Porto Velho (RO) quarta-feira, 14 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: vitória de Alckmin é a volta de quem 'mama no país'


Flavio Freire - Ana Paula de Carvalho - Agência O GloboCURITIBA e JOINVILLE (SC) - Um dia depois de a Polícia Federal apresentar um relatório parcial sobre a tentativa de compra por petistas de um dossiê contra tucanos, os candidatos a presidente, em campanha no Sul do país, voltaram a trocar acusações neste sábado. Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que a vitória do seu adversário ( Geraldo Alckmin, do PSDB) representaria a volta de "uma minoria que mamou no país por 500 anos", o tucano afirmou que a campanha do presidente à reeleição "debocha do povo brasileiro".Em comício em Curitiba, o presidente atacou a imprensa, por dar espaço para "ladrão fazer denúncias", e completou que a oposição sabe que ele "não rouba":- Educação se aprende no berço. Não preciso ofender nenhum adversário para vencer a eleição. Vou me manter com o comportamento digno de um presidente da República, altivo e sabedor do ódio que eles têm. Eles sabem que não roubo nem roubei - disse Lula, em discurso na Boca Maldita, no centro de Curitiba.Já o candidato do PSDB a presidente, Geraldo Alckmin, afirmou neste sábado que a campanha do PT debocha do povo brasileiro ao não ter interesse em revelar a origem do dinheiro que seria usado por petistas na compra de um dossiê contra candidatos tucanos. Ao chegar pela manhã a Joinville, onde fez uma carreata, Alckmin disse que a eleição não pode terminar sob suspeição.- Eu espero que isso não ocorra, porque é crime e envolve uma fortuna de dinheiro. Mas é óbvio que todos eles sabem a origem do dinheiro, e que deve ser pior falar a verdade do que esconder. Estão debochando do povo brasileiro - afirmou tucano, para quem "cabe à polícia apresentar à sociedade rapidamente isso".- Estão surgindo fatos novos, e eu espero que sejam esclarecidos rapidamente.Para Alckmin, é grave o fato de o chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, ter ligado para Jorge Lorenzetti antes mesmo de Lorenzetti ter seu nome envolvido nas denúncias para a compra do dossiê.- Estão escondendo a verdade do povo com mentiras, omissão e conivência com casos graves. Tudo indica que é dinheiro da corrupção.Lula disse que seu projeto de governo prevê a inclusão social, enquanto a do PSDB representaria um retrocesso para o país:- O que está em jogo são dois projetos e o povo tem de ver o que está por trás do outro projeto (de Geraldo Alckmin). O projeto do meu adversário é o país voltar a ser governado por uma minoria que mamou no país por 500 anos.O petista voltou a criticar a cobertura da imprensa nessas eleições. Segundo ele, a imprensa poderia ter "contribuído" para divulgar os projetos e programas que deram certo no atual governo.- Não se pode viver a vida inteira subordinada a futricas, onde a gente vê ladrão denunciando e saindo nos jornais todos os dias - disse Lula, que deixou o local sem dar entrevistas.Segundo a Polícia Militar, cerca de 25 mil pessoas acompanharam o comício. Lula estava ao lado dos ministros da Casa Civil, Dilma Roussef, e do Planejamento, Paulo Bernardo.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.