Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Greve pode se radicalizar, diz lider dos bancários


Sabrina Valle - Agência O GloboRIO - O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Vagner Freitas, disse que a greve dos bancários pode se radicalizar caso a Confederação Nacional dos Bancos (Fenaban) não apresente nesta segunda-feira uma nova proposta nas negociações salariais. Por enquanto, ainda não há uma reunião marcada.- Pedi para todos os meus dirigentes virem para São Paulo para o caso de ser marcado um encontro. Há uma forte expectativa de que seja apresentada uma nova proposta. Se isso não ocorrer, os trabalhadores vão ficar frustrados e deve haver uma radicalização do movimento - disse.De acordo com ele, se a Fenaban não apresentar uma contra-proposta para ser analisada pelos sindicatos locais nesta terça-feira "será muito difícil manter o processo de acordo".A Contraf ainda não tem um levantamento de adesão à greve pelo país nesta segunda-feira. Mas Vagner Freitas estima que o movimento esteja nos mesmos níveis de sexta-feira, quando 190 mil dos 400 mil bancários do país pararam, de acordo com os sindicatos.Os bancários reivindicam 7,05% de aumento real de salário, mais a inflação acumulada do período e participação nos lucros de um salário, mais R$1.500 e 5% do lucro líquido dos bancos a serem distribuídos de forma linear para todos os funcionários.A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) oferece 2,85% de reajuste salarial e participação nos lucros de 80% do salário, mais R$823, e ainda R$750 de parcela adicional nos bancos que tiverem aumento mínimo de 20% no lucro. GREVE DOS BANCÁRIOS ENTRA EM SEU DÉCIMO DIAA greve dos bancários entra em seu décimo dia nesta segunda-feira. Em nível nacional, esse já é o terceiro dia de paralisação e, mais uma vez, parte das redes de bancos públicos e privados amanheceu fechada em vários pontos do país. Líder dos bancários diz que greve pode se radicalizarO presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Vagner Freitas, disse que a greve dos bancários pode se radicalizar caso a Confederação Nacional dos Bancos (Fenaban) não apresente nesta segunda-feira uma nova proposta nas negociações salariais. Até as 13h, não havia uma reunião marcada.De acordo com ele, se a Fenaban não apresentar uma contra-proposta para ser analisada pelos sindicatos locais nesta terça-feira "será muito difícil manter o processo de acordo".- Pedi para todos os meus dirigentes virem para São Paulo para o caso de ser marcado um encontro. Há uma forte expectativa de que seja apresentada uma nova proposta. Se isso não ocorrer, os trabalhadores vão ficar frustrados e deve haver uma radicalização do movimento - disse.A Contraf ainda não tem um levantamento de adesão à greve pelo país nesta segunda-feira. Mas Vagner Freitas estima que o movimento esteja nos mesmos níveis de sexta-feira, quando 190 mil dos 400 mil bancários do país pararam, de acordo com os sindicatos.O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região diz que o movimento deve se intensificar nas agências do Bradesco, Itaú, Unibanco, HSBC, Santander e ABN Amro, além do Banco do Brasil e Caixa Federal.No Rio, o presidente do Sindicato do Rio, Vinícius Assumpção, conta que o movimento se expandiu nesta segunda-feira. Além de uma estimativa de 80% dos bancários parados no Centro da cidade, como na semana passada, o sindicato diz que pararam mais dois mil funcionários dos centros de processamento de dados do HSBC, em São Cristóvão, e do Bradesco, no Flamengo. Vinícius foi um dos dirigentes que viajou à São Paulo na hora do almoço na expectativa de uma reunião com os bancos.Na cidade, a categoria convocou uma passeata às 16h30m, na Candelária. Os trabalhadores saem em direção à Galeria dos Empregados do Comércio, local onde está marcada nova assembléia de avaliação do movimento.A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) informou que não foram realizadas as negociações paralelas referentes aos funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal marcadas para a sexta-feira passada. De acordo com Vargner, CEF e BB devem ter desmarcado os encontros à espera de uma orientação geral da Fenaban.Os bancários reivindicam 7,05% de aumento real de salário, mais a inflação acumulada do período e participação nos lucros de um salário, mais R$1.500 e 5% do lucro líquido dos bancos a serem distribuídos de forma linear para todos os funcionários.A Fenaban oferece 2,85% de reajuste salarial e participação nos lucros de 80% do salário, mais R$823, e ainda R$ 750 de parcela adicional nos bancos que tiverem aumento mínimo de 20% no lucro. A proposta, no entanto, foi rejeitada em assembléias realizadas em todo o País.

Mais Sobre Política - Nacional

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

No pacote divulgado ontem (11) para marcar os 100 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro assinou o Decreto 9.759, que pretende diminuir de 700 p

Senador Confúcio Moura faz intervenção e ministro da Saúde manterá tratamento de saúde especial aos indígenas

Senador Confúcio Moura faz intervenção e ministro da Saúde manterá tratamento de saúde especial aos indígenas

Diversas lideranças indígenas procuraram os vereadores Joveci do Pacarana (PSDB) e Adão Salvatico (PRB), em Espigão do Oeste, para tentar impedir a ex

Violência Doméstica contra mulher pode implicar em indenização

Violência Doméstica contra mulher pode implicar em indenização

Mulheres vítimas de violência doméstica estão mais perto de conquistar direito à indenização por danos morais. Pelo texto do Projeto de Lei 1380/19, q

O presidente Jair Bolsonaro admite: Pressão derrota Capitalização na Previdência

O presidente Jair Bolsonaro admite: Pressão derrota Capitalização na Previdência

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o regime de capitalização, um dos pilares da proposta de reforma da Previdência idealizada pelo ministro da Ec