Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula e Alckmin deixam propostas de lado e trocam acusações em debate


Agência O Globo SÃO PAULO - As propostas para governar o país foram deixadas de lado no primeiro bloco do debate entre os candidatos a presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) na noite deste domingo na TV Bandeirantes. Desde o início, Alckmin e Lula trocaram acusações e cobraram irregularidades nos governos petista e tucano.Logo na primeira pergunta, Alckmin cobrou a origem do dinheiro para comprar um dossiê que seria usado contra candidatos tucanos.- O presidente é o comandante em chefe das Forças Armadas, tem a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), chefe do ministro da Justiça, um dos homens mais bem informados do país. De onde veio o dinheiro sujo, R$ 1,7 milhão em dinheiro vivo, para comprar esse dossiê fajuto? Lula rebateu dizendo que os escândalos dos vampiros e sanguessugas começaram no governo do tucano Fernando Henrique e teriam envolvido o então ministro da Saúde Barjas Negri. O presidente cobrou ainda o número de CPIs engavetadas durante o governo de Alckmin em São Paulo.- O governador deve olhar na cara do povo brasileiro e dizer a verdade. Foram 69 CPIs engavetadas. A maioria do governo não permitiu nenhuma. Não movi um dedo para impedir CPI no meu governo. E se quiser mais, pode fazer mais. Quem não deve não teme. E eu não tenho medo de apurar a verdade.Alckmin, então, disse que as CPIs no governo Lula só começaram após uma denúncia do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) à imprensa.- Quanta mentira. Como o Lula mudou. As CPIs só saíram por causa de uma denúncia do deputado Roberto Jefferson. Saiu em todos os jornais, revistas. O governo foi derrotado por isso. As CPIs saíram pela força dos fatos, todos comprovados. O mensalão, milhões e milhões de reais em dinheiro vivo, na conta, Valerioduto, BMG, estranhamente o primeiro banco da rede bancária a receber crédito consignado. Lula comparou os feitos do seu governo em comparação com o de Fernando Henrique e disse que a reforma tributária que Alckmin promete não foi votada por pressão dos governadores.- Fomos vítimas da carga tributária aumentada de 25% para 35% no governo anterior. Cortamos praticamente R$ 20 bilhões em desoneração. A proposta de reforma tributária está no Congresso, mas na hora de votá-la eles não quiseram preferindo colocar em prática a chamada guerra fiscal.Alckmin voltou a cobrar a origem do dinheiro do dossiê:- O presidente não sabe de onde veio o dinheiro que daria para um trabalhador que ganha um salário mínimo viver 416 anos. Uma fortuna e não teve nenhuma curiosidade. Pergunta ao seu churrasqueiro, ao diretor do Banco do Brasil, ao seu assessor especial, à sua secretária particular. Olhe nos olhos do povo brasileiro e responda de onde veio o dinheiro.

Mais Sobre Política - Nacional

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

O chargista Aroeira, do Jornalistas pela Democracia, divulgou nesta segunda-feira (25) nova charge em que retrata a crise política protagonizada pelo

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a mensagem que será lida em quarteis e guarnições militares no próximo dia 31 de março, em alusão à mesma data no

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor