Porto Velho (RO) terça-feira, 10 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Flexibilização pelo STF do Estatuto do Desarmamento divide opiniões de especialistas


Agência O GloboBRASÍLIA - A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de flexibilizar o Estatuto do Desarmamento dividiu opiniões na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Para o presidente nacional da Ordem, Cezar Britto, foi acertada a decisão de considerar inconstitucionais artigos que vedavam o pagamento de fiança a presos por porte ilegal de arma, o que ele considerava um exagero do Estatuto.- O Supremo consolida o entendimento de que o Estatuto está em vigor e que é constitucional, demonstrando claramente o acerto daqueles que defendem maior controle da circulação e uso de arma de fogo - afirmou Britto, acrescentando que as correções foram positivas: - Responder a processo em liberdade é um direito inerente à pessoa humana, ainda mais quando não formada a culpa.Quem também viu resultado positivo no julgamento de quarta-feira foi o coordenador do Programa de Controle de Armas da ONG Viva Rio, Antônio Rangel Bandeira, para quem a votação acabou sendo uma grande vitória dos que defendem a nova lei.- As dez ações de inconstitucionalidade pediam a revogação de todo o estatuto. Agora, do ponto de vista legal, o estatuto está consolidado.Ele considera que houve uma pequena perda, com a derrubada da prisão sem fiança para porte ilegal.- A aplicação desse dispositivo prendeu vários bandidos não porque eram bandidos, mas porque estavam com arma. Isso era muito bom.Já o presidente da OAB-RJ, Wadih Damous, considerou a decisão um retrocesso no combate à violência. Para ele, os artigos que foram considerados inconstitucionais pelo STF poderiam ser considerados válidos, bastando para isso serem regulados pelo Congresso.- Fico com o entendimento da corrente minoritária da votação no STF, no sentido de que o Congresso Nacional poderia sim estabelecer novos tipos de crimes inafiançáveis para o caso de porte de armas. Infelizmente o entendimento majoritário foi no sentido de que isso não poderia ser feito, tendo havido uma interpretação estrita da Constituição - disse.Para especialistas da Rede Desarma Brasil,a mudança pode ser apenas um primeiro sinal de um enfraquecimento ainda maior da legislação contra a violência no Brasil.- Nosso maior medo é que essa medida abra portas para outras piores. Tramitam no Congresso 108 projetos que prevêem a mudança do estatuto, a grande maioria muito negativa - disse Heather Sutton, coordenadora do Instituto Sou da Paz, que integra a Rede Desarma Brasil.

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p