Porto Velho (RO) sábado, 19 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Governo estima que deixa de arrecadar R$ 30 bilhões com pirataria


Agência O GloboRIO - Pelos cálculos do governo, o Brasil deixa de arrecadar mais de R$ 30 bilhões em impostos por ano por causa da pirataria. Além de não recolher impostos, o comércio de produtos contrabandeados e falsos reduz a geração de empregos na cadeia formal e afasta investidores estrangeiros do país.Somente no primeiro semestre deste ano foram apreendidas no país mercadorias pirateadas e contrabandeadas no valor de R$ 377 milhões. Só no mercado de cigarros, de janeiro a setembro foram preendidos R$ 51,7 milhões em mercadorias contrabandeados e falsificados.Além disso, foram mais de 487 mil óculos de sol, que somaram R$ 2,8 milhões, e cerca de 900 mil relógios, no valor de R$ 5,5 milhões. CDs, DVDs, brinquedos e eletroeletrônicos também foram milhões e milhões de unidades apreendidas, e também milhões em cifras.Criado há dois anos, o Conselho Nacional de Combate à Pirataria já retirou de circulação, segundo o Ministério da Justiça, cerca de R$ 1,5 bilhão em produtos pirateadosPESQUISA: 42% DOS BRASILEIROS ADMITEM CONSUMIR PRODUTOS PIRATASRIO - Uma pesquisa realizada pela Fecomércio-Rio em parceria com o instituto de pesquisas Ipsos constatou que 42% dos brasileiros admitem consumir produtos piratas, principalmente por causa dos preços mais baixos, apesar de a grande maioria dizer conhecer os enormes prejuízos causados pela pirataria. Pelos cálculos do governo, o Brasil deixa de arrecadar mais de R$ 30 bilhões em impostos por ano por causa da pirataria.Entre os produtos piratas, CDs e DVDs são os mais consumidos. Segundo a pesquisa, dos que admitiram consumir produtos piratas, 86% afirmaram já terem comprado CDs de forma irregular e 35% disseram ter feito o mesmo com DVDs. Nos relógios e óculos, a parcela é de 6%.Na pesquisa, que foi baseada em entrevistas em mil domicílios de 70 cidades e nove regiões metropolitanas de todo o Brasil, 93% dos que informaram consumir produtos piratas disseram que a compra era motivada por preços mais em conta, e outros 3% responderam que há uma boa relação custo-benefício.A pesquisa também revelou que há consciência por parte dos consumidores dos prejuízos provocados pela pirataria: 66% dos entrevistados afirmaram que a prática tem conseqüências negativas.Deste universo, as respostas mais freqüentes à pergunta "quais seriam os malefícios da pirataria?" foram: prejudica o fabricante ou o artista (83%); estimula a sonegação (83%); prejudica o faturamento do comércio (79%); alimenta o crime organizado (70%) e causa desemprego (64%).Na avaliação de Clarice Messer, diretora do instituto Fecomércio, o consumidor está conscientizado dos problemas da pirataria graças aos programas de combate realizados pelo governo e entidades empresariais, mas falta ainda transformar esta conscientização em consciência moral.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que