Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Ex-presidente FH faz carta aberta aos eleitores do PSDB


Diana Fernandes - Agência O GloboBRASÍLIA - Em carta endereçada aos eleitores do PSDB, divulgada no site do partido nesta quinta-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma espécie de balanço dos erros e acertos dos tucanos. Admitiu dificuldades em convencer a maioria do eleitorado brasileiro sobre os argumentos do seu grupo político e desferiu novos ataques ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao PT, responsáveis, segundo ele, pelos desmandos e corrupção no país.Sem pedir votos para o presidenciável tucano, Fernando Henrique defende que Geraldo Alckmin parta para o confronto com o presidente Lula, afirmando que o primeiro tem condições morais e éticas que o segundo não tem. Apontando como primeiro erro "ter tapado o sol com a peneira" no caso de caixa dois na campanha do então governador de Minas Eduardo Azeredo, em 1998, o ex-presidente disse que não foram também suficientemente firmes na denúncia política "de todo esse descalabro" no momento adequado. "Não será agora, durante a campanha eleitoral, que conseguiremos despertar a população. Mas, para nos diferenciarmos da podridão reinante, temos a obrigação moral de não calar."Manifestando mais uma vez descontentamento com o ritmo e o tom da campanha de Geraldo Alckmin, o ex-presidente cobra: "Nosso candidato à Presidência tem as mãos limpas. Tem história de seriedade. Por que não bradar isso com força ? Por que não fazer o contraponto com o outro lado. Nada a temer nem a esconder. Enfim: faltam condições morais a um e sobram a outro. Essa é a diferença."Afirmando que o PSDB não pode se calar diante do "descalabro" e que essa diferença moral é o ponto de partida para recuperar o reconhecimento público do valor da política e o legado do PSDB, Fernando Henrique sugere a derrota do partido nas eleições: "Ainda que o eleitorado não nos acompanhe neste momento, deixaremos as marcas de nosso estilo, de nossas atitudes, para calçar um futuro melhor para o país".Citando os casos de corrupção ocorridos no governo Lula, o ex-presidente diz que a indignação fica maior quando se vê o presidente da República passando a mão na cabeça dos que errara, "com a desculpa de que todos são iguais ou, então, em versão mais sofisticada da mesma falta de vergonha, dizerem que a culpa é do sistema"."Pagar mensalão é crime e como crime deve ser tratado. (...) O próprio Presidente, que é responsável pelos ministros, não tendo atuado para demiti-los nem depois do fato sabido, é passível de crime de responsabilidade", diz Fernando Henrique, que fala também que o sentimento de impunidade desmoraliza tudo, desanima a população e dá a impressão de que o povo é indiferente à corrupção: "Não é indiferença, é descrença na punição".Ainda criticou a política fiscal de Lula, afirmando que agora, diante da conjuntura eleitoral veio a bonança às custas do futuro: "Não havendoincremento significativo dos investimentos (...) e havendo a ampliação do gasto público, é só a conjuntura internacional mudar e pagaremos o custo da crise fiscal, das ineficiências acumuladas, da falta das reformas".Fernando Henrique também cobrou dos companheiros tucanos a defesa de atos de seu governo: "Não podemos continuar meio envergonhados cada vez que o PT e seus aliados falam de "privataria". Privatizamos sim, e nada temos a esconder no processo de privatização".Defendeu ainda posição mais clara do PSDB sobre a política externa e concluiu: "Em suma, se quisermos exercer uma liderança renovadora precisamos manter antigos compromissos democráticos, radicalizando-os, através da reforma política; precisamos reatar os fios entre o partido e a sociedade; (...) romper os vínculos ideológicos que ainda nos prendem à visão estatista-desenvolvimentista e rechaçar todas as formas de populismo; sustentar políticas que reduzam a pobreza até sua eliminação, gerando empregos sem contentar-nos com o necessário assistencialismo e sem ficarmos embaraçados com a forma capitalista do crescimento da economia".

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que