Domingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula tem vantagem no placar, mas a bola está no campo de Alckmin, dizem analistas


Rodrigo Pinto - Agência O Globo RIO - Como definiu o comando de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, "faltou muito pouco" para uma vitória no primeiro turno. Mas a vantagem de Lula não se traduz em favoritismo. Pelo contrário, se algum candidato pode-se dizer vitorioso, este é Geraldo Alckmin (PSDB). Esta é a opinião de analistas consultados pelo GLOBO ONLINE. Segundo eles, as novas acusações contra o partido do presidente e seus auxiliares - o chamado "escândalo do Dossiê" - e a ausência de Lula nos debates foram decisivos para levar o a eleição ao segundo turno, o que parecia impossível há 15 dias atrás. Se Lula parte de uma vantagem de mais de 6,5 milhões de votos, Alckmin mostrou fôlego na reta final, conquistou mais de 41% do eleitorado. Por outro lado, se o PSDB confirmou a eleição de governadores nos dois maiores colégios eleitorais do país - São Paulo e Minas - o PT surprendeu ao levar o pleito no primeiro turno em quatro estados e deverá ter a maior bancada na Câmara. O jogo vai ser duro. Que o eleitor não espere, dizem os analistas, o chamado "Fair play". - Lula vai radicalizar a comparação entre seu governo e o dos tucanos - prevê o cientista político e professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Paulo Roberto Figueira Legal. - E Alckmin jogará todas as cartas no discurso mais duro do que o do primeiro turno. Será uma campanha mais violenta em torno da questão da moralidade por parte dos tucanos - prevê. Para o cientista político, a nova crise, provocada pelo suposto dossiê contra candidatos tucanos, "reaviva" a velha crise ética iniciada com o chamado "mensalão", que parecia distante do PT. Com isso, o candidato do PSDB ganhou combustível para avançar em segmentos do eleitorado nos quais Lula já encontrava mais dificuldade. Se as novas acusações por um lado impediram a vitória de Lula no primeiro turno, nota Figueira Leal, por outro lado "azedaram" de vez a possibilidade de um entendimento entre governo e oposição que permita um debate propositivo e o chamado pacto de consertação no novo mandato, seja qual for o vencedor: - O cenário político foi muito envenenado. E será mais ainda com a ocorrência do segundo turno, de forma que a consertação é uma possibilidade remota, retórica de campanha - diz. Uma nova eleição com o já conhecido clima ruim O cientista político Geraldo Tadeu Monteiro, presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, recorre um velho chavão da política para qualificar a disputa que virá: - Segundo turno, como se diz, é outra eleição - afirma, para ponderar: - Ao mesmo tempo, ninguém despreza o que houve no primeiro turno. Lula parte de quase 49% dos votos válidos. A maneira como os candidatos chegam à nova votação é que é diferente. Alckmin aparece como vitorioso por forçar o segundo turno quando ninguém imaginava possível. E teve uma votação alta, 41% dos votos válidos. E o presidente Lula chega como grande derrotado, porque tinha a eleição assegurada e não levou no primeiro turno - avalia. Tadeu Monteiro não acredita que a comparação entre o governo Lula e o de Fernando Henrique Cardoso beneficie Lula, como insistem alguns integrantes do comando de campanha do presidente. E afirma: a reeleição do presidente depende só dele. - Se Lula comparar governos, perderá identidade popular e dialogará no mesmo diapasão de Alckmin, da eficiência, das realizações de governo. O perfil de gerente favorece o Alckmin. Para o presidente do IBPS, o candidato do PT tem que se movimentar para esquerda, voltar a ser qo que era em 2002, se aproximar dos movimentos sociais, se apresentar como candidato da justiça social para, assim, conquistar eleitores de Heloísa Helena (PSOL) e Cristovam Buarque (PDT). - O presidente também paga um pouco o preço da soberba, por ter faltado a quase todos os debates e sabatinas. Agora, terá que enfrentar isso se quiser ganhar. E, claro, fazer campanha - diz o analista, que lembra que, na campanha, Alckmin esteve em 139 cidades, contra 39 visitadas pelo presidente.

Gente de OpiniãoDomingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Domingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)