificou com o protagonismo do Brasil nas pesquisas sobre a zika. “O Brasil responde por 25% do conhecimento sobre o assunto no planeta”, disse Debora. Segundo ela, esse conhecimento está pavimentando o caminho para se chegar a uma vacina contra a doença. “Precisamos de recursos para pesquisa”, completou.

A médica Beatriz Bohrer de Amaral, que trabalha pela promoção da saúde da mulher, no diagnóstico precoce do câncer de mama e da osteoporose, é coordenadora do Projeto Mulher & Saúde, que dissemina informação às mulheres sobre hábitos e cuidados necessários à saúde da família. Para Beatriz, a Medalha Mietta Santiago renova seu compromisso de lutar pelos direitos das mulheres.

Mietta Santiago é o pseudônimo de Maria Ernestina Carneiro Santiago Manso Pereira. Nascida em Varginha, Minas Gerais, em 1903, a advogada impetrou mandado de segurança em 1928, questionando a proibição do voto feminino no Brasil. Mietta afirmou que isso violava a Constituição então vigente, que não vetava o voto feminino. Ela conseguiu o direito de votar e de concorrer ao cargo de deputada federal. Mietta Santiago morreu em 1995.

*Com informações da Agência Câmara

Mais Sobre Política - Nacional

Audiência Pública no Senado Federal debate violência nas escolas e as suas consequências

Audiência Pública no Senado Federal debate violência nas escolas e as suas consequências

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal promove nesta terça-feira (14), às 9h, audiência pública para debater com especialist

Presidente Bolsonaro assina novas regras para atiradores e caçadores

Presidente Bolsonaro assina novas regras para atiradores e caçadores

O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (7), em cerimônia no Palácio do Planalto, o decreto que regulamenta a posse, o porte e a comercialização de a

Villas Bôas diz que se Jair Bolsonaro fracassar, as forças armadas vão pagar a conta

Villas Bôas diz que se Jair Bolsonaro fracassar, as forças armadas vão pagar a conta

O ex-comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, que reagiu aos ataques aos militares, de Olavo de Carvalho, guru do presidente da República

Mariana reforça luta a favor de pacientes com doenças raras

Mariana reforça luta a favor de pacientes com doenças raras

A deputada Mariana Carvalho (RO) participou na quarta-feira (24) de debate promovido pela Comissão de Defesa da Pessoa com Deficiência sobre as dif