Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Mulher que esfaqueou deputado alega que motivo da agressão foi dívida de FGTS


Agencia O GloboBRASÍLIA - Rita de Cássia Sampaio de Souza, de 45 anos, que deu uma facada no deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), alega que cometeu a agressão porque o deputado não a ajudou a retirar seu saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) no município de Ipiaú, no interior do estado.A informação consta dos autos do depoimento da suspeita, segundo o delegado titular da 16ª Delegacia de Polícia de Salvador, Wilson Gomes.- O que importa é o que está nos autos. Como motivação, ela atribui o fato de o deputado não tê-la ajudado a sacar o FGTS retido na prefeitura. Ela veio a Salvador com uma peixeira e tentou matar o deputado - explica o delegado.A agressora foi presa em flagrante e autuada por tentativa de homicídio. Rita foi encaminhada para um presídio feminino. Segundo o delegado, agora fica a cargo da Justiça sabe se ela tem problemas psicológicos ou não.- A Justiça que poderá dizer, com base no relato de uma equipe médica, se ela é inimputável ou não.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul