Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

FH nega que tenha aberto guerra


Agência O GloboRIO e TEÓFILO OTONI (MG) - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso negou que tenha decidido abrir guerra contra o governador de Minas, Aécio Neves, e admite em conversas informais que Aécio pode representar o 'progressismo', mas alerta que sua aproximação com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode torná-lo um 'inocente inútil'. As informações são da coluna de Merval Pereira, publicada nesta terça-feira, no jornal 'O Globo'.De acordo com a coluna, FH classificou a polêmica sobre a carta aos eleitores do PSDB, divulgada durante o feriado de 7 de setembro no site do partido, como "interpretações desencontradas" de suas intenções, atribuiu "à velha mania brasileira de julgar intenções e não fatos".Na carta, o ex-presidente admitiu falhas na gestão penitenciária em São Paulo que teriam criado "um caldo de cultura para a criminalidade'', favorecendo o fortalecimento da facção criminosa que organizou séries de ataques no estado, hoje um ponto vulnerável na campanha tucana.Fernando Henrique fez o comentário sobre Aécio porque o governador criticou nesta segunda a carta publicada pelo ex-presidente. Aécio disse que preferia não alimentar mais a polêmica, mas defendeu o candidato do partido a presidente da República, Geraldo Alckmin, dizendo que evita "comentar ações que mais desagregam do que agregam".- Prefiro não comentar (a carta). Eu hoje estou envolvido num projeto que é a eleição de Geraldo Alckmin para a Presidência da República. Esse é o projeto que interessa ao PSDB, que interessa ao Brasil. A melhor forma de eu contribuir com esse projeto é evitar comentar ações que mais desagregam do que agregam - disse Aécio, que acompanhou Alckmin em Teófilo Otoni, no interior mineiro.A três semanas da eleição, o texto do ex-presidente gerou confusão no PSDB e motivou críticas tanto de tucanos quanto de petistas. A avaliação é que a mensagem de Fernando Henrique não contribui para a campanha de Alckmin, ainda debilitada por conta do mau desempenho nas pesquisas e pelas reclamações de aliados sobre sua estratégia.- Quando se faz uma campanha política, se faz olhando para frente, não para trás. O Geraldo, inclusive com muita firmeza, tem relembrado sempre muitos aspectos positivos do governo (FH) - afirmou Aécio.- Eu não acho que ele (Fernando Henrique) tenha sido deixado de lado (nesta campanha), mas o candidato é Geraldo Alckmin. Estamos discutindo o governo a partir de 2007, e não a partir de governos passados - acrescentou o governador mineiro.O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, também criticou a carta. Para Aldo, o sociólogo Fernando Henrique foi prejudicado pelo político. Já o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse que viu um aspecto positivo na carta. Segundo ele, Fernando Henrique reconheceu que o valerioduto começou com o PSDB em Minas Gerais.Aécio, no entanto, procurou contemporizar a situação, mesmo com as ressalvas à carta. Disse que é amigo pessoal de Fernando Henrique, ``um homem de muitas virtudes que não pode ser julgado por esse documento''.Já Alckmin minimizou a polêmica em torno da carta.- Acho que o presidente Fernando Henrique colocou claramente o momento triste da vida política brasileira... A lógica da carta foi fazer um chamamento - disse o candidato.

Mais Sobre Política - Nacional

Desproteção ao trabalhador faz ações trabalhistas despencarem

Desproteção ao trabalhador faz ações trabalhistas despencarem

O número de ações trabalhistas pendentes de julgamento despencou após seis meses de reforma trabalhista; até maio deste ano, as varas de todo o país t

Marco Aurélio Mello culpa Cármen Lúcia por prisão ilegal de Lula

Marco Aurélio Mello culpa Cármen Lúcia por prisão ilegal de Lula

 247 – Um dia depois de denunciar à televisão portuguesa que o ex-presidente Lula está preso ilegalmente no Brasil (saiba mais aqui), o ministro Marco

 'Decisão de Fux já custou mais de R$ 4 bi ao País'

'Decisão de Fux já custou mais de R$ 4 bi ao País'

"Uma decisão tomada há quase quatro anos pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, já custou mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos sem

No mesmo dia em que manobrou contra Lula, Fachin livrou Temer

No mesmo dia em que manobrou contra Lula, Fachin livrou Temer

Fachin arquivou uma investigação da Polícia Federal que recaía contra Temer. A apuração era sobre um manuscrito apreendido no gabinete do senador pel