Porto Velho (RO) quinta-feira, 5 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo


Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo - Gente de Opinião

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões do bico grande do PSDB em São Paulo.

A lei deveria ser igual para todos, já que o país é um só, mas não é bem assim que acontece. Depende do réu e do partido.

Manchete da Folha desta segunda-feira:

“Promotoria e estado contestam acordos com empresas em São Paulo  – Colaborações, que citam políticos e aliados do governador poderiam compensar em R$ 103 milhões”.

A história toda é muito confusa. Trocando em miúdos, é mais ou menos o seguinte: as empreiteiras deveriam devolver para o estado de São Paulo o mesmo valor do caixa dois que pagaram para os ex-governadores tucanos Geraldo Alckmin e José Serra, e o ex-prefeito Gilberto Kassab, do PSD, entre outros, para financiar suas campanhas eleitorais.

Mas setores do Ministério Público, com o apoio do governador tucano João Doria, resistem a cumprir os acordos feitos com as empreiteiras CCR e Odebrecht, já homologados por juízes estaduais, que chegam ao total de R$ 130 milhões.

Kassab chegou a ser anunciado como chefe da Casa Civil de João Doria mas foi dispensado após denúncia de que o ex-prefeito recebeu propina também da JBS.

A Odebrecht se comprometeu a pagar uma multa de R$ 21,2 milhões em relação a Kassab, mesmo valor que diz ter repassado de forma irregular pela campanha à prefeitura em 2008 e para a formação do PSD em 2011, segundo a matéria da Folha.

O maior dos acordos do MP de São Paulo foi feito com o grupo CCR, que se comprometeu a pagar R$ 81,5 milhões para se livrar de processos.

Esses processos são tão antigos que, em breve, deverão estar prescritos, como costuma acontecer com os casos que envolvem o PSDB paulista.

Nenhum deles até agora foi sequer levado a julgamento.

A reportagem de José Marques informa ainda que a CCR delatou repasses de caixa dois referentes às campanhas de José Serra (R$ 3 milhões) à Presidência, em 2010, de Geraldo Alckmin ao Governo de São Paulo (R$4,5 milhões), em 2010, e a Kassab (R$ 2,8 milhões) para a criação do PSD. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, também teria recebido R$ 3 milhões no mesmo ano.

Serra não se manifestou, mas sempre disse que as contas de suas campanhas eram de responsabilidade do partido. A defesa de Alckmin tem afirmado que o ex-governador “jamais recebeu recursos, a qualquer título, da empresa mencionada”. A Procuradoria Geral do Estado, responsável pela defesa jurídica do governo, não se manifestou sobre os acordos.

Entre defender os cofres estaduais ou seus correligionários, o governador João Doria ficou ao lado dos promotores que querem contestar os acordos.

Uma coisa a Justiça de São Paulo e a de Curitiba têm em comum: ambas são partidárias. Uma, para condenar o PT; outra, para proteger o PSDB.

Vida que segue.

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p