Porto Velho (RO) quarta-feira, 26 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: 'Política, a gente faz com o que a gente tem'


Adauri Antunes Barbosa e Ricardo Galhardo - Agência O GloboSÃO PAULO - Em um desabafo a intelectuais reunidos em São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu na noite desta segunda-feira que teve de submeter o governo à realidade do jogo político. Para o presidente, no entanto, as concessões feitas no primeiro mandato criaram condições para um possível segundo governo diferente do primeiro.- Política, a gente faz com o que a gente tem, e não com o que a gente quer. Este é o jogo real da política que a gente precisou fazer em quatro anos para chegar a esta condição altamente confortável - assumiu o presidente.A condição favorável que se refere o presidente poderá ser notada no programa de governo para um possível segundo mandato. Um dos principais pontos da proposta será a redução da taxa de juros como instrumento para controle do déficit fiscal em substituição ao corte de gastos. O programa será divulgado nesta terça-feira e terá, segundo o coordenador da equipe que o elaborou, Marco Aurélio Garcia, três eixos centrais: crescimento econômico, distribuição de renda e educação.Ao admitir a dimensão da crise política provocada pelo escândalo do mensalão, Lula lembrou que na História do Brasil outros sucumbiram.- A indagação que temos que fazer é: por que sobrevivemos e como sobrevivemos? Quantos presidentes chegaram onde nós estamos hoje com a aceitação que o governo tem hoje depois de sofrermos tudo o que nós... sofremos não, o que nós passamos? Na História do Brasil muitos caíram, muitos foram obrigados a se afastar. Nós estamos disputando o segundo mandato.Em seguida, ele próprio deu a resposta: - Nós conseguimos passar a certeza que a gente estava do lado deles.O presidente admitiu que ficava perplexo em outras eleições, quando tinha apoio da classe média mas era desprezado pelas camadas mais pobres da sociedade.- Era para aquele outro que eu queria governar. Era aquele outro que eu achava que representava. Por que, então, ele não estava votando em mim? Possivelmente porque ele tivesse em sua carne a síndrome do preconceito que todos nós que estamos no andar de baixo temos.De acordo com Lula, todos as concessões foram feitas em respeito à democracia. Ele citou Getúlio Vargas, que cometeu suicídio durante uma onda de denúncias de corrupção, para exemplificar o raciocínio.- Vejam só, o Getúlio governou o Brasil com mão de ferro durante 15 anos. Com quatro anos de democracia ele não agüentou o tranco - disse Lula, que em setembro fará um grande ato com intelectuais.O presidente disse que nos três anos e meio de mandato teve sempre que procurar o meio termo para conseguir governar. - Você pode só ver defeito, você pode só ver virtude, e nenhum dos dois interessa. São importantes aqueles que consigam visualizar o que é bom de um lado e ruim de outro para que a gente, sempre tentando encontrar o caminho do meio, a gente consiga governar um país política e culturalmente tão heterogêneo e complicado como o nosso - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) criticou a proposta do relator da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), no que diz

O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades. Em muitos dos casos, as pessoas utilizam da resiliência e do aprend

Mariana Carvalho é condecorada com Medalha da Ordem do Mérito Naval

Mariana Carvalho é condecorada com Medalha da Ordem do Mérito Naval

A deputada federal Mariana Carvalho foi agraciada nesta terça-feira (11) com condecoração da Marinha brasileira. Durante a cerimônia alusiva aos 154 a

Audiência Pública no Senado Federal debate violência nas escolas e as suas consequências

Audiência Pública no Senado Federal debate violência nas escolas e as suas consequências

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal promove nesta terça-feira (14), às 9h, audiência pública para debater com especialist