Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

LEI DA BESTA É A 8.666, diz Hildon Chaves no Palácio do Planalto


LEI DA BESTA É A 8.666, diz Hildon Chaves no Palácio do Planalto - Gente de Opinião

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), provocou risos e até estupefação, esta semana, no Planalto, quando atacou a lei 8.666, que disciplina as licitações públicas. A critica à lei ocorreu durante a reunião convocada pelo presidente Michel Temer com prefeitos das capitais, com o objetivo de discutir ações de segurança pública. “Essa lei tem o nome da besta”, disse ele, referindo-se à lei “oito meia meia meia”. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O desabafo do prefeito de Porto Velho causou estranheza porque até 2013 ele integrava o Ministério Público de Rondônia.

O pastor Marcelo Crivella, prefeito do Rio, pediu a palavra na reunião do Planalto para dar uma explicação bíblico-matemática, sobre o tema.

Na visão de Crivella, 666 é o número da besta. E tenta explicar: 3 é a divina trindade; 6 é o dobro de 3, comprovando o dedo do mal na lei.

Fonte: Diário do Poder / Claudio Humberto

Mais Sobre Política - Nacional

STF julga hoje ação penal contra Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo

No processo, os cinco ministros do colegiado vão decidir se condenam ou absolvem os acusados dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, na Operaçã

Ação pode custar mais R$ 17 bilhões à Petrobras

Ação pode custar mais R$ 17 bilhões à Petrobras

Petrobras pode ter que pagar mais R$ 17 bilhões por conta de uma ação no Tribunal Superior do Trabalho...

Taxa de ocupação dos presídios brasileiros é de 175%, mostra CNMP

Taxa de ocupação dos presídios brasileiros é de 175%, mostra CNMP

A lotação é mais acentuada na região Norte do país, onde algumas unidades acomodam cerca de três vezes mais detentos do que sua estrutura permite.

Sem pressa contra Aécio, PGR pede mais 60 dias

Sem pressa contra Aécio, PGR pede mais 60 dias

Em dos inquéritos tem como relator o ministro Gilmar Mendes e apura o suposto pagamento de vantagens indevidas "prometidas e/ou efetuadas" pela Odebre