Porto Velho (RO) domingo, 15 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo


Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo - Gente de Opinião

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões do bico grande do PSDB em São Paulo.

A lei deveria ser igual para todos, já que o país é um só, mas não é bem assim que acontece. Depende do réu e do partido.

Manchete da Folha desta segunda-feira:

“Promotoria e estado contestam acordos com empresas em São Paulo  – Colaborações, que citam políticos e aliados do governador poderiam compensar em R$ 103 milhões”.

A história toda é muito confusa. Trocando em miúdos, é mais ou menos o seguinte: as empreiteiras deveriam devolver para o estado de São Paulo o mesmo valor do caixa dois que pagaram para os ex-governadores tucanos Geraldo Alckmin e José Serra, e o ex-prefeito Gilberto Kassab, do PSD, entre outros, para financiar suas campanhas eleitorais.

Mas setores do Ministério Público, com o apoio do governador tucano João Doria, resistem a cumprir os acordos feitos com as empreiteiras CCR e Odebrecht, já homologados por juízes estaduais, que chegam ao total de R$ 130 milhões.

Kassab chegou a ser anunciado como chefe da Casa Civil de João Doria mas foi dispensado após denúncia de que o ex-prefeito recebeu propina também da JBS.

A Odebrecht se comprometeu a pagar uma multa de R$ 21,2 milhões em relação a Kassab, mesmo valor que diz ter repassado de forma irregular pela campanha à prefeitura em 2008 e para a formação do PSD em 2011, segundo a matéria da Folha.

O maior dos acordos do MP de São Paulo foi feito com o grupo CCR, que se comprometeu a pagar R$ 81,5 milhões para se livrar de processos.

Esses processos são tão antigos que, em breve, deverão estar prescritos, como costuma acontecer com os casos que envolvem o PSDB paulista.

Nenhum deles até agora foi sequer levado a julgamento.

A reportagem de José Marques informa ainda que a CCR delatou repasses de caixa dois referentes às campanhas de José Serra (R$ 3 milhões) à Presidência, em 2010, de Geraldo Alckmin ao Governo de São Paulo (R$4,5 milhões), em 2010, e a Kassab (R$ 2,8 milhões) para a criação do PSD. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, também teria recebido R$ 3 milhões no mesmo ano.

Serra não se manifestou, mas sempre disse que as contas de suas campanhas eram de responsabilidade do partido. A defesa de Alckmin tem afirmado que o ex-governador “jamais recebeu recursos, a qualquer título, da empresa mencionada”. A Procuradoria Geral do Estado, responsável pela defesa jurídica do governo, não se manifestou sobre os acordos.

Entre defender os cofres estaduais ou seus correligionários, o governador João Doria ficou ao lado dos promotores que querem contestar os acordos.

Uma coisa a Justiça de São Paulo e a de Curitiba têm em comum: ambas são partidárias. Uma, para condenar o PT; outra, para proteger o PSDB.

Vida que segue.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A sociedade brasileira vive um processo de antagonismo e radicalização política sem precedentes na história. O radicalismo é tão intenso que beira ao