Porto Velho (RO) quinta-feira, 15 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Faltam médicos no interior do Brasil


Agência O GloboRIO - As prefeituras oferecem bons salários e benefícios, mas não conseguem contratar médicos para atender a população que mais precisa. Mais de cem milhões de brasileiros precisam do Sistema Único de Saúde para ter acesso à saúde.No começo da noite em Maceió, camas improvisadas são vistas em frente ao maior posto do SUS. Muita gente volta pra casa sem conseguir a consulta.- Há mais de 15 dias estou procurando um ginecologista e não encontro - diz a paciente.A secretaria de saúde diz que a faltam especialistas e que está tentando contratar 50 médicos. O salário é de R$ 1.100 por 20 horas semanais. Em Goiânia, há vagas para 90 profissionais.- Tem uns três meses que eu quero marcar com um ginecologista e não tô conseguindo - diz a mulher. Há um mês a prefeitura publica editais em vão. O salário é de R$ 1.300.- Existe um piso nacional estabelecido pela federação nacional dos médicos em torno de R$ 3.300 para 20 horas semanais, e os valores que têm sido oferecidos são muito abaixo deste piso o que acaba não atraindo o profissional para este serviço - afirma Leonardo Reis, do sindicato dos médicos de Goiás.Mas salários melhores nem sempre conseguem atrair os médicos para o interior. Em Jataí, no sudoeste de Goiás, um especialista ganha quatro vezes mais que na capital, mesmo assim, no centro de urgência se consultórios estão vazios e a recepção lotada.A psiquiatra carioca ganha por dois dias de trabalho semanais, R$ 4.000. Diz que não se arrependeu de ter vindo mas que a carreira fica prejudicada.- Fica defasada em termos de aprendizagem A gente tem que ficar indo pro centro grande, Rio, São Paulo, Brasília, para estar se reciclando - conta Cláudia Coelho, psiquiatra.O último levantamento do Conselho Federal de Medicina mostra que o Brasil tem mais de 312 mil médicos e que apenas 38% trabalham no interior, 62% estão nas capitais.A Região Norte tem o menor número: 20 mil. Já no Sudeste são 259 mil profissionais, mas em Minas Gerais muitas cidades também enfrentam problemas.Em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, faltam médicos em 14 postos. A maioria em bairros distantes ou regiões violentas. Em um deles, desde que uma médica foi agredida por um morador, há dois anos e meio, os pacientes são atendidos por uma enfermeira.A secretaria de saúde da cidade informou que no último concurso público, dos 27 médicos aprovados, apenas 11 quiseram o cargo. - Pagamos férias, 13º salário, estabilidade, um salário de até R$ 6.000 - afirma Lídia Tonon, secretária de saúde de Contagem.- Falta de trabalho não há, mas há um grande desestímulo do colega em enfrentar a violência, o medo de ir até o seu serviço, seu local de trabalho e não voltar pra casa - garante Fernando Mendonça, do sindicato dos médicos de Minas Gerais.Motivos que levaram o médico Vinicius Oliveira a abrir mão de um salário de quase R$ 6.000 que ganhava num posto de saúde em Belo Horizonte.- As pessoas, as vezes, não entendem que você não tem os recursos disponíveis para resolver os problemas da maneira como elas queriam - afirma Vinícus.

Mais Sobre Política - Nacional

 JUSTIÇA SUÍÇA APONTA R$ 43,2 MILHÕES EM FINANCIAMENTO ILEGAL DE SERRA

JUSTIÇA SUÍÇA APONTA R$ 43,2 MILHÕES EM FINANCIAMENTO ILEGAL DE SERRA

Dinheiro para financiar a campanha presidencial do PSDB

Jair Bolsonaro diz que programa Mais Médicos não será suspenso

Jair Bolsonaro diz que programa Mais Médicos não será suspenso

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse ontem (14) que manterá o programa Mais Médicos e vai substituir os cerca de 8.500 profissionais cubanos p

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele