Porto Velho (RO) domingo, 24 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Faltam médicos no interior do Brasil


Agência O GloboRIO - As prefeituras oferecem bons salários e benefícios, mas não conseguem contratar médicos para atender a população que mais precisa. Mais de cem milhões de brasileiros precisam do Sistema Único de Saúde para ter acesso à saúde.No começo da noite em Maceió, camas improvisadas são vistas em frente ao maior posto do SUS. Muita gente volta pra casa sem conseguir a consulta.- Há mais de 15 dias estou procurando um ginecologista e não encontro - diz a paciente.A secretaria de saúde diz que a faltam especialistas e que está tentando contratar 50 médicos. O salário é de R$ 1.100 por 20 horas semanais. Em Goiânia, há vagas para 90 profissionais.- Tem uns três meses que eu quero marcar com um ginecologista e não tô conseguindo - diz a mulher. Há um mês a prefeitura publica editais em vão. O salário é de R$ 1.300.- Existe um piso nacional estabelecido pela federação nacional dos médicos em torno de R$ 3.300 para 20 horas semanais, e os valores que têm sido oferecidos são muito abaixo deste piso o que acaba não atraindo o profissional para este serviço - afirma Leonardo Reis, do sindicato dos médicos de Goiás.Mas salários melhores nem sempre conseguem atrair os médicos para o interior. Em Jataí, no sudoeste de Goiás, um especialista ganha quatro vezes mais que na capital, mesmo assim, no centro de urgência se consultórios estão vazios e a recepção lotada.A psiquiatra carioca ganha por dois dias de trabalho semanais, R$ 4.000. Diz que não se arrependeu de ter vindo mas que a carreira fica prejudicada.- Fica defasada em termos de aprendizagem A gente tem que ficar indo pro centro grande, Rio, São Paulo, Brasília, para estar se reciclando - conta Cláudia Coelho, psiquiatra.O último levantamento do Conselho Federal de Medicina mostra que o Brasil tem mais de 312 mil médicos e que apenas 38% trabalham no interior, 62% estão nas capitais.A Região Norte tem o menor número: 20 mil. Já no Sudeste são 259 mil profissionais, mas em Minas Gerais muitas cidades também enfrentam problemas.Em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, faltam médicos em 14 postos. A maioria em bairros distantes ou regiões violentas. Em um deles, desde que uma médica foi agredida por um morador, há dois anos e meio, os pacientes são atendidos por uma enfermeira.A secretaria de saúde da cidade informou que no último concurso público, dos 27 médicos aprovados, apenas 11 quiseram o cargo. - Pagamos férias, 13º salário, estabilidade, um salário de até R$ 6.000 - afirma Lídia Tonon, secretária de saúde de Contagem.- Falta de trabalho não há, mas há um grande desestímulo do colega em enfrentar a violência, o medo de ir até o seu serviço, seu local de trabalho e não voltar pra casa - garante Fernando Mendonça, do sindicato dos médicos de Minas Gerais.Motivos que levaram o médico Vinicius Oliveira a abrir mão de um salário de quase R$ 6.000 que ganhava num posto de saúde em Belo Horizonte.- As pessoas, as vezes, não entendem que você não tem os recursos disponíveis para resolver os problemas da maneira como elas queriam - afirma Vinícus.

Mais Sobre Política - Nacional

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (19), projeto que determina que o agressor nos casos de violência doméstica e familiar será obrigado a

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Proposta permite ao juiz determinar a matrícula ou transferência de dependentes da mulher vítima de violência independentemente da existência de vagaO