Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

FH nega que tenha aberto guerra


Agência O GloboRIO e TEÓFILO OTONI (MG) - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso negou que tenha decidido abrir guerra contra o governador de Minas, Aécio Neves, e admite em conversas informais que Aécio pode representar o 'progressismo', mas alerta que sua aproximação com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode torná-lo um 'inocente inútil'. As informações são da coluna de Merval Pereira, publicada nesta terça-feira, no jornal 'O Globo'.De acordo com a coluna, FH classificou a polêmica sobre a carta aos eleitores do PSDB, divulgada durante o feriado de 7 de setembro no site do partido, como "interpretações desencontradas" de suas intenções, atribuiu "à velha mania brasileira de julgar intenções e não fatos".Na carta, o ex-presidente admitiu falhas na gestão penitenciária em São Paulo que teriam criado "um caldo de cultura para a criminalidade'', favorecendo o fortalecimento da facção criminosa que organizou séries de ataques no estado, hoje um ponto vulnerável na campanha tucana.Fernando Henrique fez o comentário sobre Aécio porque o governador criticou nesta segunda a carta publicada pelo ex-presidente. Aécio disse que preferia não alimentar mais a polêmica, mas defendeu o candidato do partido a presidente da República, Geraldo Alckmin, dizendo que evita "comentar ações que mais desagregam do que agregam".- Prefiro não comentar (a carta). Eu hoje estou envolvido num projeto que é a eleição de Geraldo Alckmin para a Presidência da República. Esse é o projeto que interessa ao PSDB, que interessa ao Brasil. A melhor forma de eu contribuir com esse projeto é evitar comentar ações que mais desagregam do que agregam - disse Aécio, que acompanhou Alckmin em Teófilo Otoni, no interior mineiro.A três semanas da eleição, o texto do ex-presidente gerou confusão no PSDB e motivou críticas tanto de tucanos quanto de petistas. A avaliação é que a mensagem de Fernando Henrique não contribui para a campanha de Alckmin, ainda debilitada por conta do mau desempenho nas pesquisas e pelas reclamações de aliados sobre sua estratégia.- Quando se faz uma campanha política, se faz olhando para frente, não para trás. O Geraldo, inclusive com muita firmeza, tem relembrado sempre muitos aspectos positivos do governo (FH) - afirmou Aécio.- Eu não acho que ele (Fernando Henrique) tenha sido deixado de lado (nesta campanha), mas o candidato é Geraldo Alckmin. Estamos discutindo o governo a partir de 2007, e não a partir de governos passados - acrescentou o governador mineiro.O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, também criticou a carta. Para Aldo, o sociólogo Fernando Henrique foi prejudicado pelo político. Já o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse que viu um aspecto positivo na carta. Segundo ele, Fernando Henrique reconheceu que o valerioduto começou com o PSDB em Minas Gerais.Aécio, no entanto, procurou contemporizar a situação, mesmo com as ressalvas à carta. Disse que é amigo pessoal de Fernando Henrique, ``um homem de muitas virtudes que não pode ser julgado por esse documento''.Já Alckmin minimizou a polêmica em torno da carta.- Acho que o presidente Fernando Henrique colocou claramente o momento triste da vida política brasileira... A lógica da carta foi fazer um chamamento - disse o candidato.

Mais Sobre Política - Nacional

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

O chargista Aroeira, do Jornalistas pela Democracia, divulgou nesta segunda-feira (25) nova charge em que retrata a crise política protagonizada pelo

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a mensagem que será lida em quarteis e guarnições militares no próximo dia 31 de março, em alusão à mesma data no

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor