Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Inverno atípico muda paisagem em todo o país


Agência O GloboRIO - Os efeitos do inverno quente se espalham pelo país. Enquanto o Centro-Oeste sofre com a falta de chuva, o calor no Sul mudou o ciclo de vida de plantas e animais. No sertão, no entanto, as temperaturas estão mais baixas que o normal. No Centro-oeste, a situação é crítica. A baixa umidade e as altas temperaturas já transformam a paisagem do pantanal matogrossense. As temperaturas na região neste inverno estão mais altas - em média três graus acima do normal. Em Campo Grande, além da alta temperatura, a população enfrenta a baixa umidade relativa do ar. O índice é considerado crítico: 17%.Em Sinop, norte de Mato Grosso, as queimadas formam uma imensa cortina de fumaça. Os moradores desaparecem na névoa seca que está sobre a cidade. Só este mês, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais registrou em Mato Grosso mais de sete mil focos de calor.Em Goiânia, o Departamento de Meteorologia do estado divulgou um alerta. Por causa das queimadas, a umidade relativa do ar deve cair de 38% para 25%.A combinação de baixa umidade relativa do ar com altas temperaturas também reflete na maior área alagada do planeta. Segundo especialistas, no Pantanal, a água está evaporando mais rápido este ano. O índice é mais que o dobro de anos anteriores. O normal é que, nos alagados pantaneiros, a evaporação chegue a dois litros por hora por metro quadrado.As mudanças são tantas, que parece que primavera chegou, pelo menos, no Rio Grande do Sul. Por conta do forte calor, o ciclo de vida de plantas e animais mudou.O sol intenso e altas temperaturas é a explicação para a chegada prematura de filhotes de cisnes negros. Os mais novos moradores do Zoológico de Sapucaia do Sul, na Grande Porto Alegre, deveriam ter nascido somente no fim de julho.É assim também na fronteira com o Uruguai. Os pêssegos já estão colorindo a plantação. Seria só belo, se não apresentasse prejuízo.Na Serra Gaúcha, agrônomos estão preocupados. O sabor das uvas pode ser alterar, porque a brotação ocorreu 45 dias antes do previsto.As 60 mil famílias gaúchas que vivem da produção de frutas agora só torcem para que este frio não seja acompanhado de geada.Fazer calor no inverno não é novidade. O problema seqüência de dias quentes, como está acontecendo este mês. Nos primeiros 20 dias de julho, 15 foram de temperaturas máximas acima da média, que ficou em 23ºC - quase 5ºC acima do esperado para o mês.Os meteorologistas admitem que a temperatura em todo planeta aumentou pelo menos 1ºC nos últimos cem anos. Mas alertam que não há uma unanimidade sobre a teoria do crescimento global.- A temperatura está subindo, muitos pesquisadores atribuem isso à ação do homem, através da poluição - que provoca derretimento das calotas de gelo -, mudança nas correntes marítimas, mudança no comportamento dos ventos. Isso acabou influenciando os sistemas meteorológicos e podemos ter um mês de inverno com temperaturas elevadas - explica o meteorologista Leandro Puchalski.Já no sertão do Nordeste, o problema - por incrível que pareça - é o frio. O sol se põe mais cedo no inverno do sertão. A noite chega e, com ela, a temperatura cai.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que